1 Reis 10 Estudo: Sabedoria e Prosperidade de Salomão

Advertisement

O livro de 1 Reis na Bíblia relata a história dos reis de Israel, destacando eventos significativos e os líderes que governaram o povo escolhido. O capítulo 10 é conhecido por descrever a visita da rainha de Sabá a Salomão. Essa rainha, muitas vezes referida como a Rainha de Sabá ou a Rainha do Sul, viajou até Jerusalém para testar a sabedoria e a riqueza de Salomão. Sua visita é um episódio notável na narrativa bíblica.

A Rainha de Sabá ouve falar da fama de Salomão e decide viajar até Jerusalém para conferir pessoalmente a veracidade dessas histórias. O capítulo 10 destaca a riqueza e a sabedoria de Salomão, bem como os presentes impressionantes que a rainha traz consigo como tributo. Este encontro entre Salomão e a Rainha de Sabá simboliza a grandiosidade do reinado de Salomão e a manifestação da bênção de Deus sobre o rei sábio.

1 Reis 10 estudo: Contexto histórico

Essa história é significativa não apenas pela avaliação positiva da sabedoria de Salomão, mas também por ser um exemplo de como as nações estrangeiras reconheciam a grandeza de Israel sob a liderança de um rei escolhido por Deus. A visita da Rainha de Sabá destaca a importância da sabedoria divina e como ela atrai a atenção e o respeito mesmo de outras nações.

1 Reis 10:1

v. 1 E, quando a rainha de Sabá ouviu sobre a fama de Salomão, a respeito do nome do SENHOR, ela veio para prová-lo com perguntas difíceis. 

Advertisement

 O autor começa com a rainha de Sabá (Sabea na extremidade sudoeste da Arábia) que vem examinar a propalada sabedoria de Salomão. Talvez outros interesses políticos e econômicos também tenham motivado sua visita.

1 Reis 10:2

v. 2 E ela veio até Jerusalém com uma comitiva mui grande, com camelos que carregavam especiarias, e muitíssimo ouro, e pedras preciosas; e, quando chegou diante de Salomão, ela conversou com ele sobre tudo o que estava no seu coração. 


Quer Pregar Com Conhecimento Bíblico Profundo, Dominando a Oratória, com boa Dicção, Citando Versículos de Memória, sem Timidez e com total Eloquência?
(Clique Aqui e Sabia Mais)


 Uma vez que as rotas terrestres eram mais convenientes para se viajar desde o sul da Arábia, e talvez por – que as frotas de Salomão tenham bloqueado sua viagem pelo mar, a rainha veio com uma caravana de camelos carregada de bens de luxo que faziam sua terra rica e famosa.

Ela e Hirão (1Rs 9:10-14), em seus negócios com Salomão, demonstraram um dos modelos de comércio internacional: que o comércio internacional podia ser administrado como presentes entre chefes de Estado.

Advertisement

Os presentes eram entregues com toda a aparência generosa de presentes verdadeiros, mas os administradores dos negócios provavelmente estavam lá para avaliar o valor real das trocas.

E, se uma troca não tivesse sido justa, um dos parceiros podia reclamar, como fez Hirão.

1 Reis 10:10

v. 10 E ela deu ao rei cento e vinte talentos de ouro, e uma provisão mui grande de especiarias, e pedras preciosas; nunca mais ali chegou tal abundância de especiarias como estas que a rainha de Sabá deu ao rei Salomão. 

Sabá era famosa pela produção de especiarias e provavelmente também tinha seu próprio comércio marítimo com pontos mais a leste.


⚠️ Receba Estudos Exclusivos no Whatsapp:


O ouro que a rainha trouxe era provavelmente em pagamento por bens que Salomão estava enviando para o sul.

1 Reis 10:11-12

v. 11 E também a armada de Hirão, que trouxe ouro de Ofir, trouxe de Ofir grande abundância de árvores de almugue, e pedras preciosas. 

Advertisement

v. 12 E o rei fez das árvores de almugue pilares para a casa do SENHOR, e para a casa do rei, também harpas e saltérios para cantores; nunca chegou ali árvores de almugue semelhantes, tampouco foram vistas até este dia. 

 Na ausência de dados seguros a respeito do estado da técnica dos povos e das terras de onde esses arti-?

Os grãos eram importados, pode-se imaginar se esse comércio era tão explorador quanto o antigo comércio europeu com mercio de elevado rendimento retratava tanto a glória de Salomão como a glória de Deus.

1 Reis 10:13

v. 13 E o rei Salomão deu à rainha de Sabá todo o seu desejo, tudo o que ela pediu, além daquilo que Salomão lhe deu da sua dádiva real. Assim, ela se volveu e foi para a sua própria terra com os seus servos. 

 Novamente, esses presentes provavelmente envolviam alguma negociação de estilo empresarial.

1 Reis 10:14-15

v. 14 Ora, o peso do ouro que veio até Salomão em um ano era de seiscentos e sessenta e seis talentos de ouro,

v. 15 fora aquilo que ele tinha dos mercadores, e da circulação dos mercadores de especiarias, e de todos os reis da Arábia, e dos governadores da terra.

Esses versículos fornecem uma perspectiva mais ampla da riqueza, dos parceiros comerciais e de regiões tributárias do império de Salomão.

1 Reis 10:16-17

v. 16 E o rei Salomão fez duzentos broquéis de ouro batido; seiscentos shekels de ouro iam para um broquel. 

v. 17 E ele fez trezentos escudos de ouro batido; trezentas libras de ouro iam para cada escudo; e o rei os pôs na casa da floresta do Líbano. 

Advertisement

 Esse ouro batido provavelmente utilizava uma tecnologia na qual ouro maleável, quase puro, era batido até formar lâminas finas.

Em seguida, essas lâminas delgadas, por conta de sua maleabilidade, podiam ser aplicadas a quase toda superfície. Esse tipo de frágil decoração tinha como propósito o uso puramente cerimonial.

Os lugares, mais úteis para a infantaria pesada alinhada em formação de batalha. Os protótipos circulares dos broquéis eram mais apropriados para a infantaria móvel e com armas leves.


Domine a Arte de Elaborar e Pregar Sermões Expositivos, Temáticos e Textuais, para Ensinar com Profundidade, Clareza e Fidelidade as Escrituras!
(Clique Aqui e Confira)


1 Reis 10:18

v. 18 Além disso, o rei fez um grande trono de marfim, e o revestiu com o melhor ouro. 

Como outros ornamentos luxuosos de glória já observados, esse trono era decorado com incrustações de marfim revestimento de ouro batido.

1 Reis 10:26

v. 26 E Salomão reuniu carruagens e cavaleiros; e ele tinha mil e quatrocentas carruagens, e doze mil cavaleiros, os quais posicionou nas cidades das carruagens; e junto ao rei em Jerusalém. 

 À luz dos dados que descrevem a influência imperial de Salomão, esta quantidade de mil e quatrocentas carruagens do exército, parece apropriada ou levemente otimista.

Cerca de um século depois, documentos assírios afirmam que o Acabe de Israel podia mobilizar duas mil carruagens.

Os doze mil cavaleiros provavelmente incluíam os gestores humanos, os instrutores e o pessoal de apoio para os cavalos, além dos próprios guerreiros das carruagens.

1 Reis 10:28-29

v. 28 E Salomão teve cavalos e fios de linho trazidos do Egito, os mercadores do rei receberam o fio de linho no preço.

v. 29 E uma carruagem subia e saía do Egito por seiscentos shekels de prata, e um cavalo por cento e cinquenta; e assim para todos os reis dos heteus, e para os reis da Síria, eles os retiravam pelos seus meios. 

Parte importante dos negócios e do comércio de Salomão era o seu comércio de carruagens e cavalos para rodagens.

As melhores carruagens eram feitas no Egito. Um dos principais fornecedores de cavalos era um local no norte do Egito conhecido como Mitsui.

Isso indica que Salomão tinha se firmado como o intermediário de grande parte do comércio norte-sul de armas de sua época.

1 Reis 10 estudo.

Sobre o Autor

Olá, me chamo Lázaro Correia, sou Cristão, formado em Teologia e apaixonado pela Bíblia. Aqui no Blog você vai encontrar diversos estudos Bíblicos e muito conteúdo sobre vida Cristã.

    0 Comentários

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *