Josué 24 Estudo: Fidelidade ao Senhor

Advertisement

Neste capítulo de Josué 24 estudo, veremos que Josué se reúne, em Siquém, com os principais de Israel, os quais se apresentaram diante de Deus. Ele, então, relembra o povo de toda sua trajetória, até ali, desde Tera, pai de Abraão, até a conquista de Canaã.

Josué orienta que Israel temesse ao Senhor e se apartasse dos deuses de seus pais e dos deuses do Egito, vindo a adorar somente ao Senhor. O povo renova sua aliança de fidelidade a Deus.

Josué, então, erige uma pedra, a qual seria por testemunha daquele novo pacto. Por fim, Josué falece, aos cento e dez anos e é sepultado nas terras de sua herança. Após, falece, também, Eleazar, o qual é sepultado em Gibeá.

Josué 24 estudo: Contexto histórico

Israel e as demais nações, a seu redor, se encontravam em repouso, há muito tempo e Josué já se encontrava avançado em dias.

Advertisement

Então, Ele orienta que os israelitas pelejassem contra as nações que, ainda, não haviam sido desapossadas, vez que o Senhor estaria com eles e as entregariam em suas mãos.

Por fim, ele chama atenção deles a obediência, vez que, se assim não procedessem e, se se aliançassem com as nações estrangeiras, sofreriam a ira de Deus.



(Josué 24:1) O discurso de Josué

v. 1 E Josué reuniu todas as tribos de Israel em Siquém, e convocou os anciãos de Israel, e os seus cabeças, e os seus juízes, e os seus oficiais; e eles se apresentaram diante de Deus.

Neste capítulo final do livro, Josué celebrou com Israel uma cerimônia de renovação do pacto.

Josué reuniu todas as tribos e seus líderes para comparecerem diante de Deus em Siquém, assim como ele tinha feito no monte Ebal, próximo a Siquém, em Js 8:30-35.

Advertisement

(Josué 24:2) A trajetória de Israel

v. 2 E Josué disse a todo o povo: Assim diz o SENHOR, Deus de Israel: Em tempos antigos, os vossos pais habitaram no outro lado do rio, a saber, Terá, o pai de Abraão, e pai de Naor; e eles serviam a outros deuses.

A resenha de Josué começou introduzindo o Deus soberano que era SENHOR sobre Israel e, assim, capaz de estabelecer um pacto com eles.

(Josué 24:3) A lembrança da promessa

v. 3 E eu tomei o vosso pai Abraão do outro lado do rio, e o guiei através de toda a terra de Canaã, e multipliquei a sua semente, e lhe dei Isaque.



Esta é a seção da recapitulação histórica do pacto. Seu propósito é demonstrar os atos de Deus de proteção e libertação para com Israel no passado e motivar Israel a permanecer fiel a Deus no presente.

Terá, o pai de Abraão, que viveu no outro lado do rio (Eufrates) em Ur e Harã (Gn 11:26-32). Naor, filho de Terá, também viveu em Ur.

Em Gênesis, não se menciona que eles adoraram outros deuses, no entanto, a arqueologia mostra que isso era comum ali.

A história introduz o modo pelo qual Deus libertou Abraão da terra de muitos deuses e o trouxe a Canaã.

Advertisement

(Josué 24:4) Jacó

v. 4 E eu dei a Isaque, Jacó e Esaú, e dei a Esaú o monte Seir, para que o possuísse; porém Jacó e os seus filhos desceram ao Egito.

Já na geração de Jacó e Esaú, Deus estava concedendo terras a pessoas. Assim Ele deu Seir ou Edom a Esaú.

⚠️ Receba Estudos Exclusivos no Whatsapp:

Visto que ainda não era época de Jacó receber sua herança, ele desceu para o Egito, longe da terra que haveria de ser sua (Gn 46:6).

(Josué 24:5) A retirada do Egito

v. 5 Eu também enviei Moisés e Arão, e afligi o Egito, segundo aquilo que fiz no meio deles; e depois vos tirei de lá.

Como Deus tinha tirado Abraão de uma terra pagã (v. 3), assim Ele tirou a nação de Israel do Egito por intermédio de Moisés e Arão e das pragas.

(Josué 24:6-7) O êxodo

v. 6 E retirei os vossos pais do Egito, e vós viestes até o mar; e os egípcios perseguiram os vossos pais com carruagens e cavaleiros até o mar Vermelho.

v. 7 E, quando eles clamaram ao SENHOR, ele colocou escuridão entre vós e os egípcios, e trouxe o mar sobre eles, e os cobriu; e os vossos olhos viram o que eu fiz no Egito; e habitastes no deserto por um longo tempo.

O êxodo foi outro milagre de Deus pelo qual Ele protegeu o Seu povo. Embora se observe que os israelitas habitavam no deserto por um longo tempo, nenhuma menção se faz do pecado deles.

O propósito desta história não era repetir os fracassos de Israel mas ressaltar os êxitos de Deus na preservação da nação a fim de encorajá-los a adorá-Lo.

Advertisement

(Josué 24:8) A vitória sobre os amorreus

v. 8 E eu vos trouxe à terra dos amorreus, os quais habitavam no outro lado do Jordão; e eles lutaram convosco, e eu lhes entreguei na vossa mão, para que pudésseis possuir a terra; e eu os destruí diante de vós.

 As vitórias na Transjordânia contra os amorreus continuam o tema da poderosa libertação de Deus.

(Josué 24:9-10) Balaão

v. 9 Depois, Balaque, o filho de Zipor, rei de Moabe, levantou-se e guerreou contra Israel, e mandou chamar a Balaão, o filho de Beor, para vos amaldiçoar;

v. 10 porém eu não atentei a Balaão; portanto, ele ainda vos abençoou; assim, eu vos livrei da sua mão.

 Balaão foi mencionado em Js 13:22 como um adivinho. Aqui, sua contratação por Balaque, o filho de Zipor, rei de Moabe para amaldiçoar Israel, foi apenas outra oportunidade para Deus libertar o Seu povo.

(Josué 24:20) A advertência

v. 20 Se abandonardes o SENHOR, e servirdes a deuses estranhos, então ele se virará e vos ferirá, e vos consumirá, depois daquilo que tem vos feito de bom.

Se o povo agora escolher a Deus e mais tarde mudar de ideia, Deus os consumirá, assim como eles fizeram aos seus inimigos nas terras em que agora habitavam (Js 2:10).Esta advertência é o mais próximo que o capítulo 24 chega de pronunciar maldições.

Para um vassalo que se sujeitou às obrigações de um tratado e mais tarde o violou, sua atitude era considerada uma traição digna de morte. Aqui, o caso é o mesmo para Israel.

(Josué 24:23) Deuses estranhos

v. 23 Agora, portanto, colocai de lado, disse ele, os deuses estranhos que estão no meio de vós, e inclinai o vosso coração ao SENHOR Deus de Israel.

Josué ordenou aos israelitas: colocai de lado… os deuses estranhos que estão no meio de vós. O povo fez suas promessas, mas o relato não indica se os israelitas se despojaram de seus deuses, diferentemente de seu ante  passado Jacó.

Ele enterrou os deuses em sua propriedade em Siquém, a mesma localidade na qual os seus descendentes agora se encontravam (Gn 35:2-4).

(Josué 24:26-27) Josué erige uma pedra

v. 26 E Josué escreveu estas palavras no livro da lei de Deus, e tomou uma grande pedra, e a ergueu ali debaixo de um carvalho que estava junto ao santuário do SENHOR.

v. 27 E Josué disse a todo o povo: Eis que esta pedra será uma testemunha para nós, pois ela ouviu todas as palavras do SENHOR, as quais ele nos falou; portanto ela será uma testemunha para vós, para que não negueis o vosso Deus.

Josué declarou que este pacto seria escrito no livro da lei de Deus. Isto sugere que o pacto foi preservado no lugar mais sagrado e santo possível. Ele jamais seria  mudado.

A pedra que Josué ergueu, como aquelas na travessia do Jordão (Js 4:1-7), permaneceria como testemunha para as futuras gerações de todas as pessoas que nesse lugar concordavam.

Israel poderia ser tentado a mudar, mas a pedra permaneceria sempre como lembrança à nação de seu compromisso com o único Deus verdadeiro.

(Josué 24:29-30) A morte de Josué

v. 29 E, sucedeu que, depois destas coisas, faleceu Josué, o filho de Num, o servo do SENHOR, tendo cento e dez anos de idade.

v. 30 E o sepultaram no limite da sua herança em Timnate-Sera, que está no monte Efraim, no lado norte do outeiro de Gaás.

Estes versículos são idênticos a Jz 2:9-10, onde a narrativa dos juízes começa como continuação à de Josué e sua geração. Josué é aqui chamado de servo do SENHOR.

Como Moisés, que recebeu este nome somente por ocasião de sua morte, a honra de Josué de recebê-lo indica uma vida de fidelidade (Dt 34:5).

A idade de José ao morrer foi também de 110 anos (Gn 50:22), o que também sugere uma vida de fidelidade.

Como José preservou Israel num tempo de fome, assim também Josué o preservou em meio ao desafio da conquista da terra. Para a herança de Josué e seu local de sepultamento, ver nota em Js 19:49-51.

(Josué 24:31) A obediência de Israel nos dias de Josué

v. 31 E Israel serviu ao SENHOR todos os dias de Josué, e todos os dias dos anciãos que viveram além de Josué, e que haviam conhecido todas as obras do SENHOR, as quais ele tinha feito por Israel.

Apesar de alguma incerteza a respeito do grau de seu compromisso (v. 23), Israel permaneceu fiel a Deus durante todos os dias de Josué, e todos os dias dos anciãos que tinham experimentado os milagres e a direção de Deus. A geração seguinte seria diferente como Jz 2:10-13 o atesta.

(Josué 24:32) Os ossos de José

v. 32 E os ossos de José, os quais os filhos de Israel trouxeram do Egito, eles sepultaram em Siquém, em um pedaço de terra que Jacó adquiriu dos filhos de Hamor, o pai de Siquém, por cem peças de prata; e ele se tornou herança dos filhos de José.

A menção de José, já sugerido na idade de Josué ao morrer aos 110 anos (v. 29), é aqui associada aos seus ossos (Gn 50:24-26) e à compra do local de sepultamento (Gn 33:18-20). Isto liga a geração que deixou a terra prometida àquela que retornou e ali se estabeleceu.

(Josué 24:33) A morte de Eleazar

v. 33 E faleceu Eleazar, o filho de Arão; e o sepultaram em um outeiro que pertencia a Fineias, o seu filho, o qual lhe foi dado no monte Efraim.

Tanto Eleazar, filho de Arão como Fineias, o seu filho tinham ajudado na divisão da terra (Js 14:1). Eleazar representava a liderança religiosa do sacerdócio. Ele era da geração de Josué.

Fineias representava a geração seguinte (ele apareceria em seguida em Jz 20:28 em um contexto muito diferente).

Diferentemente de Josué, cuja família não é mencionada e que não teve sucessor na liderança, a linha sacerdotal haveria de continuar. Ela permaneceria como testemunho de Deus para o Seu povo, os israelitas.

Conclusão

Neste momento, vemos Josué relembrando os israelitas de toda sua trajetória. Ele traz a memória que seus antepassados adoravam a deuses estranhos, mencionando Tera, pai de Abraão, o qual habitou dalém do Eufrates. Com mão poderosa e misericordiosa, Deus, então, elege Abraão para dar início a Seu plano redentor.

Após, vemos Josué conclamando o povo a renovar sua aliança com Deus, os advertindo a lançarem fora os falsos deuses, aos quais serviam os pais deles.

Ele ainda os chama a escolher a quem servir, naquele momento, sendo que Israel faz o compromisso de servir ao Senhor.

Neste momento, chama atenção que, mesmo um povo eleito, pelo próprio Deus, para ser bem-aventurado, para ser propriedade exclusiva, é chamado a escolher.

Fica claro que o Criador não tem a intenção de obrigar ninguém, mesmo seus eleitos, a o servirem. Esse ato deve ser uma livre disposição do coração. Contudo, Ele os adverte que, a escolha por Ele está atrelada a obediência.

As escrituras ensinam que o Senhor não divide Sua glória com falsos deuses (Isaias 42:8). No novo testamento, vemos que Jesus, ao falar sobre o amor ao dinheiro, como se um deus fosse, ele ensina que é impossível adorar a dois senhores, vez que, certamente, se amará a um mais que ao outro (Mateus 6:24).

Nota-se que ele usa o termo “impossível”, para tratar sobre o assunto. Portanto, se alguém pensa estar servindo a Deus, enquanto ama outro “senhor”, está se engando.

Importante observar que, o falso senhor, tratado, aqui, não se trata de imagens de escultura, mas de dinheiro, ou seja, daquilo em que colocamos nossa confiança, daquilo que nos governa.

Josué 24 estudo.

Sobre o Autor

Olá, me chamo Lázaro Correia, sou Cristão, formado em Teologia e apaixonado pela Bíblia. Aqui no Blog você vai encontrar diversos estudos Bíblicos e muito conteúdo sobre vida Cristã.

    0 Comentários

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *