Juízes 5 Estudo: O Cântico de Débora

Advertisement

No capítulo 5 do livro de Juízes, encontramos um poema de celebração conhecido como Cântico de Débora. Este cântico é uma expressão de louvor e gratidão pela vitória que Deus concedeu ao povo de Israel sobre seus inimigos.

Débora, uma juíza e profetisa, lidera o cântico, destacando a importância da liderança feminina e a participação de diferentes tribos na batalha. É um momento de reflexão sobre a fidelidade de Deus e Seu papel como libertador de Seu povo.

Advertisement

Contexto histórico

No capítulo 4, vimos que os israelitas se corromperam e, então, Deus os entregou nas mãos de Jabim, o qual os oprimiu por vinte anos.

Então, Débora, a qual fora levantada como juíza e profetisa, manda que Baraque lutasse contra aquele povo, vez que o Senhor já havia concedido a vitória a eles.

Baraque condiciona o atendimento daquele chamado a participação de Débora e, esta, consente, no entanto, aduz que a honra da batalha seria atribuída a ela.

Então, os israelitas vencem, no entanto, o comandante do exército estrangeiro, Sísera, foge e se esconde na tenda de Jael, mulher de Heber, a qual o mata e, por fim, comunica Baraque sobre o ocorrido.

Advertisement

(Juízes 5:1)Débora e Baraque

v. 1 Então cantaram Débora e Baraque, o filho de Abinoão, dizendo

 Quando Deus intervém de maneira decisiva na vida de Seu povo, a resposta deles é cantar louvores ao Senhor (Ex 15).

Neste versículo, Débora e Baraque lideram o povo em uma canção de celebração e gratidão focada no Senhor como a figura principal, sem ignorar o heroísmo dos homens participantes.

(Juízes 5:4-5) Seir

v. 4 SENHOR, quando tu saíste de Seir, quando marchaste para fora do campo de Edom, a terra tremeu, e os céus gotejaram, as nuvens também gotejaram água.
v. 5 Os montes derreteram diante do SENHOR, até mesmo o Sinai diante do SENHOR Deus de Israel. 

 Débora descreveu a presença do Senhor na batalha como se fosse uma teoria, na qual o Senhor saiu marchando do monte Seir, em Edom, trazendo consigo uma poderosa tempestade.

Esta tempestade não serviu apenas para o propósito prático de impedir o avanço das carruagens de Sisera e anular sua vantagem tecnológica.

Ela também retrata o Senhor, e não Baal, como o verdadeiro Deus da tempestade, que sai em marcha do monte onde habita com nuvens e chuva. Somente o Senhor controla os elementos cósmicos.

(Juízes 5:6) Israel sem liderança

v. 6 Nos dias de Sangar, o filho de Anate, nos dias de Jael, as grandes rotas estavam desocupadas, e os viajantes caminhavam por caminhos secundários. 

O estado de Israel antes da batalha é relembrado com uma descrição vívida. Ao chamar este tempo de dias de Sangar, o filho de Anate e dias de Jael, Débora ressaltou a falta de liderança nesta época.

O Senhor teve que usar dois estrangeiros para resgatar seu povo, inclusive um homem cujo nome louva uma deusa pagã.

Naqueles dias, as grandes rotas estavam desocupadas, ou por medo de haver um ataque de bandidos ou por impostos excessivos cobrados pelos cananeus, deslocando o movimento existente para trilhas ocultas que apenas o povo local conhecia.

(Juízes 5:7-8) Mãe de Israel

v. 7 Os habitantes das aldeias cessaram, eles cessaram em Israel, até que eu, Débora, me levantei, até que eu levantei uma mãe em Israel.

v. 8 Eles escolheram novos deuses; então houve guerra nos portões; foi visto algum escudo ou lança entre quarenta mil em Israel? 

A vida em vilarejos sem muro ficou tão impossível que os camponeses já tinham desistido. Somente quando Débora se levantou é que as coisas começaram a mudar. Ela se tornou uma mãe em Israel.

Este título não apenas expressa o respeito com que ela era vista por ser profetisa, como também salienta o fato dela ser mulher e de não haver nenhuma figura masculina semelhante como “pai” naquela época. A razão deste cenário negativo era simples: Israel tinha escolhido novos deuses.

(Juízes 5:9-11) Adoração

v. 9 O meu coração está inclinado aos governantes de Israel, que se ofereceram voluntariamente no meio do povo. Bendizei ao SENHOR. 

v. 10 Falai, vós que cavalgam em jumentos brancos, vós que vos assentais em juízo, e andais pelo caminho. 

v. 11 Aqueles que são libertos do ruído dos arqueiros nos lugares de coleta de água, ali eles recitarão os atos de justiça do SENHOR, os atos de justiça para com os habitantes das suas aldeias em Israel; então, o povo do SENHOR descerá até os portões. 

Débora repete seu chamado à adoração do Senhor, desta vez falando aos ricos comerciantes cananeus, que caminham pela estrada que os israelitas temem usar.

Estes homens foram convocados a se unir aos israelitas comuns e celebrar os atos de justiça do SENHOR e de Seus guerreiros nos lugares onde se conversa e partilha notícias, os bebedouros.

Estes feitos são justos no sentido de que a vitória sobre Sísera vingou o poder do Senhor e confirmou Israel como Seu povo escolhido.

(Juízes 5:14-18) A desunião de Israel

v. 14 De Efraim houve uma raiz contra Amaleque; depois de ti, Benjamim, no meio do teu povo; de Maquir desceram governantes, e de Zebulom aqueles que manuseiam a pena do escritor. 

v. 15 E os príncipes de Issacar estiveram com Débora; Issacar mesmo, e também Baraque; ele foi enviado a pé para o vale. Para as divisões de Rúben houve grandes pensamentos do coração. 

v. 16 Por que habitaste no meio dos apriscos, para ouvir os balidos dos rebanhos? Para as divisões de Rúben houve grandes buscas do coração. 

v. 17 Gileade habitou além do Jordão; e por que Dã permaneceu em navios? Aser continuou à beira-mar, e habitou nas suas brechas. 

v. 18 Zebulom e Naftali eram um povo que arriscava a sua vida à morte nos lugares altos do campo. 

 A resposta ao chamado de Deus às armas mostra que Israel não estava unido. Efraim… Benjamim… Maquir (Manassés)… Zebulom… Issacar e Naftali vieram prontamente, porém Rúben… Gileade (Gade)… Dã e Aser ficaram para trás.

(Juízes 5:19-21) A intervenção divina

v. 19 Os reis vieram e lutaram; então lutaram contra os reis de Canaã em Tanaque, junto as águas de Megido; eles não tiveram qualquer ganho em dinheiro.

v. 20 Eles lutaram desde o céu; as estrelas, em suas órbitas, lutaram contra Sísera. 

v. 21 O rio de Quisom os varreu para longe, aquele rio antigo, o rio Quisom. Ó minha alma, tu pisaste sobre a força. 

O clímax da canção mostra a batalha em si. De fato, derrotar Jabim era uma frustração para todos os reis de Canaã.

Os reis da terra não eram páreo para a hoste celestial do Senhor, as estrelas do céu, que lutaram ao lado de Israel.

A intervenção divina fica evidente com uma repentina tempestade que transformou o rio Quisom, normalmente pouco maior que um riacho, em uma correnteza violenta, tornando inúteis os cavalos e carros de Sísera.

(Juízes 5:23) Meroz

v. 23 Amaldiçoai Meroz, disse o anjo do SENHOR, amaldiçoai amargamente os seus habitantes; porque não vieram em auxílio ao SENHOR, em auxílio ao SENHOR contra os poderosos. 

 Meroz não pode ser identificado com precisão. É mais provável que fosse um grupo israelita que adotou as práticas dos cananeus e ficou fora do conflito. Por isso, mereciam a maldição do anjo do SENHOR.

(Juízes 5:24-27) A bênção de Jael

v. 24 Abençoada sobre as mulheres será Jael, a esposa de Héber, o queneu; abençoada ela será sobre as mulheres na tenda. 

v. 25 Ele pediu água, e ela lhe deu leite; ela lhe trouxe manteiga em um prato nobre. 

v. 26 Ela colocou a sua mão no cravo, e a sua mão direita no martelo dos trabalhadores; e com o martelo ela feriu Sísera, ela golpeou a sua cabeça, quando perfurou e atravessou as suas têmporas. 

v. 27 Aos seus pés ele se curvou, caiu e deitou; aos seus pés ele se curvou, ele caiu; onde se curvou, ali ele caiu morto. 

 A maldição de Meroz contrasta com a bênção de Jael, uma não israelita que veio “em auxílio ao Senhor contra os poderosos” (v. 23). Jael é louvada por sua desenvoltura e astúcia.

É feita uma comparação de seu ato com o encontro mortal de Eglom com Eúde: em vez de um assassino canhoto, Jael fez seu trabalho com sua mão direita.

O resultado final para o opressor é o mesmo: os detalhes de sua morte são repetidos com sangrenta redundância.

(Juízes 5:28-30) A mãe de Sísera

v. 28 A mãe de Sísera olhava por uma janela, e chorava através da grade: Por que a sua carruagem demora tanto para vir? Por que tardam as rodas das suas carruagens? 
v. 29 As suas sábias damas lhe respondiam, sim, ela voltava a responder a si mesma: 

v. 30 Não se apressaram eles? Não repartiram os despojos; para cada homem uma ou duas donzelas; para Sísera um despojo de várias cores, um despojo de várias cores de bordados, de várias cores de bordados em ambos os lados, juntam-se para o pescoço daqueles que tomam o despojo?

 Dolorosamente, a canção passa da cena de assassinato sangrento para a imagem da mãe de Sisera, esperando em vão pelo retorno de seu filho.

Suas damas lhe garantiram que ele só estava demorando por estar repartindo os despojos. Cada soldado precisava escolher algumas roupas para si e para suas mulheres, e uma ou duas donzelas (lit. um “ventre ou dois”), o que ressalta as funções sexuais e reprodutivas esperadas das mulheres “cativas,”

(Juízes 5:31) A desobediência

v. 31 Então que pereçam todos os teus inimigos, ó SENHOR, mas que aqueles que o amam sejam como o sol, quando desponta no seu poder. E a terra teve descanso por quarenta anos. 

Reforçando o tema de que a obediência ao Senhor conduz ao descanso e a desobediência, à morte, a nota final do capítulo é que a terra teve descanso por quarenta anos.

5 importantes lições que podemos aprender em Juízes 5

  1. Louvor pela vitória de Deus: O cântico começa com louvor e gratidão a Deus pela vitória sobre os inimigos de Israel. Isso nos ensina a reconhecer e louvar a intervenção de Deus em nossas vidas, mesmo nas batalhas mais difíceis.
  2. Participação de todos: O cântico destaca a participação de diferentes tribos e líderes na batalha e na vitória. Isso nos lembra da importância da unidade e cooperação entre os crentes para alcançar os propósitos de Deus.
  3. A liderança de mulheres: O cântico é liderado por Débora, uma juíza e profetisa, destacando o papel importante das mulheres na liderança espiritual e na defesa do povo de Deus. Isso nos ensina a valorizar e reconhecer os dons e talentos de todas as pessoas, independentemente do gênero.
  4. Consequências da desobediência: O cântico também menciona tribos que não participaram da batalha e são repreendidas por sua inatividade. Isso nos lembra das consequências da desobediência e da importância de responder ao chamado de Deus para a ação e serviço.
  5. Esperança na justiça de Deus: O cântico termina com uma oração pela vitória e proteção contínua de Deus sobre Seu povo. Isso nos lembra da esperança que temos na justiça e na fidelidade de Deus, mesmo diante das circunstâncias mais difíceis.

Conclusão

No cântico de Débora, vemos que é feito referência ao atendimento de alguns dos israelitas ao seu chamado, para a batalha.

Vemos, ainda, sua referência a participação de Jael, a qual matou Sísera, enquanto dormia em sua tenda, ao fugir de Baraque.

Essa canção trava-se de uma poesia, provavelmente escrita pela própria profetisa. Era natural que os israelitas celebrassem as vitórias por meio de cânticos, os quais tornavam-se um memorial dos feitos divinos.

Além de um memorial, as canções serviam de testemunho. Conforme vemos no verso três, do presente capítulo, Débora pede que os reis ouçam sobre aquilo que ela salmodiaria sobre a vitória de Israel.

Sem dúvidas, as canções são poderosos instrumentos que testificam sobre algo, vez que, melhor que discursos, elas recebem mais atenção e possuem maior receptividade.

Com base nesta compreensão, levando-se em conta que a igreja do Senhor é chamada a levar pessoas a Cristo, a serem cartas vivas e a anunciarem sobre sua salvação, devemos fazer uso deste poderoso meio de comunicação.

Assim como Davi, devemos anunciar os maravilhosos feitos divinos, ao som de música (Salmo 92:1-3).

Juízes 5 estudo.

Sobre o Autor

Olá, me chamo Lázaro Correia, sou Cristão, formado em Teologia e apaixonado pela Bíblia. Aqui no Blog você vai encontrar diversos estudos Bíblicos e muito conteúdo sobre vida Cristã.

    0 Comentários

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *