1 Reis 9 Estudo: Construindo Templo, Aprovação de Deus

Advertisement

O nono capítulo do Livro de 1 Reis marca um momento crucial na história do povo de Israel, pois focaliza na conclusão do grandioso projeto de construção do Templo em Jerusalém, liderado pelo sábio rei Salomão. Este capítulo descreve não apenas a finalização da magnífica estrutura, mas também a resposta divina à dedicação e ao esforço investidos na construção deste lugar sagrado.

Após a conclusão da obra, Deus escolhe aparecer novamente a Salomão para endossar seu empenho e revelar Sua presença contínua no Templo. A relação entre Deus e Salomão, baseada na sabedoria, obediência e adoração, atinge um ponto culminante neste capítulo, destacando a importância da fidelidade do rei para com o Senhor.

Advertisement

1 Reis 9 estudo: Contexto histórico

Ao mergulharmos nas páginas do nono capítulo de 1 Reis, testemunhamos não apenas a realização arquitetônica do Templo, mas também o selo divino sobre este local de adoração. A promessa de Deus a Salomão e as implicações para a nação de Israel revelam-se, proporcionando uma visão profunda da relação entre o divino e o humano neste período crucial da história bíblica.

1 Reis 9:1-3

v. 1 E sucedeu, quando Salomão acabou de edificar a casa do SENHOR, e a casa do rei, e todo o desejo de Salomão, os quais ele se agradou em fazer, 

v. 2 o SENHOR apareceu a Salomão pela segunda vez, como havia aparecido a ele em Gibeão. 

v. 3 E o SENHOR lhe disse: Ouvi a tua oração e a tua súplica, que fizeste diante de mim. Eu consagrei esta casa, que tu edificaste, para ali colocar o meu nome para sempre; e os meus olhos e o meu coração estarão ali perpetuamente. 

Advertisement

Quer Pregar Com Conhecimento Bíblico Profundo, Dominando a Oratória, com boa Dicção, Citando Versículos de Memória, sem Timidez e com total Eloquência?
(Clique Aqui e Sabia Mais)


 Nesta altura, cerca de 946 a.C. no vigésimo quinto ano de Salomão, Deus novamente apareceu a Salomão e reafirmou a posição sagrada da casa do Senhor.

Apesar das consagrações humanas terem ocorrido, a mais importante consagração foi quando Deus declarou que a casa do Senhor era adequada para Sua morada. Três pontos foram feitos.

O nome de Deus habitaria ali. Os olhos de Deus estavam ali, dando atenção ao templo e olhando fora dele também. E ele seria o centro do afeto de Deus, ou do coração de Deus Metal.

1 Reis 9:4-5

Dirigindo-se a Salomão, Deus novamente lhe prometeu uma dinastia permanente, condicionada à sua obediência.

1 Reis 9:6-9

v. 6 Se vós, porém, insistirdes em se desviar de me seguir, vós e vossos filhos, e não guardardes os meus mandamentos e os meus estatutos, os quais coloquei diante de vós, mas fordes e servirdes a outros deuses, e os adorardes;

v. 7 então, eu cortarei Israel da terra que eu lhes dei; e esta casa, que santifiquei para o meu nome, lançarei da minha vista; e Israel será um provérbio e um escárnio no meio de todo o povo; 


⚠️ Receba Estudos Exclusivos no Whatsapp:


v. 8 e nesta casa, que é elevada, cada um que passar por ela ficará atônito, e assobiará; e dirão: Por que o SENHOR fez assim à sua terra, e a esta casa? 

v. 9 E eles responderão: Porque eles abandonaram o SENHOR seu Deus, que retirou os seus pais da terra do Egito, e se apegaram a outros deuses, e os adoraram, e os serviram; portanto, o SENHOR trouxe sobre eles todo este mal. 

Se os descendentes reais de Salomão pensarem em adorar falsos deuses, o Senhor julgará Israel. Uma vez que os reis eram os representantes espirituais do povo, sua desobediência seria contada como desobediência do povo.

Então, a maior punição pactual – a perda da terra poderia suceder aos israelitas. Ironicamente, depois desse julgamento, a destruição de Jerusalém e as ruínas da casa do SENHOR fariam de Israel um escárnio no meio de todo o povo, exatamente o oposto do propósito missionário de Deus para Israel (ver 1Rs 8:60).

No antigo testamento, há dois tipos gerais de reação diante das grandes obras de Deus em favor do Seu povo, um positivo e o outro negativo.

Positivamente, os grandes feitos de Deus geralmente despertam o reconhecimento do caráter glorioso de Deus, que pode levar a uma conversão a Ele (p. ex., Raabe, Js 2:9-10).

Negativamente, as pessoas podiam ficar desesperadas diante da ameaça que Deus representava (Js 2:11), podiam reagir com obstinação irreverente (p. ex., o Faraó endurecendo o seu coração; Êx 7:19-23), ou ficar atônito e assombrados por verem os juízos de Deus contra o Seu próprio povo.

1 Reis 9:10-25

O escritor bíblico registrou em seguida, não em ordem cronológica, algumas políticas gerais, sociais e econômicas, vagamente relacionadas com as atividades construtoras de Salomão. Em termos de teologia bíblica, elas descrevem a glória dada por Deus a Salomão.

Alguns detalhes da administração de Salomão envolviam um mau uso, até mesmo um mau uso grosseiramente pecaminoso, das boas dádivas de Deus. Não obstante o mau uso, elas ainda revelavam a glória dada por Deus a Salomão.

1 Reis 9:10-14

v. 10 E sucedeu, ao fim de vinte anos, quando Salomão havia edificado as duas casas, a casa do SENHOR, e a casa do rei, 

v. 11 (ora, Hirão, o rei de Tiro havia fornecido a Salomão as árvores de cedro e de cipreste, e ouro, segundo todo o seu desejo), que, então, o rei Salomão deu a Hirão vinte cidades na terra da Galileia. 

v. 12 E Hirão saiu de Tiro para ver as cidades que Salomão lhe havia concedido; e elas não lhe agradaram. 

v. 13 E ele disse: Que cidades são estas que tu me tens concedido, meu irmão? E ele as chamou de terra de Cabul até este dia. 

v. 14 E Hirão enviou ao rei cento e vinte talentos de ouro.

O cenário aqui é o de dois governantes em pé de igualdade discutindo uma transação internacional. Salomão pode ter sido um parceiro difícil na negociação com Hirão – grandes quantidades de materiais de construção além de ouro – em troca de algumas aldeias improdutivas na fronteira.


Domine a Arte de Elaborar e Pregar Sermões Expositivos, Temáticos e Textuais, para Ensinar com Profundidade, Clareza e Fidelidade as Escrituras!
(Clique Aqui e Confira)


A análise de E. Merrill entende que Hirão pagou a Salomão apesar de insatisfeito com a transação. As palavras de Hirão, meu irmão, provavelmente indicavam a relação pactual entre os dois governantes. Um tratado internacional podia ser chamado de pacto de fraternidade [Am 1:9].

1 Reis 9:15

v. 15 E esta é a razão do tributo que o rei Salomão levantou; para edificar a casa do SENHOR, e a sua própria casa, e Milo, e a muralha de Jerusalém, e Hazor, e Megido e Gezer. 

 As atividades construtoras de Salomão foram amplas e significativas para a política, para a economia dos trabalhos forçados e para manifestar glória e esplendor.

Em primeiro lugar, havia empreendimentos de construção em Jerusalém: a casa do Senhor, a sua própria casa, o Milo e a muralha de Jerusalém.

Uma das teorias a respeito “dos terraços de apoio, também chamados de Milo, é a de que eles eram necessários para impedir que as muralhas ruíram no “aterro” (Heb. millo) instável de um antigo vale que tinha sido preenchido ou parcialmente aterrado.

Os três nomes – Hazor, Megido e Gezer – se referiam a cidades que guardavam rotas vulneráveis de ataque no núcleo montanhoso de Judá e que foram fortificadas por Salomão, usando tributo.

Todas essas operações demonstravam o poder e a glória de Salomão e, num exame mais próximo, os abusos potenciais desse poder e glória. Salomão e Amós deram princípios de orientação para situações como essa.

A riqueza, e mesmo o luxo, ganhos mediante o desempenho de um serviço (Pv 10:4) são aceitáveis. Porém o luxo que destrói a sociedade (Am 6:6) é pecaminoso.

1 Reis 9:16

v. 16 Porque Faraó, o rei do Egito, havia subido, e tomado Gezer, e a queimado com fogo, e matou os cananeus que habitavam na cidade, e a deu como presente à sua filha, esposa de Salomão. 

 Esse versículo esclarece o controle de Salomão sobre Gezer. O consenso dos estudiosos é que Davi nunca subjugou completamente as cidades dos filisteus, de modo que o Egito se sentiu livre para invadir a Filístia mesmo durante o governo de Davi.

Em seguida, passando para uma questão sobre a qual não há consenso entre os estudiosos, é possível que o rei do Egito tenha entendido ter ido longe demais na invasão e assim cedeu Gezer a Salomão.

Gezer era estratégica para Israel, permitindo que os israelitas controlassem a rota comercial costeira norte-sul e um dos acessos do litoral para Jerusalém.

Além disso, o Faraó foi forçado a uma incomum, talvez humilhante, aliança de casamento na qual deu uma princesa egípcia a um rei estrangeiro.

1 Reis 9:17-19

v. 17 E Salomão edificou Gezer, e Bete-Horom de baixo. 
v. 18 E Baalate, e Tadmor no deserto, na terra, 

v. 19 e todas as cidades de armazenamento que Salomão tinha, e cidades para as suas carruagens, e cidades para os seus cavaleiros, e aquilo que Salomão desejou edificar em Jerusalém, e no Líbano, e em toda a terra do seu domínio. 

Esses versículos descrevem outros empreendimentos de Salomão na área da construção militar com alguns dos mais importantes nomes envolvidos.

Esses empreendimentos eram mais extensos e dispendiosos do que essa breve descrição indica. Eles envolviam guarnições e cidades de abastecimento para um exército de carruagem de nível mundial.

Isso acarretava enormes despesas iniciais, manutenção de estradas e instalações para alimentação e cuidado dos cavalos das carruagens, bem como alojamentos para os condutores das carruagens, e o pessoal de apoio.

Uma vez que os condutores de carruagens representavam um elevado grau de habilidade, a qual não podia ser rapidamente desenvolvida, é provável que os condutores de carruagens de Salomão fossem em grande parte guerreiros mercenários internacionais.

Mais tarde, desde Zinri (1Rs 16:9), Israel teve guerreiros de carruagens da própria região. Visto que o texto é ambíguo no que diz respeito a Tamar (na região sul de Judá) e Tadmor (antiga Palmira em territórios arameus), não sabemos qual das duas localidades é aqui referida.

2 Crônicas 8:4 se refere claramente a Tadmor. A construção de Salomão em Tadmor provavelmente se referia a fortificações imperiais de Salomão ali.

1 Reis 9:20-21

v. 20 todas as pessoas que foram deixadas dos amorreus, heteus, ferezeus, heveus, e jebuseus, os quais não eram dos filhos de Israel,

v. 21 os seus filhos que foram deixados depois deles na terra, aos quais os filhos de Israel também não foram capazes de destruir por completo, sobre aqueles Salomão lançou um tributo de trabalho servil até este dia. 

Havia duas categorias de sobreviventes cananeus entre os israelitas. Primeiro, havia cananeus, como a casa de Raabe, a liga gibeonita, e aparentemente alguns filhos de Hamor (Jz 9:28) que tinham sobrevivido desde os tempos de Jacó.

Esses tinham mais ou menos se convertido à fé em Yahweh e foram assimilados na população israelita. Os direitos desses cananeus eram protegidos mesmo quando eles estivessem completamente assimilados (p.ex., os gibeonitas,que podiam reivindicar vingança porque Saul violou os seus direitos; 2Sm 21:1-6).

Segundo, havia os cananeus não conquistados e ainda abertamente pagãos, que ainda estavam por ser mortos ou assimilados na sociedade israelita. As brigadas de Salomão de trabalho servil provavelmente provinham desse segundo grupo.

1 Reis 9:24

v. 24 Contudo, a filha de Faraó subiu da cidade de Davi até a sua casa, que Salomão havia edificado para ela; então edificou a Milo. 

 A mudança da filha de Faraó para fora de Jerusalém e, assim, para longe do templo pode ser interpretada de duas maneiras: como um ato de piedade que removeu a contaminação pagã da vizinhança do templo, ou um ato de respeito pelo mais prestigioso casamento político de Salomão, dando a ela acomodações dignas de sua estatura.

1 Reis 9:26

v. 26 E o rei Salomão fez uma armada de navios em Eziom-Geber, o qual está ao lado de Elate, na costa do mar Vermelho, na terra de Edom. 

 Devemos reconhecer o papel histórico de Salomão no comércio mundial como apresentado nesses documentos. O comércio norte-sul de artigos de luxo já estava produzindo riqueza.

O sul da Arábia, a África e pontos mais a leste eram fontes de mercadorias caras como ouro, marfim e joias; itens esotéricos de luxo como macacos e babuínos; e especiarias.

Esses bens podiam ser transportados da região do sul da Arábia para o norte. Dependendo da segurança da viagem marítima, eles podiam vir para o norte por navios no mar Vermelho, ou podiam vir para o norte por caravanas de camelos pela costa do mar Vermelho ao longo da península Arábica.

Se viessem pelo mar, eles podiam ser transportados até o mar Mediterrâneo pelo Egito, através do famoso Wadi Hamat, ou podiam vir pela região da Palestina.

Em ambos os casos, uma vez trazidos ao mar Mediterrâneo, os bens iam para pontos bem a oeste em navios fenícios.

Nessa ocasião, repercussões violentas de invasores de fala grega ainda dificultavam o comércio marítimo para o norte em direção ao mar Negro.

Os empreendimentos conjuntos de Salomão com Hirão eram um modo de controlar esse comércio e canalizá-lo “pelo território hebraico para que Salomão, e não o Faraó, participasse da riqueza de tal comércio.

Salomão, como Herodes, o Grande, e os atenienses, construíram um famoso templo com os rendimentos do comércio internacional.

1 Reis 9:27-28

v. 27 E Hirão enviou na armada os seus servos, marinheiros que tinham conhecimento do mar, com os servos de Salomão. 

v. 28 E eles chegaram em Ofir, e retiraram de lá ouro, quatrocentos e vinte talentos, e o trouxeram para o rei Salomão. 

Esses versículos indicam que Salomão organizou expedições marítimas de comércio regular a partir de Eziom-Geber. Alguns acreditam ser mais correto falar em termos de comércio de caravanas do sul e não de comércio marítimo.

O argumento decisivo em favor do comércio marítimo é o fato de que, segundo inscrições egípcias em parede, Sisaque (Jz 14:25-26) destruiu os fortes na Arabá que protegia as rotas de Elate para o norte.

Esse esforço seria em vão se o seu objetivo não fosse desviar o comércio marítimo através do mar Vermelho para o território egípcio.

1 Reis 9 estudo.

Sobre o Autor

Olá, me chamo Lázaro Correia, sou Cristão, formado em Teologia e apaixonado pela Bíblia. Aqui no Blog você vai encontrar diversos estudos Bíblicos e muito conteúdo sobre vida Cristã.

    0 Comentários

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *