Mateus 7 Estudo: Terceira Parte do Sermão da Montanha

Este capítulo de Mateus 7 estudo, se trata da continuação do sermão na montanha onde Jesus mostrou que não devemos fazer julgamentos pessoais sobre as pessoas.

Advertisement

Além disso, por exemplo, não devemos pressupor que alguém é adúltero ou mentiroso. Mesmo que determinemos que a pessoa cometeu um erro, devemos limitar nossa opinião sobre o caso ao momento em que é solicitado.

Ademais, o Mestre também deixou bem claro que não está em nosso poder fazer julgamentos. Muitos cristãos são muito apressados ​​em julgar os outros, sendo que, cabe apenas a ele julgar.

Advertisement

O problema é que, muitas vezes, as pessoas com julgamentos formativos sobre os outros se esquecem de avaliar suas próprias vidas. Acompanhe!

Mateus 7 estudo: Contexto histórico

Diante do contexto, a chamada regra de ouro aparece de forma negativa no judaísmo rabínico, bem como no hinduísmo, budismo e confucionismo.

Além disso, também é lembrado de várias maneiras no ensino de ética grego e romano, mas, em vez disso, Jesus declarou essa regra de frente.

A imagem de duas estradas é comum no judaísmo e às vezes, a analogia é um caminho diferente que leva na direção oposta para o céu ou o inferno.

Entretanto, outras vezes, é retratado um caminho estreito, com o sofrimento da vida, culminando em um caminho amplo para as bênçãos eternas.

Advertisement

⚠️ Grupo VIP de Estudos no WhatsApp:


(Mateus 7:1) Somente ao Senhor cabe o julgamento

v. 1 Não julgueis, para que não sejais julgados.

Jesus não pretendia proibir todos os atos de julgamento. Em outras partes, Ele ordenou aos discípulos que discernissem as ações de outras pessoas (Mt 18:15-20).

Advertisement

O que Jesus condenou é o julgamento hipócrita que focaliza as faltas dos outros enquanto escusa os próprios pecados.

(Mateus 7:2) Da mesma forma que julgares, serás julgado

v. 2 Porque com o juízo com que julgardes sereis julgados; e com a medida que medirdes vós sereis medidos.

Jesus advertiu que aqueles que usam um padrão severo de juízo ao avaliarem as outras pessoas podem aguardar que Deus usará o mesmo padrão quando eles enfrentarem o julgamento divino.

(Mateus 7:3-5) Cuida da tua própria vida

v. 3 E por que tu observas o cisco que está no olho do teu irmão, e não percebes a viga que está no teu próprio olho?

v. 4 Ou como dirás a teu irmão: Deixa-me tirar o cisco do teu olho, e, eis uma viga no teu próprio olho?

Advertisement

v. 5 Hipócrita, tira primeiro a viga do teu olho, e então verás com clareza para tirar o cisco do olho do teu irmão.

O cisco, talvez um fragmento de serragem, representa uma falta leve. A viga, uma grande peça de madeira, representa uma grave falta moral.

Aquele que corrige as faltas leves dos outros sem dar atenção às próprias faltas graves é um hipócrita.

Os cristãos têm a responsabilidade de ajudar uns aos outros a se arrependerem dos pecados, mas comente depois de, primeiro, lidar com as próprias faltas graves.


Conheça sua Bíblia de Forma Profunda e Descubra Como Entendê-la com Mais Facilidade!
(Clique Aqui e Saiba Mais)


(Mateus 7:6) A importância da justiça

v. 6 Não deis o que é santo aos cães, nem lanceis aos porcos as vossas pérolas, para que não suceda que as pisem com os seus pés, e voltando-se novamente, vos despedacem.

O que é santo provavelmente se refere à carne sacrificial. Os cães haveriam de devorá-la insensivelmente, sem apreciar seu caráter sagrado.

Na alegoria de Jesus, esta carne sacrificial simboliza Seus próprios ensinamentos sagrados.Os cães simbolizam os ímpios que desconsideram o valor dos Seus ensinos.

Advertisement

Mestres do primeiro século referiam-se a pérolas de maneira simbólica para falar de um ensino criterioso e precioso.

Consequentemente, as pérolas aqui simbolizam os ensinos de Jesus dados por meio dos discípulos.Os porcos eram animais ritualmente impuros. Eles simbolizam os ímpios e os impuros.

Os porcos comem comida estragada, mas de maneira alguma apreciam pérolas, assim como os ímpios consomem prazeres ímpios, mas desconsideram o evangelho.

Este desprezo pelo evangelho é retratado pelo porco pisando as pérolas. Que os porcos podem se voltar contra a pessoa que lhe oferece pérolas mostra que o desprezo pela mensagem do evangelho pode transformar-se em desprezo pelo mensageiro do evangelho, como tem acontecido muitas vezes na história.

(Mateus 7:7-8) Todos que buscarem a Deus irão o encontrar

v. 7 Pedi, e dar-se-vos-á; buscai e encontrareis; batei e abrir-se-vos-á.

v. 8 Porque aquele que pede, recebe; e o que busca, encontra; e ao que bate, abrir-se-lhe-á.


Aprenda Como Pregar a Palavra de Deus com Sabedoria e Propriedade!
(Clique Aqui e Confira)


Embora algumas pessoas interpretem estes versículos como uma promessa de que Deus dará aos discípulos tudo o que pedirem em oração, ligações linguísticas entre estes versículos e outros pontos do Sermão do Monte sugerem que Jesus prometeu que aqueles que pedem, buscam, e batem serão convidados a entrar em Seu reino.

Pedi é uma ordem ligada à promessa de “coisas boas” para aqueles que pedirem no versículo 11. No paralelo em Lucas, estas coisas boas são interpretadas como sendo o Espírito Santo que transforma o discípulo e o deixa apto para o reino.

Buscai usa o mesmo verbo grego de Mt 6:33, “Buscai primeiro o reino de Deus, e a sua justiça”. Uma vez que a palavra porta não está no texto grego do versículo 7, e porque as pessoas do passado batiam em portões bem como em portas para pedir entrada (At 12:13), batei provavelmente se refere ao bater na porta do reino (mencionado nos v. 13-14).

(Mateus 7:9-10) A bondade do Senhor para com seus filhos

v. 9 Ou qual dentre vós é o homem que, se seu filho lhe pedir pão, lhe dará uma pedra?

v. 10 Ou se lhe pedir peixe, lhe dará uma serpente?

Pães arredondados se assemelham a pedras lisas bronzeadas. Certos tipos de peixe no Mar da Galileia se assemelham a cobras.

(Mateus 7:11) A justiça de um pai

v. 11 Então se vós, sendo maus, sabeis dar boas dádivas aos vossos filhos, quanto mais vosso Pai, que está no céu, dará coisas boas aos que lhe pedirem?

Jesus descreve os seres humanos ao dizer vós, sendo maus. Isso vai contra o conceito moderno de que as pessoas são basicamente boas.

Embora Jesus reconheça que os seres humanos podem realizar atos bondosos como o de prover para seus filhos, Ele insistiu que eles assim procedem contrariamente a sua natureza pecaminosa.

Os atos bondosos de Deus, por outro lado, expressam a natureza perfeita de nosso Pai celestial.


⚠️ Cursos Bíblicos Recomendados (Com Desconto Especial):


(Mateus 7:12-14) O caminho estreito rumo ao Senhor

v. 12 Portanto, todas as coisas que vós quereis que vos façam os homens, fazei-o também a eles; pois esta é a lei e os profetas.

v. 13 Entrai pela porta estreita, porque larga é a porta, e amplo é o caminho que conduz à destruição, e muitos são os que entram por ela.

v. 14 Porque estreita é a porta e apertado é o caminho que conduz à vida, e são poucos os que a encontram. 

A palavra portanto simboliza a natureza exclusiva do reino de Cristo. A entrada nele requer do discípulo o cumprimento da vontade do Pai que está nos céus (v. 21).

A porta que é larga indica que o inferno oferece entrada irrestrita e que muitos entrarão por seus portões.

O apertado (“estreito”) caminho pode simbolizar a vida de privação e perseguição que os discípulos deve enfrentar.

Contudo, visto que a literatura judaica muitas vezes usava o símbolo do caminho para representar uma conduta moral (Jz 2:22) e porque a lei era retratada como um caminho estreito do qual a pessoa não devia se desviar (Dt 5:32), o caminho estreito provavelmente representa o ensino moralmente restritivo de Jesus.

O caminho largo permite que o viajante vagueie e siga os desejos mundanos, mas o caminho estreito exige dos viajantes que se atenham à vontade de Deus.

(Mateus 7:15-20) Os falsos profetas

v. 15 Cuidado com os falsos profetas, que vêm a vós vestidos como ovelhas, mas, interiormente, são lobos devoradores.

v. 16 Por seus frutos os conhecereis. Homens colhem uvas dos espinheiros, ou figos dos abrolhos?

v. 17 Assim, toda a árvore boa produz bons frutos, mas a árvore corrompida produz frutos ruins.

v. 18 Não pode a árvore boa dar frutos ruins, nem pode a árvore corrompida dar frutos bons.

v. 19 Toda a árvore que não produz frutos bons corta-se e lança-se no fogo.

v. 20 Portanto, pelos seus frutos os conhecereis.

Falsos profetas vestem-se como ovelhas para dissimular o fato de que eles são lobos devoradores disfarçados de discípulos verdadeiros.

Todavia, o caráter e o comportamento de um profeta (seus frutos) indicam se ele é verdadeiro ou falso.

Outros textos do novo testamento sustentam que a doutrina de um mestre deve também ser examinada (1Jo 4:2-3).

Os discípulos verdadeiros produzem o fruto das boas obras, e isto confirma a sua identidade como discípulo de Jesus (v. 21-23).

A imagem de cortar e queimar uma árvore ruim retrata o julgamento e a punição eterna dos falsos discípulos.

(Mateus 7:21-23) O Senhor é juiz supremo

v. 21 Nem todo o que me diz: Senhor, Senhor, entrará no reino do céu, mas aquele que faz a vontade de meu Pai que está no céu.

v. 22 Muitos me dirão naquele dia: Senhor, Senhor, não profetizamos nós em teu nome? E em teu nome não expulsamos os demônios? E em teu nome não fizemos muitas maravilhas?

v. 23 E então lhes declararei: Eu nunca vos conheci; apartai-vos de mim, vós trabalhadores da iniquidade.

Ao se referir a si mesmo como Senhor e descrever-se como o Juiz supremo da humanidade, Jesus sugeriu Sua divindade.

Os verdadeiros discípulos afirmam o senhorio de Jesus, submetem-se à Sua vontade, e obedecem às Suas ordens.

Jesus insistiu em que a confirmação de alguém como discípulo verdadeiro não é por profecia, exorcismo, ou operação de milagres, mas por uma vida transformada, a qual é possibilitada por Deus.

Os desobedientes estilos de vida dos trabalhadores da iniquidade são inconsistentes como o discipulado genuíno.

As palavras de Jesus, nunca vos conheci, mostram que eles nunca foram discípulos verdadeiros.

(Mateus 7:24-27) Sobre rocha está todo aquele que segue a palavra de Deus

v. 24 Todo aquele, pois, que escuta estas minhas palavras e as pratica, assemelhá-lo-ei ao homem sábio, que construiu a sua casa sobre a rocha.

v. 25 E desceu a chuva, vieram as inundações, e sopraram os ventos e golpearam contra aquela casa, mas ela não caiu, porque estava fundada sobre a rocha.

v. 26 E aquele que ouve estas minhas palavras e não as pratica, compará-lo-ei ao homem insensato, que edificou a sua casa sobre a areia.

v. 27 E desceu a chuva, vieram as inundações, e sopraram os ventos e golpearam contra aquela casa, e ela caiu, e grande foi a sua queda.

Os adjetivos sábio e insensato descrevem o estado espiritual e moral de uma pessoa, e não o seu intelecto.

O que determina se uma pessoa é considerada prudente ou insensata é a sua resposta ao ensino de Jesus.

Uma vez que escritores do antigo testamento descreveram a ira de Deus usando a imagem de uma grande tempestade (Is 28:16-17 – Ez 13:10-13), a tempestade que destrói a casa sobre a areia é uma ilustração do julgamento divino.

Consequentemente, a pessoa que escuta e pratica os ensinos de Jesus está preparada para o julgamento.

Aquela que escuta, mas não pratica as palavras de Jesus será destruídas na tempestade do julgamento.

(Mateus 7:28-29) Jesus conclui o discurso

v. 28 E aconteceu que, concluindo Jesus este discurso, as pessoas se admiraram da sua doutrina.

v. 29 Pois ele os ensinava como quem tinha autoridade, e não como os escribas.

Jesus maravilhou as multidões com uma autoridade que excedia à dos outros mestres. No primeiro século, os mestres judeus apelavam para a autoridade de seus predecessores rabínicos.

Jesus, no entanto, introduziu Seus ensinos com o contraste: “Ouvistes o que foi dito… porém eu vos digo” (Mt 5:21).

Ao fazer assim, Jesus deixou claro que ele tinha autoridade para interpretar a lei, independentemente da – e mesmo em oposição a – tradição oral judaica e dos rabinos mais estimados.

As palavras concluindo Jesus são importantes para a compreensão da estrutura do Evangelho de Mateus. Ver “Estrutura” na Introdução a Mateus.

Conclusão

Portanto, o Senhor deixou claro que nossa perseverança será recompensada, além disso, ele não nos enganará com o que pedimos e sim nos dará o que pedimos, assim como um pai trata seu filho.

Diante disso, o caminho para a vida eterna é estreito, há muita rejeição das coisas mundanas e carnais, logo, não podemos viver na devassidão.

Este é o caminho que devemos seguir se quisermos herdar a vida eterna.

Mateus 7 estudo.

Sobre o Autor

Olá, me chamo Lázaro Correia, sou Cristão, formado em Teologia e apaixonado pela Bíblia. Aqui no Blog você vai encontrar diversos estudos Bíblicos e muito conteúdo sobre vida Cristã.

    0 Comentários

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado.

    Nosso site utiliza cookies para melhorar sua experiência na navegação. Mais informações.