Gênesis 17 Estudo: A Revelação

Advertisement

Neste capítulo de Gênesis 17 estudo, aprenderemos sobre quando Deus muda o nome de Abrão para Abraão, reafirmando a aliança de Deus com Ele. Nesse mesmo capítulo, a circuncisão é estabelecida como um sinal dessa aliança e o nome de Sarai também é mudado.

Dividimos da seguinte forma: Deus renova sua aliança com Abrão; Deus muda o nome dele; Deus institui a circuncisão; Deus muda o nome de Sarai; Abraão obedece à ordem de Deus.

Advertisement

Gênesis 17 estudo: Contexto histórico

Vimos o nascimento de Ismael, os detalhes da ocasião em que Sara ofereceu a seu esposo sua serva, Agar, para lhe dar um filho. É muito importante a compreensão da sequência de eventos até aqui.

Sara oferece Agar a Abraão para que ele pudesse gerar filhos, numa evidente tentativa de auxiliar a Deus naquilo que Deus já havia prometido que faria, a história da humanidade mudou nesse capítulo, três religiões de um único homem, a promessa de Deus a Abraão se cumpriu completamente.

1 E SENDO, pois, Abrão da idade de noventa e nove anos,apareceu-lhe o SENHOR (uns treze anos tinha passado desde a última Revelação), e lhe disse: Eu sou o Deus Todo-poderoso (no Hebraico é “El Shaddai”, que significa “Poderoso para se sobrepor”; o Senhor está dizendo ao Patriarca que Ele é capaz de levar a cabo o que Ele prometeu);

anda diante de Mim e se perfeito (o Patriarca deveria ser perfeito em sua Fé; não deveria vacilar como tinha feito na situação de Agar, e sim descansar no Deus Todo-poderoso, o único capaz de cumprir o que Ele prometeu).

2 E porei o Meu Pacto entre Mim e ti, e te multiplicarei grandissimamente (o Senhor agora renova a Aliança com Abraão, a qual é grandemente alargada quanto às Promessas feitas anteriormente).

3 Então Abrão caiu sobre o seu rosto e falou Deus com ele dizendo (ou o Poder de Deus Foi tão grande que o Patriarca “caiu”, ou ele o fez como resultado de reverência, o que provavelmente é o caso):

ABRAÃO

4 Eis aqui, Eu estabeleço o Meu Pacto contigo: Serás pai de muitas nações (e assim ele foi!);

5 E não se chamará mais o teu nome Abrão (que significa “pai exaltado”), mas será o teu nome Abraão (“pai de multidões”); porque te pus por pai de muitas nações.

A ALIANÇA AMPLIADA

6 E te multiplicarei imensamente e de ti farei nações, e reis sairão de ti (Ele estava dizendo ao Patriarca, como já foi dito, que Ele era capaz, não importava qual fosse a necessidade).

7 E estabelecerei a Minha Aliança entre Mim e ti, e a tua descendência depois de ti em suas gerações, por Aliança Perpétua (significa que esta Aliança é válida até este mesmo momento e, de fato, sempre será; os Palestinos devem aprender isso),



para ser o teu Deus, e à tua descendência depois de ti (essa Aliança está ligada à”Justificação pela Fé”, o que significa que agora é parte da Nova Aliança, que também é conhecida como “A Aliança Perpétua” [Hb 13.20]).

8 E darei a ti e à tua descendência depois de ti, a terra de tuas peregrinações, toda a terra de Canaã em herdade perpétua; e ser-lhes-ei o seu Deus (os Judeus, que tinham invalidado a sua posse por meio da rebelião contra Deus e especialmente por sua rejeição a Jesus Cristo, causaram uma ruptura; entretanto, a Aliança ainda permanece e florescerá na Era do Reino vindouro, o que está muito perto de acontecer).

A CIRCUNCISÃO

9 Disse ainda Deus a Abraão: Tu, pois, guardarás a Minha Aliança, tu, e a tua descendência depois de ti, nas suas gerações (ela poderia ser chamada de “Aliança da Graça”,e, como tal, é perpétua, eterna; é “desde” a eternidade em seus conselhos, e “para” a eternidade em suas consequências).

10 Esta será a Minha Aliança, que que guardarão entre Mim e vós, e a tua descendência depois de ti: Que todo o varão dentre vos será circuncidado (esta Aliança tinha só uma ordenança externa, e era a circuncisão; todo o restante era totalmente pela Fé).

11 Circuncidareis, pois, a carne do vosso prepúcio; e isto será por sinal da Aliança entre Mim Vós (a Circuncisão,em certo sentido, é um Tipo da Cruz; o sangue é derramado, e a separação é feita).

12 Da idade de oito dias será circuncidado todo o varão entre vos por suas gerações; o nascido em casa,e o comprado por dinheiro de qualquer estrangeiro, que não for da tua descendência (o pequeno bebê varão não podia ser circuncidado até que tivesse oito dias, porque nesse momento o sangue poderia coagular; antes disto, é possível que pudesse sangrar até morrer. Também todo o varão na família de Abraão tinha que ser circuncidado; depois, isso incluiria toda a Nação de Israel).


⚠️ Receba Estudos Exclusivos no Whatsapp:


13 Deve ser circuncidado o nascido em sua casa e o comprado por teu dinheiro; e estará o Meu Pacto em vossa carne por Aliança Perpétua (este Pacto é eterno, mas só em Cristo. Sobre a Nova Aliança, Paulo disse que devemos experimentar a circuncisão do coração, a qual é uma obra espiritual [Fp 3.3].

Na Nova Aliança tudo se completou em Cristo. A circuncisão era um Tipo de Seu Sacrifício; logo, o rito já não é necessário e, de fato, não carrega consigo agora nenhum sentido espiritual).

14 E o varão incircunciso que não tiver circuncidado a carne do seu prepúcio; tal pessoa será extirpada do seu povo; violou a Minha Aliança (com efeito, os varões Israelitas que rejeitassem ser circuncidados, e as mães é que recusassem a circuncidar a seus meninos varões, quebrariam a Aliança e, se continuas sem em rebelião, estariam perdidos eternamente; e o mesmo acontecera, caso [alguém] negue a Cruz).

SARA

15 Disse também Deus a Abraão: A Sarai, tua mulher, não a chamarás mais Sarai (“minha princesa”, nome que indica o fato de que ela era a princesa somente de Abraão), mas Sara será o seu nome (significa simplesmente “princesa”; a ideia é que, como ela era anteriormente a princesa de Abraão somente, agora ela seria reconhecida como uma princesa em geral e, de fato, num certo sentido, pode indicá-la como a “mãe da igreja”).

16 E Eu a abençoarei, e também te darei dela um filho (esta é a primeira vez, em todo o trato de Deus com Abraão, que Ele mencionou o fato de que o filho prometido seria de Sara); sim, abençoá-la-ei, e deverá ser mãe de nações; reis de povos sairão dela (a “bênção” dela indicava aumento, o que inclui até a Igreja, e, em um sentido, o Senhor Jesus Cristo).

17 Então Abraão caiu sobre o seu rosto, e riu-se, e disse em seu coração: A um homem de cem anos há de nascer um filho (a risada de Abraão era de gozo [Jo 8.56])? E Sara, já de noventa anos, dará à luz (Paulo disse de Abraão: “Nem considerou seu corpo já amortecido nem mesmo amortecimento do ventre de Sara”[Rm 4.19])?

18 E disse Abraão a Deus: Oxalá Ismael viva diante de Ti! (Abraão pediu ao Senhor que Ismael pudesse ter um lugar, em vez de ser deixado de lado por completo.)

19 E disse Deus: Certamente Sara tua mulher dará à luz um filho, e chamarás o seu nome Isaque (o nome “Isaque” significa” risada”), e confirmarei a Minha Aliança com ele por Aliança Perpétua para a sua descendência depois dele. (A Aliança devia ser estabelecida com Isaque, e não com Ismael.

Isto derruba completamente a alegação dos Maometanos de que Ismael era o escolhido, a menos que você não creia na Bíblia. Por meio de Isaque, o Senhor Jesus Cristo, o Salvador da humanidade, em última instância viria.)

ISMAEL

20 Enquanto a Ismael também te te tenho ouvido; Eis aqui que o abençoarei, e lhe farei frutificar e multiplicar grandissimamente (o Senhor abençoará Ismael, mas não quanto à Aliança); doze príncipes gerará, e o constituirei em uma grande nação (a bênção aqui declarada não foi por causa de Ismael, e sim por causa de Abraão, e unicamente de Abraão).

21 Mas Eu estabelecerei a Minha Aliança com Isaque, o qual Sara dará à luz por este tempo determinado, no ano seguinte (então, agora, eles sabem quando o menino nascerá).

22 E acabando (o Senhor) de falar com Abraão, subiu Deus de diante dele (a comunhão com o Senhor é o mais proveitoso exercício que há).

A ALIANÇA SELADA

23 Então tomou Abraão Ismael, seu filho, e todos os servos nascidos em sua casa, e todos os comprados por seu dinheiro (servos), e todo varão entre os domésticos da sua casa, e circuncidou a carne do prepúcio deles naquele mesmo dia, como Deus lhe havia dito (a “obediência de Abraão, ao circuncidar toda a sua” casa e todos os seus servos, deve ser um grande lição para nós).

24 Era Abraão da idade de noventa e nove anos quando circuncidou a carne do seu prepúcio.

25 E Ismael, seu filho, era da idade de treze anos quando foi circuncidada a carne do seu prepúcio (embora Ismael tenha sido circuncidado, tendo nascido “segundo a carne” era, por seu nascimento natural, um rebelde, ainda que ele pudesse ter entrado num pacto sinalizado exteriormente).

26 Naquele mesmo dia foram circuncidados Abraão e Ismael, seu filho (dois homens foram circuncidados; por esse rito os dois homens entraram na Aliança; entretanto, um só destes homens, Abraão, foi salvo).

27 E todos os varões da sua casa, os nascidos em casa, e os comprados por dinheiro do estrangeiro, foram circuncidados com ele. (Só nesta Passagem nos é dito que cada homem na casa de Abraão foi salvo, não importa se eram servos, escravos ou da família, isto se creram.

As Epístolas aos Romanos, aos Gálatas e aos Colossenses ensinam que os Cristãos são circuncidados na Cruz de Cristo, batizados na Morte de Cristo e ressuscitados na Ressurreição de Cristo, dos quais, a circuncisão era um Tipo.)

Conclusão

Mais um capítulo, mais um aprendizado. Deus reafirma sua aliança com Abraão, dizendo tudo aquilo que faria, se ele permanecesse fiel e íntegro, obediente aos seus mandamentos.

Você e eu, hoje, somos frutos dessa aliança eterna, somos todos descendentes de Abraão e herdeiros de todas essas promessas atemporais que Deus fez.

Muitas vezes agiremos assim como o pai da fé, riremos daquilo que Deus disser que fará através de nós ou em nós, Abraão jamais imaginou que um casal de idosos, ele com 99 anos de idade, poderiam gerar um filho, era algo impossível aos seus olhos humanos.

Mas ele creu, e não se esqueceu de Ismael, pedindo a Deus uma benção sobre ele também. Deus o atende, e aprendemos que Deus nos ouve, Ele não está com as mãos encolhidas, aquilo que pedimos a Deus pode, ou não, ser ouvido e recebido, basta a vontade dele.

Mas Deus é fiel, Ele não muda, e sua aliança passaria pelo processo da fé e do milagre. Sara, antes Sarai, geraria um filho de seu ventre, Isaque, e é nesse garoto que repousaria a benção eterna de Deus.

Nossa benção virá dos nossos processos, como foi com Abraão e Sara. A aliança requereu um sinal, a circuncisão, hoje não mais obrigatória fisicamente, mas, espiritualmente, devemos sim, arrancar nossas vontades e desejos, nossas fraquezas, aquilo que nos faz pecar, é parte de nós, e devemos arrancar e matar todos os dias! Não somos mais nós que vivemos, mas Cristo vive em nós! Aleluia!

Gênesis 17 estudo.

Sobre o Autor

Olá, me chamo Lázaro Correia, sou Cristão, formado em Teologia e apaixonado pela Bíblia. Aqui no Blog você vai encontrar diversos estudos Bíblicos e muito conteúdo sobre vida Cristã.

    0 Comentários

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *