Êxodo 10 Estudo: Um Coração Duro

Advertisement

Neste capítulo de Êxodo 10 estudo, veremos Deus endurecendo o coração de Faraó e de seus oficiais. Deus então envia mais duas pragas.

A oitava praga seria uma gigante nuvem de gafanhotos, de forma a cobrir toda a terra e devorar tudo que havia restado da chuva de pedras.

Até mesmo os oficiais de Faraó se mostram cansados e aconselham que ele os deixem ir, contudo, Deus lhe endurece o coração. Então, o Senhor envia trevas densas sobre a terra, sendo esta a nona praga.

Esta praga dura três dias. A palavra relata que onde os israelitas habitavam havia luz. Faraó manda chamar Moisés e lhe permite que partam ao deserto, contudo não deveriam levar os rebanhos e os gados.

Advertisement

Moisés recusa, então, Faraó o expulsa e o ameaça de morte. Moisés aduz que nunca mais veria o rosto de Faraó.

Êxodo 10 estudo: Contexto histórico

No capítulo anterior, Deus enviara três pragas ao Egito: a praga das pestes nos animais dos egípcios, a praga das úlceras, bem como a praga da chuva de pedras.



Ele anuncia, antes da última praga que, apenas não feria ou cortava Faraó desta terra, para que Seu nome fosse conhecido por todos. Desta vez, Deus endureceu o coração de Faraó.

(Êxodo 10:1-2) Corações de pedra

v. 1 E disse o SENHOR a Moisés: Vai à presença de Faraó, porque eu endureci o seu coração, e o coração de seus servos, para que eu mostre estes sinais diante dele,

v. 2 e para que tu fales aos ouvidos dos teus filhos, e dos filhos de teus filhos, as coisas e meus sinais que fiz entre eles no Egito, para que saibais que eu sou o SENHOR.

Advertisement

Este preâmbulo à praga das locustas (ver nota em Êx 10:4) introduz o tópico das provisões para recordação e registro daquilo que o Senhor fizera por eles (Ex 12:14-27).

O endurecimento do coração dos egípcios foi a ocasião para sinais que os israelitas deveriam contar às gerações seguintes, de maneira que elas soubessem quem é o Senhor (Sl 111:4-6).

Êxodo 10:3-7 – O controle do Senhor

Esta é a primeira vez que Moisés e Arão comunicam o anúncio da praga e então se retiram, mostrando o controle do Senhor sobre os eventos e revelando aos leitores o que aconteceu.



(Êxodo 10:3)Moisés

v. 3 E Moisés e Arão foram à presença de Faraó, e lhe disseram: Assim diz o SENHOR Deus dos hebreus: Quanto tempo recusarás a humilhar-te diante de mim? Deixa meu povo ir, para que me sirva.

A resposta correta à pergunta de Moisés e Arão deveria ter sido: “não mais”. O Faraó se recusava a humilhar-se. Gostaria de evitar as pragas? Sim. De humilhar-se? Não.

(Êxodo 10:4) As locustas

v. 4 Se não, se te recusares a deixar meu povo ir, eis que amanhã trarei locustas para a tua costa,

As locustas ainda são tímidas na África. A oitava praga traria a pior visitação de locustas jamais vista no Egito. As locustas são altamente móveis e vorazes, geralmente voam com o vento a uma velocidade de cerca de 15 a 20 quilômetros por hora.

Advertisement

Os enxames podem viajar de 5 a 130 km ou mais em um dia. Uma pessoa adulta pode consumir seu próprio peso em alimentos frescos por dia. Em Jl 1:4 temos um exemplo em que a locutora devora o gafanhoto.

Temos que diferenciar locusta de gafanhoto, não são os mesmos insetos, são da família dos aracnídeos, de onde o gafanhoto faz parte.


⚠️ Receba Estudos Exclusivos no Whatsapp:


(Êxodo 10:7) Os oficiais de Faraó

v. 7 E os servos de Faraó lhe disseram: Até quando este homem será uma armadilha para nós? Deixa ir os homens, para que sirvam ao SENHOR vosso Deus. Não sabes ainda que o Egito está destruído?

Os servos de Faraó acusaram Moisés pelo problema. A segunda pergunta retórica deles chamou a atenção para aquilo que o Faraó não “sabia”, ou seja, reconhecer e responder de maneira apropriada.

O termo correto é “saber” ou “conhecer” (Ex 1:8). Os conselheiros estavam convencidos de que mais transtorno ainda viria.

(Êxodo 10:8-11) Deus requer todos os israelitas

v. 8 E Moisés e Arão foram levados novamente a Faraó, e ele lhes disse: Ide, servi ao SENHOR vosso Deus; mas quem são os que irão?

v. 9 E Moisés disse: Iremos com nossos jovens e com nossos velhos, com nossos filhos e nossas filhas, com nossos rebanhos e com nosso gado iremos, porque precisamos celebrar uma festa ao SENHOR.

v. 10 E ele lhes disse: Que o SENHOR assim esteja convosco, assim como eu vos deixarei ir, e a vossos pequenos; olhai, pois  mal diante de vós.

v. 11 Não será assim. Ide agora vós que sois homens, e servi ao SENHOR, pois isso é o que desejastes. E eles foram expulsos da presença de Faraó.

Advertisement

Em uma tentativa para evitar a praga das locusts (ver nota em Ex 10:4), Moisés e Arão foram trazidos de volta à presença do Faraó, que imediatamente começou a argumentar sobre quem deveria ir.

A lista de Moisés incluía todas as pessoas e tudo quanto possuíam, visto que toda a nação pertencia ao Senhor. Há mal diante de vós, traduz literalmente, com fidelidade ao texto bíblico.

A palavra traduzida como “mal” frequentemente se refere a calamidade ou desastre; de modo que pode ser que o Faraó se referia ao problema que os israelitas experimentaram se eles continuassem a irritá-lo com a conversa de partir – “Vejam bem, vocês vão ter problema comigo; e isso está diante de vocês!” Ou ele podia estar falando que aquilo que eles pretendiam era ruim, mal de seu ponto de vista.

O Faraó considerava tanto a viagem como o motivo dela como sem importância. Para ele, sair para adorar Yahweh era justamente algo que Moisés e Arão tinham tramado.

(Êxodo 10:16-18) A confissão de Faraó

v. 16 Então, se apressou Faraó em chamar a Moisés e a Arão e disse: Pequei contra o SENHOR vosso Deus, e contra vós.

v. 17 Agora, pois, peço-vos que perdoeis o meu pecado somente esta vez, e rogai ao SENHOR, vosso Deus, que ele tire de mim somente esta morte.

v. 18 E ele saiu da presença de Faraó, e suplicou ao SENHOR.

Os monarcas cultivam a imagem de serenidade e controle. A pressa do Faraó em chamar Moisés e Arão, sua longa confissão e seu pedido para alívio mostram o impacto da praga sobre ele. Diferentemente de antes, no desfecho desta praga, Moisés nada disse ao Faraó.

(Êxodo 10:19) O fim das locustas

v. 19 E o SENHOR trouxe um vento ocidental fortíssimo, que tirou as locustas e as lançou no mar Vermelho. Não ficou uma locusta em toda a costa do Egito.

O nome hebraico para o mar Vermelho, yom suph, é usado aqui pela primeira vez. Ele também se aplica ao que hoje é denominado golfo de Ácaba ou golfo de Eilat, o ramo do mar Vermelho que se estende ao leste da península do Sinai e ao oeste da península Arábica (1Rs 9:26).

A tradução mar Vermelho ou “mar de Juncos”, que é às vezes sua “cana” ou gerida, reconhece que a palavra suph significa “juncos”, como em Ex 2:3 e Is 19:6.

O nome “mar Vermelho” reflete um antigo uso grego, que incluía o golfo de Suez, o golfo de Ácaba, o mar da Arábia, e golfo Pérsico sob o equivalente grego de “mar Vermelho” (eruthra thalassey). Para locusta ver nota em Êx 10:4

(Êxodo 10:21-23) As trevas

v. 21 E o SENHOR disse a Moisés: Estende a tua mão para o céu, para que haja trevas sobre a terra do Egito, trevas tão escuras que possam ser sentidas.

v. 22 E Moisés estendeu a mão para o céu, e houve densas trevas em toda a terra do Egito por três dias.

v. 23 Eles não viam uns aos outros, e ninguém se levantou do seu lugar por três dias, mas todos os filhos de Israel tinham luz em suas habitações.

As trevas parecem apropriadas como um ataque ao rei egípcio, uma vez que o Faraó era considerado o filho do principal deus do Egito, o deus-sol Ré (ou Rá). Elas também fazem parte do julgamento posterior pronunciado contra o Egito (Ez 32:7-8).

O Faraó se recusou a permitir uma viagem de três dias aos israelitas, e agora, ironicamente, o povo do Faraó estava cercado por trevas e não podia se deslocar por três dias, enquanto o povo do Senhor tinha luz para suas atividades.

Uma incomum e severa tempestade de areia poderia ter sido a praga que o Senhor usou para impor trevas sobre o Egito.

(Êxodo 10:24) As condições de Faraó

v. 24 E Faraó chamou a Moisés e disse: Ide, servi ao SENHOR; somente fiquem os vossos rebanhos e o vosso gado; deixai também os vossos pequenos ir convosco.

As restrições do Faraó para o deslocamento de rebanhos e gados dos israelitas mostravam que ele ainda estava relutante em se submeter ao Senhor.

(Êxodo 10:28-29) A ameaça de Faraó

v. 28 E Faraó lhe disse: Sai da minha presença, toma cuidado para que não veja mais a minha face, porque no dia em que vires a minha face, morrerás.
v. 29 E disse Moisés: Disseste bem, não verei a tua face novamente.

Sai da minha presença, tomar cuidado para que não veja mais a minha face tem a ver com a provocação de uma aparição formal diante do Faraó, não uma vista casual (Ex 23:17). Moisés viu o Faraó mais uma vez secretamente (Êx 12:31).

As palavras de Moisés no versículo 29 podem também significar “não mais continuarei a vê-lo” em vez de não ver a tua face novamente.

As palavras transmitidas por Moisés ao Faraó em Ex 11:4-8 podem ter sido proferidas durante o encontro em Ex 10:24-29 (traduzindo o verbo de discurso em Ex 11:1 como “tinha dito”).

A irada troca de palavras entre o Faraó e Moisés revela que eles concordavam em um único ponto – que a série de proclamações e exigências feitas por Moisés tinha acabado.

Não haveria mais negociação. Ao ameaçar matar o mensageiro do Senhor, o Faraó revelou que ele ainda desrespeita a ambos.

Conclusão

Neste capítulo vemos o resultado do endurecimento do coração de Faraó, por parte de Deus, expressado numa resistência irracional.

Faraó é comunicado sobre a oitava praga, que se daria pela ocupação de toda terra por gafanhotos, os quais devorariam o restante dos mantimentos dos egípcios.

Neste momento, Faraó tenta impor condições para a permissão requerida, mostrando não entender que não estaria no controle das coisas.

A oitava praga vem sem aviso. Então, por três dias a terra possui densas trevas. Os egípcios tinham como suprema divindade o deus sol Rá, no entanto, “constataram” que este não tinha poder algum.

Faraó manda chamar Moisés e insiste em lhe dar condições para que partisse com o povo, impondo que o rebanho e o gado fossem deixados. Ao ver sua proposta recusada, Ele ameaça Moisés.

Vemos aqui a nona praga sendo amargada pelos egípcios e, Deus, insistindo em uma concessão que não necessitava. Vemos constantemente sendo relatado sobre o coração endurecido de Faraó.

A leitura repetida deste ciclo de pedido e negação, faz com que o leitor desenvolva uma ânsia pela rendição de Faraó, ao desfecho de cada praga. No entanto, vemos que ela jamais ocorre.

Nesta etapa da narrativa, a verificação de uma contínua resistência, não mais surpreenderia, vez que constatada a loucura de Faraó.

Com isso, somos levados por Deus a meditar que, o não reconhecimento de Sua soberania, revela um coração endurecido!

Paulo adverte que os incrédulos são obscurecidos em seu entendimento (2 Coríntios 4:4) e já não podem ver. O coração é essencial para Deus. Ele o deseja inteiramente. Sem o coração, não há entendimento!

Êxodo 10 estudo.

Sobre o Autor

Olá, me chamo Lázaro Correia, sou Cristão, formado em Teologia e apaixonado pela Bíblia. Aqui no Blog você vai encontrar diversos estudos Bíblicos e muito conteúdo sobre vida Cristã.

    0 Comentários

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *