Mateus 25 Estudo: A Parábola das Virgens

Em Mateus 25 estudo, é retratada uma parábola das dez virgens que nos mostra que a qualquer momento o Senhor pode voltar e que devemos estar prontos. Essa parábola retrata também que não devemos nos acomodar, pois o grande dia se aproxima.

Além disso, ressalta que Deus confiou a cada um de nós dons espirituais e talentos para a propagação do evangelho. Dessa forma, devemos utiliza-los com lealdade, sabedoria e dignidade.

Advertisement

E não devemos nunca cair no pensamento de que somos insignificantes ou inúteis, pois cada um de nós tem o nosso valor e não devemos de forma alguma nos comparar!

Mateus 25 Estudo: Contexto histórico

O contexto da época fala de um alerta sobre a separação dos homens bons e ruins, e fala ainda da volta repentina do senhor.

Advertisement

A Parábola das Dez Virgens está posicionada no Evangelho de Mateus logo após o Sermão Escatológico de Jesus.

(Mateus 25:1-5) A semelhança do reino dos céus

v. 1 Então o reino do céu será semelhante a dez virgens que, tomando os seus lampiões, saíram ao encontro do noivo.


Você ler a Bíblia todos os dias mas Não consegue Entender a Mensagem de Deus? Clique Aqui e venha Estudar Teologia Conosco de Maneira Fácil e Descomplicada! 📖


v. 2 E cinco delas eram prudentes, e cinco eram insensatas.

v. 3 As que eram insensatas, tomando os seus lampiões, não levaram azeite consigo.

v. 4 Mas as prudentes levaram azeite em suas vasilhas, com os seus lampiões.

Advertisement

v. 5 E, tardando o noivo, todas elas cochilaram, e dormiram.

Enquanto a parábola anterior advertiu contra o adiamento da preparação para a vinda do Messias, Esta admoesta contra uma preparação que se mostra inadequada para o longa demora que precede a Sua segunda vinda.

(Mateus 25:6-9) O retorno do noivo

v. 6 E à meia-noite houve um grito: Eis que o noivo vem; saí-lhe ao encontro.


Quer Pregar Com Conhecimento Bíblico Profundo, Dominando a Oratória, com boa Dicção, Citando Versículos de Memória, sem Timidez e com total Eloquência?
(Clique Aqui e Sabia Mais)


v. 7 Então todas aquelas virgens se levantaram, e prepararam os seus lampiões.

v. 8 E as insensatas disseram às prudentes: Dai-nos do vosso azeite, porque os nossos lampiões estão se apagando.

v. 9 Mas as prudentes responderam, dizendo: Não, para que não falte a nós e a vós; mas ide antes aos que o vendem, e comprai-o para vós.

Advertisement

A última coisa que as virgens esperavam era que o noivo chegasse à meia-noite. Isto denota a subitaneidade da volta de Jesus (Mt 24:36). O grito anunciando a chegada do noivo é paralelo ao toque da trombeta em Mt 24:31.

(Mateus 25:10-13) A insensatez das virgens

v. 10 E, tendo elas ido comprá-lo, chegou o noivo; e as que estavam preparadas entraram com ele para as bodas, e a porta foi fechada.

v. 11 Depois chegaram também as outras virgens, dizendo: Senhor, Senhor, abre para nós.


⚠️ E-Book Grátis para Pregadores ⚠️:


v. 12 Mas ele, respondendo, disse: Em verdade vos digo, eu não vos conheço.

v. 13 Vigiai, pois, porque não sabeis o dia nem a hora em que o Filho do homem há de vir.

Advertisement

As virgens insensatas representam aqueles que fracassam na perseverança e deixam de esperar pelo retorno de Jesus com vigilância constante. A exclamação Senhor, Senhor é idêntica àquela dos falsos discípulos em Mt 7:21.

Não vos conheço ecoa Mt 7:23 a expressa exclusão do reino do Messias. A parábola não descreve um discípulo verdadeiro que perde a sua salvação, mas um falso discípulo cujo compromisso com Jesus foi deficiente desde o início.

Ao descrever-se como o noivo espiritual, Jesus identifica a Sua divindade. Deus foi muitas vezes, representado como um noivo no antigo testamento (Is 54:4-6), (Ez 16:7-34), (Os 2:19).

(Mateus 25:14-30) O reino dos céus

v. 14 Porque o reino do céu é como um homem que, ao viajar para uma terra distante, chamou os seus próprios servos, e entregou-lhes os seus bens.

Advertisement

v. 15  E a um deu cinco talentos, e a outro dois, e a outro um; a cada homem segundo as suas habilidades; em seguida, foi viajar.

v. 16 Então o que recebera cinco talentos foi e negociou com eles, e fez outros cinco talentos.

v. 17 E da mesma forma, o que recebera dois, ele também ganhou outros dois.


Domine a Arte de Elaborar e Pregar Sermões Expositivos, Temáticos e Textuais, para Ensinar com Profundidade, Clareza e Fidelidade as Escrituras!
(Clique Aqui e Confira)


v. 18 Mas o que recebera um, foi e cavou na terra, e escondeu o dinheiro do seu senhor.
v. 19  Depois de muito tempo veio o senhor daqueles servos, e fez contas com eles.

v. 20 Então, chegando o que recebera cinco talentos, trouxe-lhe outros cinco talentos, dizendo: Senhor, tu me entregaste cinco talentos; eis aqui cinco talentos a mais que eu ganhei.

v. 21  Disse-lhe o seu senhor: Muito bem, servo bom e fiel; foste fiel sobre poucas coisas, eu te farei governante sobre muitas coisas; entra na alegria do teu senhor.

Advertisement

v. 22 E, chegando também o que tinha recebido dois talentos, disse: Senhor, entregaste-me dois talentos; eis que eu ganhei outros dois talentos além desses.

v. 23 Disse-lhe o seu senhor: Muito bem, servo bom e fiel; foste fiel sobre poucas coisas, eu te farei governante sobre muitas coisas; entra na alegria do teu senhor.

v. 24 Então, chegando o que recebera um talento, disse: Senhor, eu soube, que és um homem duro, que colhes onde não semeaste, e ajuntas onde não espalhaste.


A Chave para Interpretar todos os Gêneros e Contextos da Bíblia de modo Simples, porém com muita Profundidade…
(Clique Aqui e Acesse)


v. 25 E receoso, eu fui e escondi na terra o teu talento; eis que aqui está o que é teu.
v. 26 Respondendo o seu senhor, disse-lhe: Servo perverso e preguiçoso, tu sabias que eu colho onde não semeei, e ajunto onde eu não espalhei.

v. 27  Tu deverias portanto ter dado o meu dinheiro aos cambistas, e então, na minha vinda, teria recebido o meu com os juros.

Advertisement

v. 28 Tomai, portanto o talento dele, e dai-o ao que tem os dez talentos.
v. 29 Porque a cada um que tiver será dado, e terá em abundância; mas ao que não tiver, será tomado até o que ele tem.
v. 30 E lançai o servo inútil nas trevas exteriores; ali haverá pranto e ranger de dentes.

O homem em uma longa viagem simboliza Jesus e a prolongada demora que precede Sua segunda vinda.

Os talentos (moedas gregas cujo valor equivalia ao salário referente a 6.000 dias de trabalho) representam os recursos financeiros, os dons, os privilégios, e as oportunidades que Jesus confia a Seus discípulos.

Os servos fiéis (discípulos verdadeiros) usaram os seus dons e recursos de modo responsável e foram generosamente recompensados.

Advertisement

O servo perverso e preguiçoso (um falso discípulo) fracassou em usar os recursos e foi severamente punido.

Ele tentou justificar o seu fracasso atacando o caráter de seu senhor (v. 24).

Contudo, o tratamento dado pelo senhor aos outros servos demonstra que a difamação do servo mau era injusta.

Enquanto Jesus deixava o templo Ele profetizava “Não ficará aqui uma pedra sobre a outra que não seja derrubada”.

Advertisement

Esse momento da profecia de Jesus se cumpriu em 70 a. C., quando o general romando (e, posteriormente, imperador) Tito liderou a destruição de Jerusalém.

(Mateus 25:31-46) As ovelhas do Senhor

v. 31 Quando o Filho do homem vier em sua glória, e todos os santos anjos com ele, então ele se assentará no trono da sua glória.

v. 32 E diante dele serão reunidas todas as nações; e ele separará umas das outras, como o pastor separa suas ovelhas dos bodes.

v. 33 E ele colocará as ovelhas à sua mão direita, mas os bodes à esquerda.

v. 34  Então o Rei dirá aos que estiverem à sua mão direita: Vinde, benditos de meu Pai, herdai o reino que vos está preparado desde a fundação do mundo.

Advertisement

v. 35 Porque eu tive fome, e deste-me de comer; eu tive sede, e deste-me de beber; eu era um estrangeiro, e me acolhestes;

v. 36 despido, e me vestistes; eu estava enfermo e me visitastes; eu estive preso, e fostes até mim.

v. 37 Então os justos lhe responderão, dizendo: Senhor, quando te vimos com fome, e te alimentamos? Ou com sede, e te demos de beber?

v. 38 E quando nós te vimos estrangeiro, e te acolhemos? Ou despido, e te vestimos?

v. 39 E quando te vimos enfermo ou na prisão, e fomos visitar-te?

v. 40 E, respondendo o Rei, lhes dirá: Na verdade eu vos digo que quando fizestes ao menor destes meus irmãos, a mim o fizestes.

v. 41 Então dirá também aos que estiverem à sua esquerda: Apartai-vos de mim, malditos, para dentro do fogo eterno, preparado para o diabo e seus anjos.

v. 42 Porque eu tive fome, e não me destes de comer; eu tive sede, e não me destes de beber;

v. 43 eu era um estrangeiro, e não me acolhestes; despido, e não me vestistes; enfermo e na prisão, e não me visitastes.

v. 44 Então eles também lhe responderão, dizendo: Senhor, quando te vimos com fome, ou com sede, ou um estrangeiro, ou despido, ou enfermo ou na prisão, e não te servimos?

v. 45 Então ele lhes responderá, dizendo: Na verdade eu vos digo que quando não fizestes ao menor destes, não o fizeste a mim.

v. 46 E irão estes para o castigo eterno; mas os justos para a vida eterna.

Esta passagem usa linguagem figurada (pastor… ovelhas… bodes) tirada de Ez 34:17 em Mt 25:32-33, porém o restante é muito literal para ela ser classificada como uma parábola.

A passagem é, assim, melhor recebida como uma descrição do julgamento final.

Os versículos 31 e 34 definem o título Filho do homem como Rei (ver nota em Mt 8:20).

O Rei, Jesus, julgará as pessoas com base na recepção e tratamento que elas dispensaram aos Seus menores irmãos.

À luz de Mt 12:50, as palavras se referem aos seguidores de Jesus que buscam fazer a vontade de Deus.

O tratamento humilde e compassivo dispensado aos seguidores de Jesus necessariamente acompanha a aceitação do evangelho que eles proclamam (Mt 10:40-42).

Quando o fizestes ao menor destes meus irmãos, menores irmãos, a mim o fizestes significa que o tratamento que uma pessoa dispensou aos representantes de Jesus expressa o seu amor e compromisso para com o próprio Jesus.

Aqueles que não mostram qualquer compaixão para com os seguidores de Jesus evidenciam sua falta de dedicação a Ele.

Como em Mt 7:21-23, Jesus se identifica como o Juiz final, um papel que os judeus esperavam que Yahuah desempenhasse.

Conclusão

Portanto, essa passagem nos ensina que devemos nos preparar para a volta do senhor, pois a qualquer momento ele poderá retornar.

Que não devemos nos acomodar, não confiando que temos todo o tempo do mundo, e sim começar hoje mesmo a busca pelos caminhos do Senhor.

Além disso, Jesus descreve e compara o reino dos céus e sua semelhança com as dez virgens, e alerta a todos que não há como saber o dia e hora, mas que o filho há de vir.

Com isso, busquemos ao Senhor hoje mesmo! Sem perca de tempo e sem insensatez.

Mateus 25 estudo.

Sobre o Autor

Olá, me chamo Lázaro Correia, sou Cristão, formado em Teologia e apaixonado pela Bíblia. Aqui no Blog você vai encontrar diversos estudos Bíblicos e muito conteúdo sobre vida Cristã.

    0 Comentários

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *