Juízes 7 Estudo: Plano Divino em Ação

Advertisement

Neste capítulo de Juízes 7 estudo, veremos a execução do plano divino em ação. Quando as tribos se reuniram a Gideão, o Senhor o informou que eram muitos homens e, se todos lutassem, Israel entenderia que venceu por sua própria força, razão pela qual Deus mandou que alguns determinados homens voltassem.

Primeiro, aqueles que eram tímidos e amedrontados. Após, Gideão deveria observar aqueles que, ao beberem água, o fazia como os cães, estes deveriam voltar. Por fim, restaram trezentos homens para pelejarem com ele.

Advertisement

Deus, ainda, manda que, caso Gideão ainda tivesse medo, que descesse espiar o arraial dos inimigos, onde seriam fortalecidas as suas mãos. Ao fazê-lo, Gideão ouve, de um certo homem, que havia sonhado que a tenda do comandante havia caído.

Seu companheiro compreendeu que aquele sonho dizia respeito a espada de Gideão e que Deus havia entregado os midianitas e todo aquele arraial em suas mãos. Gideão, então, adorou ao Senhor e convocou os guerreiros a pelejarem. Ele lhes entregou cântaros com tochas e trombetas.

Advertisement

Chegando ele e cem homens aos arredores do arraial, tocaram as trombetas, quebraram os cântaros e seguraram as tochas, exclamando: espada pelo Senhor e por Gideão. Todo arraial passou a fugir.

Ao tocarem as trezentas trombetas, tornaram-se as espadas de uns contra os outros, no arraial e eles fugiram. Os israelitas então perseguiram os midianitas e prenderam dois príncipes, os quais foram mortos.


Você ler a Bíblia todos os dias mas Não consegue Entender a Mensagem de Deus? Clique Aqui e venha Estudar Teologia Conosco de Maneira Fácil e Descomplicada! 📖


Juízes 7 estudo: Contexto histórico

Israel havia se perdido, novamente, razão pela qual o Senhor entregou os israelitas nas mãos dos midianitas, por sete anos.

Ao clamarem ao Senhor, um profeta se levanta e anuncia que todas aquelas coisas, que sobrevinham sobre eles, sobrevinham em decorrência da desobediência. Deus, então, levanta Gideão.

(Juízes 7:1-3) Harode

v. 1 Então, Jerubaal, que é Gideão e todo o povo que estava com ele levantaram-se cedo, e acamparam ao lado do poço de Harode, de modo que o exército dos midianitas estava do lado norte deles, junto à colina de Moré, no vale. 

Advertisement

v. 2 E o SENHOR disse a Gideão: O povo que está contigo é demasiado para que eu entregue os midianitas nas suas mãos, para que Israel não se vanglorie contra mim, dizendo: A minha própria mão me salvou. 

v. 3 Agora, portanto, vai e proclama aos ouvidos do povo, dizendo: Todo aquele que estiver temeroso e receoso, que retorne e parta cedo do monte Gileade. E, do povo, retornaram vinte e dois mil; e permaneceram dez mil. 

Tendo provado que estava presente até Gideão se satisfazer, o Senhor enfatizou que Sua presença era tudo que ele precisava.


Quer Pregar Com Conhecimento Bíblico Profundo, Dominando a Oratória, com boa Dicção, Citando Versículos de Memória, sem Timidez e com total Eloquência?
(Clique Aqui e Sabia Mais)


Estrategicamente, o exército estava acampado no poço de Harode, onde o suprimento de água não seria problema.

O nome desta fonte em particular significa “Fonte do Tremor”, o que descreve a grandeza do exército de Gideão. No entanto, na perspectiva do Senhor havia gente demais ali.

Se um exército daquele tamanho vencesse, mesmo contra as hostes inumeráveis dos midianitas, Israel poderia ser tentado a levar o crédito pela vitória. Para mostrar que a vitória era totalmente Sua, o Senhor diminuiu o tamanho do exército de Gideão.

Advertisement

(Juízes 7:4-8) Trezentos guerreiros

v. 4 E o SENHOR disse a Gideão: O povo ainda é demasiado; faze-os descer até a água, e ali os provarei para ti; e será que daqueles que eu te disser: Este irá contigo, o mesmo irá contigo; e de todo o que eu te disser: Este não irá contigo, o mesmo não irá. 

v. 5 Assim, ele fez descer o povo até a água; e o SENHOR disse a Gideão: Todo aquele que lamber a água com a sua língua, como lambe um cão, este tu separarás; do mesmo modo, todo aquele que se dobrar sobre os joelhos para beber. 

v. 6 E o número daqueles que lamberam, levando a mão à boca, foi de trezentos homens; mas todo o restante do povo se dobrou sobre os joelhos para beber água. 


⚠️ E-book Grátis para Pregadores ⚠️:


v. 7 E o SENHOR disse a Gideão: Pelos trezentos homens que lamberam eu vos salvarei e entregarei os midianitas na tua mão; e que todas as outras pessoas voltem, cada qual para o seu lugar. 

v. 8 Assim, o povo tomou provisões em mãos, e suas trombetas; e ele enviou todo o restante de Israel, cada homem para a sua tenda, e reteve aqueles trezentos homens; e o exército de Midiã estava abaixo dele, no vale. 

Advertisement

O Senhor deu a Gideão um novo teste para diminuir ainda mais o tamanho de seu exército. Ele os fez descer à beira d’água para beber.

Parece que os escolhidos levaram a água à boca na concha das mãos e a beberam ali, ao passo que os que ficaram de quatro e beberam diretamente do rio, como lambe um cão, foram rejeitados.

Agora o exército de Gideão estava com trezentos homens. Nada deveria diminuir a verdade de que o Senhor pode salvar facilmente quer com muitos ou com poucos (1Sm 14:6).

(Juízes 7:9-14) O medo de Gideão

v. 9 E sucedeu que, na mesma noite, o SENHOR lhe disse: Levanta-te, desce ao exército; pois Eu o entreguei na tua mão. 
v. 10 Mas se temeres descer, desce com Pura, teu servo, até o exército; 

Advertisement

v. 11 e tu ouvirás o que eles dizem; e, depois disso, as tuas mãos serão fortalecidas para desceres até o exército. Então ele desceu com Pura, seu servo, para a parte externa dos homens armados que estavam no exército. 

v. 12 E os midianitas e os amalequitas, e todos os filhos do oriente se espalhavam ao longo do vale como locustas em multidão; e os seus camelos eram inumeráveis, como a areia na beira do mar pela sua multidão. 

v. 13 E quando Gideão chegou, eis que havia um homem que contava um sonho ao seu companheiro, e disse: Eis que tive um sonho, e eis que um bolo de pão de cevada rolava ao encontro do exército de Midiã, e veio sobre uma tenda, e a feriu a ponto de cair, e a pôs de cabeça para baixo, até que a tenda ficou estendida. 


Domine a Arte de Elaborar e Pregar Sermões Expositivos, Temáticos e Textuais, para Ensinar com Profundidade, Clareza e Fidelidade as Escrituras!
(Clique Aqui e Confira
)


v. 14 E o seu companheiro respondeu e disse: Isto não é nada além da espada de Gideão, o filho de Joás, um homem de Israel; pois em sua mão Deus entregou Midiã, e todo o exército. 

Agora o exército estava suficientemente pequeno e o Senhor ordenou a Gideão que se levantasse e começasse a ação contra o acampamento dos midianitas.

Contudo, em vez de começar imediatamente, houve mais um atraso, visando o medo contínuo de Gideão.

Advertisement

O Senhor lhe disse que, se estava com medo de ir contra o acampamento midianita, ele deveria ir secretamente até lá e ouvir o que os midianitas estavam dizendo.

Gideão desceu rastejando até onde poderia ver os midianitas, os amalequitas,e todos os filhos do oriente (Jz 6:3) espalhados como locustas em multidão, com camelos que eram inumeráveis.

Aparentemente nada mudou desde os versículos iniciais do capítulo 6. No entanto, o que Gideão ouviu era outra história. Deus tinha dado um sonho muito desmoralizador aos membros da força inimiga.

É irônico que os midianitas tenham entendido a importância do sonho tão rapidamente, ao passo que Gideão demorou para crer nos repetidos sinais e mensagens diretas do Senhor.

(Juízes 7:15-16) O encorajamento de Gideão

v. 15 E assim foi que, quando Gideão ouviu o relato do sonho, e a sua interpretação, adorou e retornou para o exército de Israel, e disse: Levantai-vos; pois o SENHOR entregou na vossa mão o exército de Midiã. 

v. 16 E ele dividiu os trezentos homens em três companhias, e pôs uma trombeta na mão de cada homem, com cântaros vazios, e tochas dentro dos cântaros. 

Advertisement

Pelo menos ouvir esta conversa às escondidas teve o efeito desejado em Gideão. Em resposta, ele se curvou e adorou a Deus, reconhecendo a veracidade de Suas palavras agora que as ouvira mais uma vez da boca de pagãos.

Gideão voltou para o acampamento de Israel e finalmente deu a seus homens a ordem que receberam do Senhor no v. 9.

Gideão dividiu seu pequeno exército em três divisões e “armou-os” com trombetas de chifre de carneiro, cântaros vazios e tochas.

Era evidente que, a não ser que o Senhor lutasse por eles, o exército não teria chances de vencer.

Advertisement

(Juízes 7:17-18) A estratégia israelita

v. 17 E ele lhes disse: Olhai para mim e fazei de modo semelhante; e eis que quando eu for para a parte externa do acampamento, assim como eu fizer, fareis também vós. 

v. 18 Quando eu soprar a trombeta, eu e todos que comigo estiverem, soprai vós também as trombetas para todos os lados do acampamento, e direis: A espada do SENHOR, e de Gideão. 

Neste momento a hesitação anterior de Gideão se fora. Ele liderou seus homens na batalha, instruindo-os a seguir seu exemplo.

Quando chegassem à parte externa do acampamento midianita, eles deveriam tocar  suas trombetas e dar seu grito de guerra, A espada do Senhor, e de Gideão. O pareamento do nome do Senhor com o de Gideão é destoante.

Advertisement

Afinal de contas, o Senhor teve muito trabalho para deixar claro que esta batalha seria vencida somente por Seu poder, diminuindo bastante o tamanho do exército de Israel para que eles não pudessem se gloriar (v. 3).

(Juízes 7:19-25) A vitória

v. 19 Assim Gideão e a centena de homens que estavam com ele vieram para a parte externa do acampamento no início da vigília do meio; e eles haviam acabado de trocar a guarda; e eles sopraram as trombetas, e romperam os cântaros que estavam nas suas mãos. 

v. 20 E as três companhias sopraram as trombetas, e romperam os cântaros, e seguraram as tochas na sua mão esquerda, e as trombetas na mão direita para soprá-las ao mesmo tempo; e eles gritaram: A espada do SENHOR, e de Gideão. 

v. 21 E cada um dos homens se pôs de pé no seu lugar ao redor do acampamento; e todo o exército correu, e gritou, e fugiu. 

v. 22 E os trezentos homens sopraram as trombetas, e o SENHOR colocou a espada de cada homem contra o seu companheiro, e em todo o exército; e o exército fugiu para Bete-Sita em Zererá, e para o limite de Abel-Meolá, até Tabate. 

Advertisement

v. 23 E os homens de Israel de Naftali, de Aser e de todo o Manassés se reuniram e perseguiram os midianitas. 

v. 24 E Gideão enviou mensageiros ao longo de todo o monte Efraim, dizendo: Descei contra os midianitas, e tomai antes deles as águas até Bete-Bara e o Jordão. Então, todos os homens de Efraim se reuniram, e tomaram as águas até Bete-Bara e o Jordão. 

v. 25 E eles tomaram dois príncipes dos midianitas: Orebe e Zeebe; e mataram Orebe sobre a rocha de Orebe, e Zeebe eles mataram no lagar de Zeebe, e perseguiram Midiã, e trouxeram as cabeças de Orebe e Zeebe para Gideão no outro lado do Jordão.

A estratégia funcionou exatamente como planejado. O início da vigília do meio era pouco depois da meia-noite. Os três grupos de Gideão, espalhados ao redor do acampamento, iriam parecer um exército bem maior.

O elemento surpresa combinado com o terror induzido por Deus fez que os midianitas fugissem para salvar suas vidas e, na confusão, lutarem uns contra os outros.

A vitória não foi apenas resultado de táticas psicológicas bem sucedidas. Foi o Senhor quem fez que os homens se voltassem uns contra os outros com as suas espadas.

Os midianitas sobreviventes fugiram em direção ao rio Jordão, embora a localização exata dos pontos mencionados no v. 22 seja incerta.

Neste ponto, com a vitória garantida, Gideão convocou os homens de Naftali, de Aser e de todo o Manassés, provavelmente o restante de seu exército original de trinta mil homens, para se unir na perseguição.

Ele também convocou os homens de Efraim para cercar os lugares de passagem do rio Jordão e eliminar qualquer evasão do remanescente dos midianitas.

O fato de Gideão chamar reforços depois que o Senhor já tinha vencido a batalha com o exército menor parece discordar do espírito de guerra santa.

Talvez fosse um sinal da autoconfiança de Gideão que estava crescendo. Orebe e Zeebe eram príncipes ou comandantes militares de Midiã.

Conclusão

Vemos a execução do plano divino em ação. O Senhor deixa claro Sua intenção de não dividir o mérito da conquista com ninguém. Os israelitas, mais uma vez, seriam levados a observar que a batalha fora conquistada por Deus.

Quando o Senhor expõe a Gideão que se tratava de muitos homens e que aquilo poderia fazê-los pensar que, por conta de serem numerosos, teriam vencido, Ele pede que Gideão selecionasse seus guerreiros.

Ele estabelece, inicialmente, como fator seletivo, o medo e a timidez. Então, vinte e dois mil homens retornaram.

Após, os soldados que bebessem a água do rio, como cães, demonstrando desatenção, também, deveriam retornar e, então, mais nove mil e setecentos homens retornaram.

O medo, a timidez e a falta de atenção, demonstravam certa inaptidão para aquele intento. O capítulo torna explicativa a razão desta inaptidão quando revela que os midianitas pereceram somente pelo medo.

Quando Gideão espia o arraial inimigo e ouve o sonho daqueles homens, ele percebe o quanto temiam, assim como o povo de Jericó, conforme anunciado por Raabe (Josué 2:11).

Como ocorreu em Jericó, Gideão usou o medo dos inimigos a seu favor. Quando o arraial ouve as trombetas e a quebra dos cântaros, pelos israelitas, eles fogem, como apavorados.

O capítulo, ainda, narra que, quando os trezentos tocam as trombetas, ao mesmo tempo, o Senhor tornou a espada de um contra o outro e eles fugiram.

Em toda trajetória de Israel, o Senhor repreendeu o medo do Seu povo, vez que este sentimento minava sua confiança nas promessas divinas.

A primeira geração de israelitas pereceu no deserto, sem ver a terra prometida, em decorrência do medo, o qual denuncia a falta de fé. Este sentimento, além de nos paralisar, é altamente contagioso àqueles que são imaturos.

Juízes 7 estudo.

Sobre o Autor

Olá, me chamo Lázaro Correia, sou Cristão, formado em Teologia e apaixonado pela Bíblia. Aqui no Blog você vai encontrar diversos estudos Bíblicos e muito conteúdo sobre vida Cristã.

    0 Comentários

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *