Levítico 2 Estudo: As Ofertas de Manjares

Advertisement

Neste capítulo de Levítico 2 estudo, veremos que Deus especifica as ofertas de manjares, sendo que, poderiam ser, de flor de farinha, onde seria deitado azeite e incenso.

Os sacerdotes queimariam apenas uma porção como oferta queimada suave ao Senhor, o restante ficaria com os sacerdotes.

Advertisement

Quando fossem ofertas cozidas no forno, também, seriam de flor de farinha, com azeite e obreias asmas, ou apenas flor de farinha, com azeite. As ofertas não poderiam ter fermento, mas deveriam ter sal.

As ofertas de manjares, das primícias, seriam de espigas verdes, tostadas ao fogo, com azeite sobre elas e, incenso, e o sacerdote queimaria uma porção.

Levítico 2 estudo: Contexto histórico

Anteriormente, vimos o Senhor orientando Moisés acerca das ofertas que seriam para os holocaustos. As orientações diziam respeitos às ofertas de gado, rebanho e gado miúdo.

Deveriam ser animais sem defeito, macho, trazido à porta da congregação. Os sacerdotes seriam responsáveis por colocar o fogo e a lenha no altar.



Se o animal fosse ave, deveria ser rola ou pombinho e o sacerdote seria o responsável por destroncar a cabeça e demais procedimentos.

(Levítico 2:1) Oferta de alimentos

v. 1 E quando alguém oferecer uma oferta de alimentos ao SENHOR, sua oferta será de farinha fina; e ele derramará óleo sobre ela e colocará o seu incenso.

Através da oferta de alimentos, o adorador reconhecia Deus como a fonte da provisão e da prosperidade.

A palavra hebraica mincho tem o sentido geral de oferta (Gn 32:13) e poderia indicar ofertas de cereal ou de animais (Gn 4:3-5) ou “sacrifícios” em geral (Is 19:21); tem o sentido técnico de oferta de “grãos” em textos cultivos.

Esta oferta era feita de grãos de trigo transformados em uma farinha branca, a melhor farinha (Ex 29:2).

Esta oferta poderia ser feita em várias formas: cru, cozida, moída (em farinha) e assada. Tipicamente, ela acompanhava ofertas de animais (Lv 7:12-13), mas poderia ser apresentada isoladamente (Lv 5:11).



Era oferecida por pessoas muito pobres em lugar de uma oferta de aves (Lv 5:11). Os sacerdotes dependiam muito das ofertas de alimento para seu sustento diário (Lv 2:3).

O incenso, resina branca de fragrância agradável, era amplamente valorizado no mundo antigo (Mt 2:11). A adoração no tabernáculo requer incenso puro para ser consagrado (Ex 30:34) e para os pães (Lv 24:7).

Embora o incenso geralmente acompanhasse as ofertas de alimento, ele era especificamente proibido em certos casos de ofertas pelo pecado e pelo ciúme (Lv 5:11). A associação entre incenso e alegria podem explicar seu uso frequente (Ct 3:6).

(Levítico 2:2) A porção memorial

v. 2 E ele a trará aos filhos de Arão, os sacerdotes, um dos quais tomará dela um punhado da sua farinha, e do seu óleo, com todo o seu incenso; e o sacerdote queimará este memorial sobre o altar; para ser uma oferta feita por fogo, de cheiro suave ao SENHOR.

A porção memorial, dada a Deus, era um punhado representativo da farinha preparada e todo o incenso (v. 16).

(Levítico 2:3) Coisa santa

v. 3 E o resto da oferta de alimentos será de Arão e de seus filhos; é a coisa mais santa das ofertas do SENHOR, feitas por fogo. 


⚠️ Receba Estudos Exclusivos no Whatsapp:


Aquilo que os sacerdotes comiam, por serem pessoas consagradas (lit. “santos dos santos,” i.e., “santíssimos,” Êx 30:29) era considerada a coisa mais santa (lit. santa das santas”); somente um sacerdote cerimonialmente limpo poderia comer a parte santíssima, e somente em um local cerimonialmente limpo (provavelmente perto do altar).

(Levítico 2:11) A proibição quanto ao fermento

v. 11 Nenhuma oferta de alimento, que trouxeres ao SENHOR, se fará com fermento; pois não queimareis fermento, e nem qualquer mel em qualquer oferta ao SENHOR feita por fogo. 

O fermento tinha influência degradante e, portanto, poderia simbolizar o mal (Mc 8:15). Talvez o mel fosse proibido por ser usado em ritos pagãos.

(Levítico 2:13-14) O sal

v. 13 E toda a oblação da tua oferta de alimentos temperarás com sal; e não deixarás faltar o sal do pacto do teu Deus na tua oferta de alimentos; em toda a tua oferta oferecerás sal. 

v. 14 E se tu ofereceres oferta de alimentos das tuas primícias ao SENHOR, oferecerás a oferta de alimentos das tuas primícias de espigas verdes de grãos, tostadas ao fogo, grão trilhado de espigas cheias. 

Fermento e mel poderiam ser oferecidos como primícias, mas não queimados no altar (Lv 23:17), Os primeiros frutos, primeira porção da colheita, eram vistos como a melhor parte, aquela que pertencia a Deus, por ser Ele a fonte de toda bênção (festa da colheita, Ex 23:16).

O caráter duradouro do sal indica a eternidade do relacionamento entre o Senhor e Seu povo (Nm 18:19). Cereal novo descreve os primeiros feixes maduros, o melhor da produção (Êx 23:19).

O princípio geral era que as pessoas dessem ao Senhor as primícias e o melhor de seu sustento (2Co 8:5).

Conclusão

As ofertas de manjares se tratavam de ofertas de farinha ou cereal. Significavam uma dádiva. Tratava-se de uma oferta de gratidão, espontânea, a Deus, vez que não estava relacionada com nenhuma exigência. Dizia respeito àquilo que estava presente no cotidiano das pessoas.

Do hebraico, a palavra original é “minchah”. Significava uma dádiva feita de um servo a um superior. A oferta dada pelos irmãos de José, a ele, no Egito, se tratava de uma “minchah”.

Elas não eram inteiramente queimadas, como holocausto, mas apenas em porções, devendo, o restante, ficar para os sacerdotes, vez que eram coisa santíssima.

Representavam dependência e mordomia, quanto ao superior. Eram dadas a partir de produtos vegetais, naturais da região.

Não poderia ser colocado mel ou fermento, nas ofertas. O fermento representa, nas escrituras, pecado, mera aparência, algo deteriorante, ao passo que deveriam conter sal, vez que o sal é atribuído à comunhão com Deus, aquilo que conserva.

Basicamente, a mensagem era a de um reconhecimento de dependência de Deus, mantenedor de todas as coisas. Por ser espontânea, simbolizava gratidão, generosidade.

O salmista utiliza essa expressão, ao desejar, ao mestre de canto, que Deus o respondesse em suas tribulações, enviasse socorro e lembrasse de todas as suas ofertas de manjares e holocaustos, retribuindo-lhe conforme o coração.

Ao final, ele reforça que alguns confiavam em coisas terrenas, mas eles confiavam no nome do Senhor (Salmo 20:3).

Levítico 2 estudo.

Sobre o Autor

Olá, me chamo Lázaro Correia, sou Cristão, formado em Teologia e apaixonado pela Bíblia. Aqui no Blog você vai encontrar diversos estudos Bíblicos e muito conteúdo sobre vida Cristã.

    0 Comentários

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *