Mateus 11 Estudo: Os Discípulos Enviados por João Batista

Neste capítulo de Mateus 11 estudo, veremos que João Batista enviou dois dos seus discípulos para Jesus e como sabemos, há momentos de grande estresse muitas vezes podem abalar nossas crenças.

Advertisement

Diante disso, preso e enfrentando a morte, as dúvidas começaram a assombrar João Batista, além disso, ele não tinha mais tanta certeza de que Jesus era o Messias.

Entretanto, neste episódio, vi a mão de Deus e a bondade de seus servos e quando os discípulos de João Batista relataram suas dúvidas ao Senhor, Jesus respondeu sem grosseria, desprezo ou julgamento.

Advertisement

Mateus 11 estudo: Contexto histórico

De acordo com o contexto, quando Jesus terminou de ensinar seus doze discípulos, ele saiu de lá para ensinar e pregar em suas cidades.

No entanto, quando João ouviu o que Cristo havia feito na prisão, ele enviou dois discípulos, e disse-lhe: És tu que vem, ou procuramos outro? E Jesus respondeu: Ide contar a João o que ouvistes e vistes.  

Portanto, o cego vê, o coxo anda; o zumbido é purificado, o surdo ouve; os mortos ressuscitam e o evangelho é pregado aos pobres.

(Mateus 11:1) Jesus continua a dar suas instruções

v. 1 E aconteceu que, tendo Jesus terminado de dar instruções aos seus doze discípulos, ele partiu dali para ensinar e pregar nas cidades deles.

As palavras tendo Jesus terminado são importantes para a compreensão da estrutura do Evangelho.

Advertisement

⚠️ Grupo VIP de Estudos no WhatsApp:


(Mateus 11:2-3) João envia seus discípulos

v. 2 Ora, quando João ouviu na prisão sobre as obras de Cristo, ele enviou dois dos seus discípulos,

v. 3 a dizer-lhe: És tu aquele que havia de vir, ou aguardamos outro?

Advertisement

João Batista anteriormente expressara em Jesus como Cristo (Messias) (Mt 3:14Jo 1:29-37). As dúvidas de João aqui provavelmente eram o resultado de seu prolongado aprisionamento e seu desapontamento porquanto um “batismo de fogo” ainda não ocorrera (Mt 3:11-12).

Jesus identificou-se como o Ungido pelo Espírito em Is 61:1-3. Todavia, Is 61:1 prometia que o Ungido haveria de “proclamar liberdade aos cativos e a abertura da prisão para aqueles que estão encarcerados”.

João provavelmente interpretara a profecia literalmente e assim por engano esperava uma soltura miraculosa da prisão.

(Mateus 11:4-5) As obras de Jesus

v. 4 Jesus lhes respondeu: Ide, e mostrai a João novamente as coisas que ouvis e vedes:

v. 5 Os cegos recebem a sua visão, e os coxos andam; os leprosos são purificados, e os surdos ouvem; os mortos são ressuscitados, e aos pobres é pregado o evangelho.

Advertisement

Jesus confirmou Sua identidade como o Cristo ao apelar para Suas obras miraculosas e graciosas (Is 29:18-19).


⚠️ Cursos Bíblicos Recomendados (Com Desconto Especial):


(Mateus 11:6) A perseverança da fé em Deus

v. 6 E abençoado é aquele que não se ofender em mim.

Jesus pronunciou bênção sobre todo aquele que está disposto a sofrer e que não se escandaliza por causa dele.

João serve assim de modelo para aqueles que perseveram na fé a despeito do sofrimento.

(Mateus 11:7) Jesus conversa com a multidão

v. 7 E, partindo eles, começou Jesus a dizer às multidões a respeito de João: O que fostes ver no deserto? Um caniço agitado pelo vento?

Um caniço agitado pelo vento é uma metáfora para alguém que é carente de convicção e é facilmente influenciado pela opinião pública (1Rs 14:15).

(Mateus 11:8) A fidelidade de João

v. 8 Mas o que fostes ver? Um homem trajado de roupas finas? Eis que os que se vestem de roupas finas estão nas casas dos reis.

Advertisement

Ao contrário dos falsos profetas, João não se permitia ser comprado por um rei que desejava obter profecias favoráveis (ver 1Rs 22:13-28).

(Mateus 11:9-10) Muito além de profeta

v. 9 Mas o que fostes ver? Um profeta? Sim, eu vos digo, e muito mais do que profeta.

v. 10 Porque este é aquele, de quem está escrito: Eis que diante da tua face eu envio o meu mensageiro, que preparará diante de ti o teu caminho.


Conheça sua Bíblia de Forma Profunda e Descubra Como Entendê-la com Mais Facilidade!
(Clique Aqui e Saiba Mais)


Sobre João Batista na profecia de Isaías, ver nota em Mt 3:3.

(Mateus 11:11) João foi preso e morto

v. 11 Na verdade eu vos digo: Dentre os nascidos de mulheres, não apareceu um maior do que João, o Batista; contudo aquele que é o menor no reino do céu é maior do que ele.

João foi preso e executado antes do reinado de Jesus ser estabelecido por meio de Sua morte e ressurreição (At 2:32-36 – Rm 1:4).

Assim, os discípulos que desfrutam o reinado presente de Cristo gozam de bênçãos que João Batista desejou, mas não experimentou (Mt 13:17).

A descrição dos profestas do antigo testamento em 1Pe 1:10-12 narra com exatidão a experiência de João. Estes homens não viveram para ver os sofrimentos messiânicos e as glórias que se seguiram.

(Mateus 11:12) Violência presente desde a partida de João

v. 12 E, desde os dias de João, o Batista, até agora, o reino do céu sofre violência, e os violentos o tomam pela força.

A captura, aprisionamento e eventual execução de João e a violenta oposição dos líderes judeus e Jesus foram tentativas para prender e controlar o reino do céu que dão a entender que o reino um dia se livrará do domínio daqueles que buscam restringi-lo (ver nota no v. 14).

(Mateus 11:13-14) João cumpriu o seu papel

v. 13 Pois todos os profetas e a lei profetizaram até João.

v. 14 E se vós quiserdes aceitar, este é Elias, o que havia de vir.

Malaquias 4:5 prometia que o Dia do Senhor, um tempo de julgamento divino para o ímpio, mas de cura e alegria para o povo de Deus, seria precedido pelo envio de Elias.


Aprenda Como Pregar a Palavra de Deus com Sabedoria e Propriedade!
(Clique Aqui e Confira)


Jesus explicou que João Batista cumpriu o seu papel e que o seu ministério assinalava o alvorecer do Dia do Senhor.

Malaquias 4:3 prometia que o Dia do Senhor seria um tempo em que o povo de Deus esmagaria “os perversos, porque eles serão cinzas debaixo das solas de vossos pés”.

Isto sinaliza que a violenta supressão do reino em breve acabará (ver nota no v. 12).

(Mateus 11:15-19) Quem tiver ouvidos ouça

v. 15 Quem tem ouvidos para ouvir, ouça.

v. 16 Mas, a quem eu compararei esta geração? É semelhante às crianças que se assentam nos mercados, e chamam aos seus companheiros,

v. 17 dizendo: Tocamo-vos flauta, e não dançastes; cantamo-vos murmurações, e não lamentastes.

v. 18 Portanto veio João, não comia nem bebia, e dizem: Ele tem um demônio.

v. 19 Veio o Filho do homem, comendo e bebendo, e dizem: Eis aí um homem comilão e beberrão, amigo dos publicanos e pecadores. Mas a sabedoria é justificada por seus filhos.

Jesus descreve seus contemporâneos incrédulos como crianças mimadas que choramingam ao serem contrariadas.

Em uma antiga versão do jogo “Simão diz”, se uma criança designada tocasse uma simulada flauta, as outras crianças teriam que dançar.

Se ela cantasse murmurações, elas tinham que lamentar. Todavia, como crianças indiferentes, Israel não deu atenção aos ministérios de Jesus e João Batista.

A referência às obras da sabedoria faz paralelo com a referência às obras do Messias (v. 2) e implica que as reivindicações de Jesus foram vindicadas pelos atos escritos nos versículos 4-6.

No período entre o antigo testamento e o novo testamento, intérpretes judeus elaboraram em cima de Pv 8:32-36 e ensinaram que a Sabedoria era um ente eterno que servia como agente de Deus na criação do mundo.

Ao identificar-se com a sabedoria personificada, Jesus deu a entender que Ele é o Eterno por meio de quem o Pai criou todas as coisas (Jo 1:3).

(Mateus 11:20-24) A repreensão das cidades

v. 20 Então ele começou a repreender as cidades nas quais se havia feito a maioria das suas poderosas obras, porque eles não se arrependeram. 

v. 21  Ai de ti, Corazim! Ai de ti, Betsaida! Porque, se em Tiro e em Sidom fossem feitas as poderosas obras que em vós se fizeram, há muito eles teriam se arrependido, em pano de saco e cinza.

v. 22 Mas eu vos digo que haverá mais tolerância no dia do juízo para Tiro e Sidom do que para vós.

v. 23  E tu, Cafarnaum, exaltada até ao céu, serás derrubada para o inferno; porque, se em Sodoma tivessem sido feitas obras poderosas que em ti se fizeram, teria permanecido até hoje.

v. 24 Mas eu vos digo que haverá mais tolerância no dia do juízo para os de Sodoma do que para ti.

Estes versículos nos recordam que os Evangelhos não são relatos exaustivos da vida de Jesus. Jesus realizou a maioria das Suas poderosas obras em Corazim… Betsaida, e Cafarnaum, entretanto, os Evangelhos não descrevem Seus milagres em Corazim e mencionam somente dois que foram realizados em Betsaida (Mc 6:45).

O julgamento de Deus contra o pecado será de mais tolerância para as pessoas a quem pouca revelação é dada.

Por outro lado, aqueles que recebem muita revelação têm maior responsabilidade e assim incorrem em juízo mais severo por causa de sua incredulidade e desobediência.

(Mateus 11:25-27) Jesus agradece ao Senhor Deus

v. 25 Naquele momento, Jesus respondeu e disse: Graças te dou, ó Pai, Senhor do céu e da terra, porque tu ocultaste estas coisas aos sábios e prudentes, e as revelaste às criancinhas.

v. 26 Sim, Pai, pois assim foi agradável diante de ti.

v. 27 Todas as coisas me foram entregues por meu Pai, e nenhum homem conhece o Filho, senão o Pai; e nenhum homem conhece o Pai, senão o Filho, e aquele a quem o Filho o quiser revelar. 

A declaração de Jesus se assemelha àquelas a ele atribuídas no Evangelho de João (Jo 7:29). Isto mostra quão substancialmente João e os Evangelhos Sinóticos concordam com relação ao retrato de Jesus.

(Mateus 11:28-30) Jesus chama para ele todos aqueles que necessitam

v. 28 Vinde a mim, todos vós que estais cansados e sobrecarregados, e eu vos darei descanso.

v. 29 Tomai sobre vós o meu jugo, e aprendei de mim, pois eu sou manso e humilde de coração; e encontrareis descanso para as vossas almas.

v. 30 Porque o meu jugo é suave, e o meu fardo é leve.

As palavras de Jesus recordam uma declaração feita pela Sabedoria personificada em um documento judaico datando algumas centenas de anos antes de Cristo.

Quando combinada com Mt 11:19, isto sugere que Jesus se descreveu como a Sabedoria personificada, Aquele que existe eternamente e que atuou como representante de Yahweh na criação do mundo (1Co 1:24).

O ensino de Jesus provia um suave jugo em contraste com o jugo pesado e supressivo do ensino rabínico (Mt 23:4 – At 15:10).

Conclusão

Concluímos, portanto, que é de suma importância que tenhamos fé, independentemente do que esteja ocorrendo em nossas vidas, assim como João teve no Senhor.

Além disso, João cumpriu sua função e se foi, porém deixando seu legado, o que refletiu por muitos anos, tanto que Jesus disse que entre os homens nascidos de mulher, não há ninguém maior do que João Batista.

Mateus 11 estudo.

Sobre o Autor

Olá, me chamo Lázaro Correia, sou Cristão, formado em Teologia e apaixonado pela Bíblia. Aqui no Blog você vai encontrar diversos estudos Bíblicos e muito conteúdo sobre vida Cristã.

    0 Comentários

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado.

    Nosso site utiliza cookies para melhorar sua experiência na navegação. Mais informações.