2 Samuel 24 Estudo: Um Pecado Mortal

Advertisement

Neste capítulo de 2 Samuel 24, veremos que as escrituras relatam que, novamente, a ira do Senhor se acendeu contra os israelitas, de modo que Deus incitou Davi a fizer um novo censo. Davi, então, chama Joabe e manda que ele percorresse todo Israel para fazê-lo.

Mesmo após relutar, Joabe acaba obedecendo ao rei. Em seguida, Davi se agitou em seu coração, pelo que se arrependeu e reconheceu que pecou.

Advertisement

Ao se levantar, veio o profeta Gade e aduziu que Deus dava três alternativas, das quais Davi deveria escolher alguma como castigo pela transgressão.

Gate aduz que Davi deveria optar entre sete anos de fome, sobre a terra, ou, ainda, três meses de perseguição dos inimigos de Davi ou, por fim, três dias de peste sobre a terra.

Davi opta por três dias de praga, de modo que o Anjo do Senhor estende a mão sobre a terra e morrem setenta mil homens. Após, Gate manda que Davi levantasse um altar ao Senhor, na eira de Araúna, o jebuseu.

Davi foi, então, até Araúna e pediu para comprar a sua eira, porém ele aduziu que a daria ao rei. Davi, no entanto, recusou, vez que não desejava oferecer a Deus holocaustos que não lhe custassem nada. Deste modo, ele pagou pela eira e pelos bois e sacrificou ao Senhor que, novamente, o favoreceu.

2 Samuel 24 estudo: Contexto histórico

O capítulo anterior expos as últimas palavras do rei Davi, as quais faziam menção das promessas divinas para sua casa e os motivos pelos quais Deus o havia abençoado como governante.

Por fim, Davi elenca os denominados valentes, que fizeram parte de seus exércitos e, agora, recebiam menções honrosas, como demonstração de gratidão. Por fim, vemos que ele cita Urias, o heteu, como uma demonstração de tributo e arrependimento.

(2 Samuel 24:1)

v. 1 E, mais uma vez, a ira do SENHOR acendeu-se contra Israel, e ele moveu Davi contra eles para dizer: Ide e enumerai Israel e Judá.

O pecado espiritual que atraiu a irá de Deus não é mencionado. 1 Crônicas 21:1 atribui a Satanás a ação de incitar Davi, mas não existe contradição.

Ambos os versículos estão corretos, uma vez que Deus pode usar até mesmo Satanás para realizar os Seus propósitos (Jó 1:12).

Aqui, Deus permitiu que Satanás incitasse ao rei Davi a fazer um censo, um ato que, embora aceitável sob certas circunstâncias (Ex 30:12), neste contexto provavelmente revelava que Davi estava depositando a confiança em sua força militar antes que na proteção e orientação do Senhor.


Quer Pregar Com Conhecimento Bíblico Profundo, Dominando a Oratória, com boa Dicção, Citando Versículos de Memória, sem Timidez e com total Eloquência?
(Clique Aqui e Sabia Mais)


Outra hipótese é que Davi não teria instruído seus comandantes para coletar a contribuição dos seis gramas, trazendo assim a praga (Ex 30:12-13). Em ambos os casos Deus não forçou Davi a tomar a decisão errada.

(2 Samuel 24:2)

v. 2 Porque o rei disse a Joabe, o capitão do exército, que estava com ele: Ide, agora, por todas as tribos de Israel, desde Dã até Berseba, e enumerai o povo, para que eu possa saber o número do povo. 

A respeito de Dã até Berseba, ver nota em 2Sm 17:11.

(2 Samuel 24:3)

v. 3 E Joabe disse ao rei: Ora, o SENHOR teu Deus acrescenta ao povo tantos quantos forem, um cêntuplo, e que os olhos do meu senhor, o rei, possam enxergar isto; mas, por que o meu senhor, o rei, deleita-se nesta coisa? 

Joabe parece ter se preocupado com os motivos do rei embora tenha encoberto sua preocupação com palavras de bênção.

(2 Samuel 24:4) 

v. 4 Não obstante, a palavra do rei prevaleceu contra Joabe, e contra os capitães do exército. E Joabe e os capitães do exército se retiraram da presença do rei para enumerar o povo de Israel. 


⚠️ Receba Estudos Exclusivos no Whatsapp:


A palavra do rei prevaleceu é provavelmente uma referência à resposta de Davi a Joabe de que desejava que o censo fosse feito, e ponto final.

(2 Samuel 24:6)

v. 6 então eles chegaram a Gileade, e à terra de Cades; e chegaram a Dã-Jaã, e perto de Sidom, 

Alguns manuscritos trazem “Dã, ljom” em vez de Da-Jaa, referindo-se a uma segunda cidade próxima a Dã na extremidade norte de Israel. Sidom era uma cidade fenícia, entretanto, pode ter havido ali uma guarnição israelita (2Sm 5:11).

(2 Samuel 24:7)

v. 7 e chegaram à fortaleza de Tiro, e a todas as cidades dos heveus, e dos cananeus; e saíram em direção ao sul de Judá, até Berseba.

 Tiro também era uma cidade fenícia. A expressão cidades dos heveus, e dos cananeus provavelmente designava áreas controladas por Davi.

Joabe pode ter contado também a população estrangeira, ou simplesmente os sol  dados israelitas que mantinham a ordem nessas regiões.

E saíram em direção ao sul de Judá, até Berseba com pletava o seu circuito no sentido anti-horário pela terra, e a delegação de Joabe provavelmente seguiu pela estrada dos patriarcas até Hebrom e de volta a Jerusalém com os números do censo.

(2 Samuel 24:9)

v. 9 E Joabe entregou a soma do número das pessoas ao rei; e havia em Israel oitocentos mil homens valentes que desembainhavam a espada; e os homens de Judá eram quinhentos mil homens. 

Sobre em Israel… e em Judá, ver nota 2Sm 19:41. Os números dados na passagem paralela em 1Cr 21:5 diferem de maneira significativa, mas ambos os autores parecem ter arredondado a quantidade total, e o cronista pode também ter incluído os números de Judá naqueles de Israel.

(2 Samuel 24:10) 

v. 10 E o coração de Davi o feriu depois de ele haver enumerado o povo. E Davi disse ao SENHOR: Pequei grandemente naquilo que fiz; e, agora, suplico-te, ó SENHOR, retira a iniquidade do teu servo; porquanto agi mui loucamente. 

O coração de Davi o feriu, revelando novamente que a obra de Deus em seu coração não era em vão. Ele confessou o seu pecado e ficou esperando pela resposta do Senhor.

(2 Samuel 24:11)

v. 11 Porque, quando Davi estava de pé, pela manhã, a palavra do SENHOR veio ao profeta Gade, o vidente de Davi, dizendo: 

A resposta do Senhor veio pela manhã. O profeta Gade ministrou durante o reinado de Davi e relatou por escrito alguns eventos da vida do rei (1Cr 29:29), embora esses escritos não tenham sido descobertos.

(2 Samuel 24:13)

v. 13 Assim, Gade veio até Davi, e contou-lhe, e lhe disse: Vir-te-ão sete anos de fome na tua terra? Ou queres tu fugir três meses diante dos teus inimigos, enquanto eles te perseguem? Ou que haja três dias de peste na tua terra? Agora, aconselha, e vê qual resposta devo retornar àquele que me enviou. 

 Davi recebeu três opções da parte do Senhor por meio de Gade – fome, derrota militar, ou peste. A seriedade destas punições revelavam a gravidade do pecado de Davi.

(2 Samuel 24:14) 

v. 14 E Davi disse a Gade: Estou em um grande aperto; que caiamos, agora, na mão do SENHOR; porque as suas misericórdias são grandes; e que eu não caia na mão de homem. 

Mais uma vez, Davi revelou o seu coração. Ele sabia que as misericórdias podiam vir da parte do Senhor, mas não da mão de homem, principalmente dos seus inimigos. Quem sabe, talvez a graça de Deus afasse a calamidade (ver nota em 2Sm 12:22).

(2 Samuel 24:16)

v. 16 E quando o anjo estendeu a sua mão sobre Jerusalém para destruí-la, o SENHOR se arrependeu do mal, e disse ao anjo que destruía o povo: Basta! Retém, agora, a tua mão. E o anjo do SENHOR estava junto à eira de Araúna, o jebuseu.

 Quando o anjo que Deus enviara para trazer a praga estendeu a mão sobre Jerusalém para destruí-la, à opinião de Davi se mostrou correta. O SENHOR se arrependeu e poupou a cidade.

Os jebuseus, parte da população cananeja original durante os dias de Josué (Js 24:11), dominavam Jerusalém até que Davi os conquistou (2Sm 5:6-8). Araúna aparentemente tinha continuado a viver na região após a conquista de Davi.

(2 Samuel 24:17)

v. 17 E Davi falou ao SENHOR, quando viu o anjo que feria o povo, e disse: Eis que pequei e procedi impiamente; mas estas ovelhas, o que fizeram elas? Que a tua mão, rogo-te, esteja contra mim, e contra a casa do meu pai.

 Davi falou ao Senhor: Eis que pequei e procedi impiamente; mas estas ovelhas, o que fizeram elas? Ele rogou ao Eterno que castigasse somente ele e sua família, mas o pecado do rei como ungido de Deus geralmente tinha consequências que afetam outras pessoas além dele.

(2 Samuel 24:18)

v. 18 E Gade veio naquele dia até Davi, e disse a ele: Sobe, levanta um altar ao SENHOR na eira de Araúna, o jebuseu. 

Este altar ao Senhor marcaria o ponto onde a praga havia cessado.

(2 Samuel 24:20)

v. 20 E Araúna olhou, e viu o rei e os seus servos vindo em sua direção; e Araúna saiu, e se curvou com o seu rosto em terra diante do rei.

 A eira ficava ao norte de Jerusalém, na área onde Abraão havia oferecido Isaque como sacrifício e onde Salomão mais tarde construiria o templo (2Cr 3:1).

Uma vez que a debulha de grãos utilizava o vento, provavelmente as eiras se localizavam em geral nas partes altas das cidades.

(2 Samuel 24:22)

v. 22 E Araúna disse a Davi: Que o meu senhor, o rei, tome e ofereça o que parecer bom a si; eis que aqui estão bois para sacrifício queimado, e instrumentos para joeiramento e outros instrumentos dos bois para lenha. 

Araúna fez uma generosa oferta a Davi: Que o meu senhor, o rei,tome e ofereça o que parecer bom a si.

Provavelmente sua oferta foi sincera; além disso, particularmente como estrangeiro, ele não estava em posição de negociar com o rei de Israel. Ou Araúna pode ter esperado que o rei lhe respondesse com um preço (Gn 23:7-16).

(2 Samuel 24:24)

v. 24 E o rei disse a Araúna: Não! Certamente desejo comprá-la de ti mediante um preço; tampouco oferecerei ofertas queimadas ao SENHOR meu Deus daquilo que não me custar nada. Assim, Davi comprou a eira e os bois por cinquenta shekels de prata. 

 Davi, no entanto, sabia que todo sacrifício genuíno tinha um preço. Oferecer ao Senhor ofertas queimadas… que não custasse nada teria sido para o rei um sinal da mais profunda ingratidão. À luz disso, cinquenta shekels de prata era provavelmente mais do que um preço justo.

(2 Samuel 24:25)

v. 25 E Davi construiu ali um altar para o SENHOR, e ofereceu ofertas queimadas e ofertas de paz. Assim, o SENHOR foi suplicado em favor da terra, e a praga foi detida de Israel.

Ofertas queimadas significava normalmente a dedicação geral do adorador (Lv 1). Ofertas de paz envolviam uma refeição da qual participavam os sacerdotes e o adorador, e podiam ser oferecidas para expressar gratidão – neste caso, gratidão porque a praga que destruía Israel, embora severa, não chegou a destruir Jerusalém.

2 Samuel 24 estudo.

Sobre o Autor

Olá, me chamo Lázaro Correia, sou Cristão, formado em Teologia e apaixonado pela Bíblia. Aqui no Blog você vai encontrar diversos estudos Bíblicos e muito conteúdo sobre vida Cristã.

    0 Comentários

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *