Números 21 Estudo: Aprendendo com os Erros do Povo Israelita

Advertisement

Números 21 é um capítulo marcado por eventos significativos na jornada do povo de Israel pelo deserto. Começa com relatos de vitórias sobre os cananeus e a subsequente promessa de Deus de entregar os seus inimigos nas mãos dos israelitas.

No entanto, o povo, cansado da jornada e descontente com as condições, murmura contra Deus e Moisés, resultando em punições severas, como serpentes venenosas que os atacam. Moisés intercede e Deus instrui a fazer uma serpente de bronze para curar os mordidos.

Advertisement

O capítulo continua com o relato das conquistas e da jornada de Israel, destacando a importância da obediência a Deus e as consequências da rebelião. Este capítulo serve como um lembrete da fidelidade de Deus em proteger e guiar Seu povo, mas também da necessidade de confiar Nele e obedecer às Suas instruções. Acompanhe a seguir o estudo completo desse capítulo!



(Números 21:1-3) Tribulações e Triunfos

v. 1 E, quando o rei Arade, o cananeu, que habitava no sul, ouviu que Israel vinha pelo caminho dos espias, combateu Israel e levou alguns deles como prisioneiros.

v. 2 E Israel fez um voto ao SENHOR, dizendo: Se entregares, verdadeiramente, este povo na minha mão, então eu destruirei totalmente as suas cidades.

Advertisement

v. 3 E o SENHOR ouviu a voz de Israel e entregou os cananeus; e eles os destruíram totalmente, e às suas cidades, e deram àquele lugar o nome de Horma.

Após a morte de Arão, os israelitas partiram do monte Hor e contornaram Edom pela rota dos espias. A cidade de Arade, governada pelo rei Arade, não poderia ter sido Tel Arad, a leste do deserto do Neguebe, pois essa cidade só foi ocupada no início da monarquia israelita.

Atarim, por outro lado, era uma rota comercial viável que ligava Cades-Barneia a Arade. Ao longo dessa rota, foram construídas as fortalezas de Bir Hafir, Oboda e Aroer durante o período da monarquia israelita. Esses fortes podem ter servido como pontos de apoio para os israelitas em sua jornada.

(Números 21:4) O Povo Murmura no Deserto

v. 4 E eles partiram do monte Hor, pelo caminho do mar Vermelho, para rodearem a terra de Edom; e a alma do povo ficou muito desencorajada por causa do caminho. 

A rota comercial conhecida como Caminho do Mar Vermelho se estendia de Elate, na ponta nordeste do Mar Vermelho, no Golfo de Aqaba, em direção norte, atravessando o deserto de Arabah até o Mar Morto.


Quer Pregar Com Conhecimento Bíblico Profundo, Dominando a Oratória, com boa Dicção, Citando Versículos de Memória, sem Timidez e com total Eloquência?
(Clique Aqui e Sabia Mais)


Seguindo essa rota, os israelitas, vindos do sudeste, se aproximariam da extremidade norte do deserto de Arabah, cruzando-o então entre Tamar e Zalmona.

(Números 21:5) A Cura pela Fé

v. 5 E o povo falou contra Deus e contra Moisés: Por que nos trouxestes do Egito, para que morrêssemos neste deserto? Porque aqui não há nem pão nem água; e este pão leve traz repugnância à nossa alma.

Pela sétima vez, o povo israelita ergueu sua voz em murmúrios contra Deus e Moisés. As palavras que pronunciavam eram as mesmas de sempre: queixas repetitivas sobre a falta de água e alimento.

(Números 21:6-7) O Clamor do Povo Arrependido

v. 6 E o SENHOR enviou serpentes ardentes entre o povo, que morderam o povo, e grande parte do povo de Israel morreu. 

v. 7 E o povo veio a Moisés e disse: Pecamos, porque falamos contra o SENHOR e contra ti; ora ao SENHOR, para que tire de nós estas serpentes; e Moisés orou pelo povo.


⚠️ Receba Estudos Exclusivos no Whatsapp:


O juízo de Deus contra o povo israelita veio na forma de serpentes venenosas, provavelmente víboras.

(Números 21:8-9) A Serpente de Bronze

v. 8 E disse o SENHOR a Moisés: Faze uma serpente ardente e coloca-a sobre uma haste; e todo aquele que for mordido, ao olhar para ela, viverá. 

v. 9 E Moisés fez uma serpente de bronze, e a pôs sobre uma haste; e acontecia que, se uma serpente mordia algum homem, quando olhava para a serpente de bronze, ficava vivo. 

Diante do sofrimento do povo picado por serpentes no deserto, Deus instruiu Moisés a criar uma serpente de bronze e colocá-la sobre uma haste. Aqueles que olhassem para essa imagem seriam curados, não pela fé na serpente em si, mas na provisão divina que ela representava. A cura era um ato de graça de Deus, não um resultado de idolatria ou magia.

No Evangelho de João, Jesus utiliza a imagem da serpente de bronze como metáfora para sua própria crucificação. Assim como o olhar para a serpente de bronze trazia cura física, olhar com fé para Jesus crucificado garante a salvação espiritual e a vida eterna. A narrativa da serpente de bronze destaca a importância da fé na obra salvadora de Jesus Cristo. Através da fé em sua morte e ressurreição, somos redimidos do pecado e alcançamos a vida eterna.

A história da serpente de bronze no deserto e a metáfora utilizada por Jesus em João 3:14-16 nos convidam a refletir sobre o poder da fé e da graça de Deus em nossas vidas. Olhando para Cristo crucificado com fé e arrependimento, encontramos a cura para o pecado e a promessa da vida eterna.

(Números 21:10-13) Em Direção à Terra Prometida

v. 10 E partiram os filhos de Israel, e acamparam em Obote.
v. 11 E partiram de Obote, e acamparam em Ijé-Abarim, no deserto que está diante de Moabe, ao nascente do sol. 

v. 12 Dali partiram, e acamparam no vale de Zerede.
v. 13 E, dali partiram, e acamparam do outro lado de Arnom, que está no deserto que sai dos termos dos amorreus; porque Arnom é a fronteira de Moabe, entre Moabe e os amorreus.

A jornada dos israelitas seguia em direção norte, contornando o território dos edomitas pelo sul. Partindo do monte Hor, a rota os levou por Zalmona e Punom, localidades não descritas em detalhes neste trecho, mas mencionadas por Moisés no relato das etapas da viagem (Números 33:42).

Seguindo adiante, os israelitas atravessaram Obote, situada na porção superior do deserto de Arabá, ao sul do mar Morto. A partir daí, a rota os direcionou para ijé-Abarim, ponto próximo à fronteira da região de Moabe.

(Números 21:14-15) Do Mar Vermelho ao Rio Arnon

v. 14 Por isso se diz no livro das guerras do SENHOR o que ele fez no mar Vermelho e nos ribeiros de Arnom,
v. 15 e na correnteza dos ribeiros que desce até a cidade Ar, e chega aos limites de Moabe.

O Livro das Guerras do Senhor, embora não preservado em sua totalidade, se apresenta como um registro primitivo das vitórias divinas em favor do povo israelita. Possivelmente escrito em forma de poesia, essa fonte histórica é desconhecida em outras partes do Antigo Testamento.

Embora o texto completo esteja perdido, menções em outros livros bíblicos revelam a existência do Livro das Guerras do Senhor. Uma citação no Livro de Josué (10:13) e outra em 2 Samuel (1:18) comprovam sua existência. Essas menções sugerem que a composição original era consideravelmente maior do que os fragmentos que restaram.

(Números 21:16-20) Liderança e Provisão

v. 16 E dali partiram para Beer; este é o poço do qual o SENHOR disse a Moisés: Reúne o povo, e lhe darei água. 
v. 17 Então, Israel entoou este cântico: Brota, ó poço. Cantai a ele:

v. 18 os príncipes cavaram o poço, os nobres do povo o cavaram, com a direção do legislador, com seus bordões. E do deserto, foram a Matana;

v. 19 e de Matana para Naaliel; e de Naaliel para Bamote.
v. 20 E de Bamote, no vale, que está na região de Moabe, ao topo de Pisga, que tem vista para Jesimon.

Os israelitas, após a rebelião em Massá e Meribá, vagavam pelo deserto castigados por Deus com serpentes venenosas. Diante do sofrimento e do arrependimento do povo, Deus instrui Moisés a criar uma serpente de bronze e colocá-la em uma haste. A fé na promessa divina de cura traria a salvação.

A serpente de bronze não era um ídolo, mas um símbolo da fé do povo. Ao olharem para ela com fé e arrependimento, os israelitas seriam curados. Essa narrativa prefigura a crucificação de Jesus Cristo, onde a fé em sua morte e ressurreição garante a salvação da humanidade do pecado e da morte.

Em sua jornada, os israelitas chegaram a Beer, local onde Deus providenciou água através de um poço. Esse ato de misericórdia demonstra o cuidado e o amor de Deus por seu povo. O cântico entoado pelo povo expressa sua gratidão por essa provisão essencial.

Deus instruiu o povo a seguir em direção a Edom, prometendo-lhes a terra como herança. No entanto, os israelitas recusaram-se a obedecer, optando por seguir um caminho mais fácil. Essa desobediência revela a teimosia e a falta de fé do povo, que preferiram seguir seus próprios desejos em vez dos planos divinos.

A história da serpente de bronze e do poço de Beer nos ensina lições valiosas sobre fé, obediência e confiança em Deus. Através da fé na promessa divina e na obediência aos seus mandamentos, podemos experimentar cura, bênçãos e alcançar a terra prometida, tanto física quanto espiritualmente.

Essa narrativa nos convida a refletir sobre nossa fé, obediência e confiança em Deus. A serpente de bronze serve como um lembrete do poder da fé para nos salvar, enquanto o poço de Beer nos lembra da provisão e do cuidado divinos em nossas vidas. Que essa história nos inspire a seguir os caminhos de Deus com fé e obediência, buscando sempre a cura e a salvação que Ele oferece.

(Números 21:21-22) Caminhando para Canaã

v. 21 E Israel mandou mensageiros a Seom, rei dos amorreus, dizendo:

v. 22 Deixa-me passar pela tua terra; não nos desviaremos pelos campos nem pelas vinhas, e não beberemos as águas dos poços; iremos pela estrada real até que passemos os teus termos. 

 Diante da recusa do rei Edom em conceder passagem, Moisés, líder dos israelitas, envia mensageiros diplomáticos a Seom, rei dos amorreus. O objetivo era negociar o direito de atravessar o território amorreu rumo ao norte, seguindo a estrada do rei. Essa rota passaria pelas montanhas da Transjordânia e desceria pelas encostas do lado oeste até as margens do rio Jordão, conduzindo o povo israelita à terra prometida.

Os amorreus eram um grupo étnico significativo que surgiu no alto da Mesopotâmia entre 2300 e 2000 a.C., no final da primeira metade da Idade do Bronze. Sua influência se estendia por diversas regiões, incluindo a Transjordânia. Na Bíblia, o termo “amorreu” pode ser usado de forma genérica para se referir aos povos de Canaã, mas no contexto da narrativa de Moisés e Seom, designa especificamente o reino liderado por Seom.

(Números 21:23-25) Da Montanha ao Vale

v. 23 E Seom não deixou Israel passar pelos seus termos, mas Seom reuniu todo o seu povo e saiu contra Israel no deserto; e veio a Jaza, e lutou contra Israel. 

v. 24 E Israel o feriu com o fio da espada e tomou posse da sua terra, desde Arnom até Jaboque, até aos filhos de Amom; porque a fronteira dos filhos de Amom era forte.

v. 25 E Israel tomou todas estas cidades; e Israel habitou em todas as cidades dos amorreus, em Hesbom e em todas as suas aldeias.

 Após a recusa do rei Edom em permitir a passagem de Israel por seu território, Moisés, líder dos israelitas, enviou mensageiros a Seom, rei dos amorreus, que havia conquistado Moabe recentemente. O objetivo era negociar a passagem pacífica por terras amorreus rumo à terra prometida. Seom, talvez motivado pela recusa de Edom, também negou a passagem.

Seom, confiante em seu poder militar, tentou impedir o avanço israelita. No entanto, Israel obteve uma vitória decisiva sobre os amorreus, um evento que seria lembrado ao longo da história do povo (Deuteronômio 2:26-31).

Indícios bíblicos e extrabíblicos sugerem que o reino amorreu de Seom se estendia do rio Arnom ao rio Jaboque, com uma extensão norte-sul de 72 a 80 quilômetros. Era ladeado pelas cidades fortificadas dos amonitas a leste e ao norte.

Hesbom era a capital do reino amorreu de Seom no período dos conflitos com Israel. Sua localização exata ainda é debatida, com S. Horn sugerindo que a cidade poderia estar em Jalul ou outro local próximo. A canção mencionada no texto fala sobre a reconstrução de Hesbom, seja ela edificada ou conquistada.

A canção

A canção oráculo de lamento dos amorreus, adaptada pelos israelitas para celebrar sua vitória sobre o conquistador Seom, condenava os moabitas e seu deus Quemos. Trechos dessa canção seriam repetidos em oráculos proféticos contra Moabe entre os séculos VIII e VI a.C., como em Isaías 15:1-9 e Jeremias 48:1-47.

Quemós era a deidade principal dos moabitas. Mencionado pela primeira vez entre os deuses de Ebla (2600-2250 a.C.), Quemos era inicialmente associado à produção de tijolos de barro e, posteriormente, à agricultura.

No século X a.C., o rei Salomão de Israel introduziu a adoração de Quemós em Jerusalém ao construir um templo em sua homenagem no monte oposto ao do Templo de Yahweh.

A Estela de Mesa, também conhecida como Pedra Moabita, menciona Quemós 12 vezes. Em uma dessas menções, Quemos é invocado como Astarote-Quemós, deus que teria dado a Mesa a força para se livrar do domínio israelita, reconquistar e reconstruir cidades como Jaza (v. 23), Dibom (também chamada Dibom-Gade em Nm 33:45-46), Almom-Diblataim (Nm 33:46-47) e Medeba (Nm 21:30). Curiosamente, Hesbom, cidade crucial para a história de Moabe nesse período, não é mencionada na estela.

(Números 21:32) Moisés e a Liderança Militar

v. 32 E Moisés mandou espiar a Jazer, e eles tomaram as suas aldeias e expulsaram os amorreus que estavam ali. 

A cidade de Jazer, localizada no vale do Wadi Kefrein, era um importante centro regional durante o período da conquista israelita da Transjordânia. Sua menção como “Jazer, a principal cidade da região” em Números 32:1 sugere sua relevância política e econômica.

É possível que Jazer tenha passado para o domínio amorreu durante a expansão do reino de Seom e Ogue na região amonita. O arqueólogo J. Simons identificou a cidade antiga com o sítio arqueológico de Khirbet-Gazzir (Jazer), situado a 16 quilômetros a noroeste de Medeba (Números 21:33-35).

Ogue, rei de Basã, tinha sua capital em Asterote, situada às margens do afluente norte do rio Yarmuk (Deuteronômio 1:4). A batalha decisiva contra Ogue ocorreu em Edrei, geralmente associada à atual cidade de Der’a na fronteira entre a Síria e a Jordânia, a 48 quilômetros a leste do mar da Galileia. Após a vitória israelita, Edrei foi incorporada ao território da tribo de Manassés (Josué 13:31).

Embora o livro de Números não narre outras batalhas da campanha israelita na Transjordânia, Deuteronômio 3:4-6 menciona a conquista de 60 cidades do reino de Basã de Ogue. A chave para o sucesso de Israel nessas batalhas e na conquista da terra prometida do outro lado do rio Jordão não resideu em seu poder militar, mas em sua fé e dependência de Yahweh, o Deus de Israel.

Conclusão

Concluímos que o capítulo 21 de números nos apresenta como a fé e a obediência são cruciais na jornada da vida. Através das experiências do povo israelita no deserto, aprendemos lições valiosas:

  • Manter a fé em Deus, mesmo em momentos difíceis. A serpente de bronze simboliza a redenção pela fé.
  • Obedecer aos mandamentos de Deus com amor e reverência. A desobediência de Moisés teve consequências.
  • Respeitar os limites dos outros e buscar a paz. O povo israelita aprendeu a evitar conflitos desnecessários.
  • Reconhecer e valorizar a liderança daqueles que nos guiam. A canção do povo celebra seus líderes.
  • Permanecer fiéis a Deus em todas as circunstâncias. A vitória sobre o rei Sihon demonstra a fidelidade de Deus.

Ao seguirmos esses princípios, podemos ter a certeza de que Deus nos guiará por um caminho de vitória e bênçãos, mesmo em meio às provações. A jornada da fé é um processo contínuo de aprendizado e crescimento. Que a história do povo israelita neste capítulo nos inspire a manter a fé inabalável, obedecer aos mandamentos com amor, respeitar os limites, valorizar a liderança e permanecer fiéis a Deus em todas as circunstâncias. Através dessa atitude, podemos alcançar a terra prometida e experimentar a plenitude da vida que Deus tem reservado para nós.

Se você chegou até aqui, é porque você realmente é uma pessoa que está estudando a Bíblia e tendo grande interesse em entender melhor a Palavra de Deus, sendo assim, te convido a conhecer o nosso treinamento onde você irá conhecer sua Bíblia de forma profunda e entender com mais facilidade, tendo acesso a mais de 50 aulas em vídeo com o Professor André Lourenço do Instituto Carisma, entrará para o nossa comunidade exclusiva de alunos podendo conversar com Pastores, Pregadores, Professores e Estudantes da Bíblia de todo o Brasil e mundo , receberá materiais de apoio em livros e muito mais… Clique Aqui e Faça Parte!!

Números 21 estudo.

Sobre o Autor

Olá, me chamo Lázaro Correia, sou Cristão, formado em Teologia e apaixonado pela Bíblia. Aqui no Blog você vai encontrar diversos estudos Bíblicos e muito conteúdo sobre vida Cristã.

    0 Comentários

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *