2 Samuel 2 Estudo: Asael

Advertisement

Neste capítulo de 2 Samuel 2, veremos que Davi consulta ao Senhor para saber se deveria ir até Judá, de modo que lhe foi respondido que sim. Davi deveria seguir até Hebrom.

Ao fazê-lo, o povo o unge rei sobre Judá. Abner, capitão do exército de Saul, no entanto, constituiu a Isbosete, filho de Saul, rei sobre o restante de Israel.

Advertisement

Abner e seus homens saíram ao encontro de Joabe e dos homens de Davi. Estando em frente uns aos outros, num determinado açude, eles iniciam uma peleja.

Abner e os homens de Israel acabaram, porém, derrotados. As escrituras relatam que estavam, naquela batalha, três filhos de Zeruia, sendo Joabe, Abisai e Asael.

Asael possuía muita habilidade em correr, chegando a ser comparado a uma gazela, em razão de sua ligeireza. Após a derrota, ele passou a correr atrás de Abner, de modo que este pediu que ele parasse, contudo Asael insistiu.

Então, Abner se virou e o feriu no abdômen. Então, Joabe e Abisai passou a perseguir a Abner até o pôr do sol.



Abner rogou que eles parassem com a perseguição, de modo que acataram. Por fim, é relatado que eles sepultam a Asael.

2 Samuel 2 estudo: Contexto histórico

O capítulo anterior narrou o momento em que Davi recebe, de uma amalequita, a informação sobre a derrota de Israel e a morte de Saul e Jônatas. Ele e seus homens lamentam e pranteiam pelo ocorrido.

Ao questionar o mensageiro sobre como sabia de tudo que havia informado, ele declara que Saul havia pedido para ele mesmo mata-lo, vez que os filisteus o apertavam.

Davi, então, manda que aquele amalequita fosse morto por ter levantado a mão contra um ungido do Senhor. Por fim, as escrituras expõem o lamento de Davi por Saul e Jônatas.

(2 Samuel 2:1) Davi consulta ao Senhor

v. 1 E sucedeu, depois disso, que Davi consultou o SENHOR, dizendo: Devo eu subir para alguma das cidades de Judá? E o SENHOR lhe disse: Sobe. E Davi disse: Para onde devo subir? E ele disse: Para Hebrom. 

 Davi consultou o SENHOR como fazia frequentemente para determinar a vontade de Deus para sua vida (1Sm 23:2).



Hebrom era a capital de Judá, localizada cerca de 30 quilômetros ao sul de Jerusalém no alto da região montanhosa.

(2 Samuel 2:2) Davi vai até Judá

v. 2 Assim, Davi subiu para lá, junto com as suas duas esposas, Ainoã, a jezreelita, e Abigail, a carmelita, esposa de Nabal. 

Ainoã e Abigail permaneceram com Davi, uma vez que Saul tinha dado Mical, a primeira esposa de Davi, a outro homem (1Sm 25:44).

(2 Samuel 2:3) Os homens de Davi

v. 3 E os seus homens que estavam com ele Davi fez subir, cada qual com a sua casa; e eles habitaram nas cidades de Hebrom. 

 Os homens que estavam com Davi tinham vindo de muitos lugares (1Sm 22:2), entretanto, a maior parte deles era de Judá.

O fato de eles se estabelecerem nas cidades de Hebrom significava que Davi teria muitos cidadãos leais por perto.


⚠️ Receba Estudos Exclusivos no Whatsapp:


(2 Samuel 2:4) Davi é ungido rei de Judá

v. 4 E os homens de Judá vieram, e ali ungiram Davi rei sobre a casa de Judá. E eles contaram a Davi, dizendo: Os homens de Jabes-Gileade foram aqueles que sepultaram Saul.

 Os homens de Judá reconheceram a mão de Deus sobre Davi Ungiram rei sobre a casa deJudá, isto é sobre sua própria tribo apenas, Nessa ocasião, Davi ouviu que os homens de Jabes-Gileade sepultaram Saul.

(2 Samuel 2:5-6) Jabes-Gileade

v. 5 E Davi enviou mensageiros até os homens de Jabes-Gileade, e disse-lhes: Benditos sejais vós do SENHOR, porque mostrastes esta bondade para com o vosso senhor, e até mesmo a Saul, tendo-o sepultado. 

v. 6 E, agora, mostre o SENHOR bondade e verdade para convosco; e eu também retribuirei a vós esta bondade, porque vós fizestes isto.

Davi manifestou aos cidadãos de Jabes-Gileade (v.4) que eles tinham feito bem com o seu ato de bondade… a Saul.

Davi queria que eles soubessem que ele não considerava a lealdade deles ao antigo rei como deslealdade adreide Judá.

(2 Samuel 2:7) A mensagem de Davi

v. 7 Portanto, agora, que sejam fortalecidas as vossas mãos e que vós sejais valentes; porque o vosso mestre Saul está morto, e também a casa de Judá me ungiu rei sobre eles. 

 Davi provavelmente queria estar certo de que as pessoas fora de Judá ouvissem que ele agora era rei sobre sua própria tribo.

Talvez eles concluísse, então, que o próximo passo lógico seria ungi-lo rei sobre todo o Israel.

(2 Samuel 2:8) Isbosete é constituído rei de Israel

v. 8 Todavia, Abner, o filho de Ner, capitão do exército de Saul, tomou Isbosete, o filho de Saul, e o trouxe até Maanaim;

 Abner, parente e general de Saul, sobreviveu à batalha de Gilboa. Isbosete, o filho de Saul era provavelmente o filho mais velho vivo (1Sm 31:2).

A localização exata de Maanaim ainda é incerta, entretanto, Js 21:38 a designa como uma cidade levítica a leste do rio Jordão (Gn 32:2).

(2 Samuel 2:9) O reino de Isbosete

v. 9 e fê-lo rei sobre Gileade, e sobre os assuritas, e sobre Jezreel, e sobre Efraim, e sobre Benjamim, e sobre todo o Israel. 

 Gileade designa a região norte central da Transjordânia. O território dos assuritas ficava junto à costa noroeste do Mediterrâneo. Jezreel provavelmente denota o vale em vez da própria cidade.

Efraim e Benjamim estavam localizadas ao centro com Efraim numa área acima de Benjamim, esta última também é conhecida como a tribo de Saul (1Sm 9:1). Todo o Israel significa tudo com exceção de Judá à luz do versículo 4.

(2 Samuel 2:10) Isbosete reinou por dois anos

v. 10 Isbosete, o filho de Saul, tinha quarenta anos de idade quando começou a reinar sobre Israel, e reinou por dois anos. A casa de Judá, no entanto, seguiu Davi.

Os dois anos de reinado de Isbosete provê uma alusão à extensão do período de transição entre a morte de Saul e a ascensão de Davi como monarca sobre todo o Israel.

(2 Samuel 2:11) Davi reinou sobre Judá sete anos

v. 11 E o tempo que Davi foi rei em Hebrom, sobre a casa de Judá, foi sete anos e seis meses. 

Após sete anos e seis meses, Davi transferiria sua capital para Jerusalém, onde reinaria por 33 anos (2Sm 5:5).

(2 Samuel 2:12) Gibeão

v. 12 E saiu Abner, o filho de Ner, e os servos de Isbosete, o filho de Saul, de Maanaim para Gibeão. 

 Gibeão ficava no território de Benjamim, cerca de 37 quilômetros ao norte de Hebrom.

(2 Samuel 2:13) Joabe

v. 13 E Joabe, o filho de Zeruia, e os servos de Davi, saíram e se reuniram junto ao tanque de Gibeão; e eles se assentaram, um de um lado do tanque, e o outro do outro lado do tanque. 

 Joabe, o general de Davi, quis manter o exército de Isbosete fora dos limites de Judá. O tanque de Gibeão provavelmente denota um grande reservatório junto à fonte do lado de fora da cidade.

(2 Samuel 2:14) O conflito

v. 14 E Abner disse a Joabe: Que se levantem os moços agora e joguem diante de nós. E Joabe disse: Que se levantem. 

 O propósito da competição mortal entre os 24 representantes desses dois exércitos é incerto. Alguns têm sugerido um tipo de combate representativo como no relato de Davi e Golias (1Sm 17:8-10); outros intérpretes acreditam que era para dar ao Senhor uma forma de mostrar o exército que Ele favorecia.

(2 Samuel 2:16) Uma morte sincronizada

v. 16 E eles apanharam, cada um, o seu companheiro pela cabeça, e lançaram a sua espada na lateral do seu companheiro; de forma que eles caíram juntos; pelo que aquele lugar foi chamado de Helcate-Hazurim, o qual está em Gibeão.

A aparente morte sincronizada de todos os 24 soldados imediatamente elevou a tensão entre os exércitos e prenunciou o alto custo que a guerra civil exigiria da população israelita.

(2 Samuel 2:17) Uma batalha intensa

v. 17 E houve uma batalha muito intensa naquele dia; e Abner foi ferido, e também os homens de Israel, diante dos servos de Davi. 

 A batalha mencionada neste versículo aparentemente começou imediatamente após o empate da disputa nos versículos 14-16.

(2 Samuel 2:18) Os filhos de Zeruia

v. 18 E havia três filhos de Zeruia lá: Joabe, Abisai e Asael; e Asael era tão leve de pés quanto um cabrito selvagem. 

Zeruia era irmã de Davi (1Cr 2:16), portanto, Joabe, Abisai e Asael eram sobrinhos do rei de Judá e serviam em seu exército.

(2 Samuel 2:19) Asael

v. 19 E Asael perseguiu Abner; e ao ir ele não se desviava nem para a direita, nem para a esquerda de seguir Abner. 

Asael perseguiu Abner porque viu uma oportunidade de abater o líder das forças de oposição. Ambos os homens pareciam estar à pé.

(2 Samuel 2:21) O pedido de Abner

v. 21 E Abner lhe disse: Desvia-te para a tua direita ou para a tua esquerda, e agarra-te a um dos moços, e toma a sua armadura. Contudo, Asael não desejava se desviar de segui-lo. 

Abner esperou deter Asael com a possibilidade de Asael obter um despojo fácil de um dos moços de menor habilidade a quem ele pudesse matar mais facilmente.

(2 Samuel 2:22) Abner propõe trégua a Asael

v. 22 E Abner disse novamente a Asael: Desvia-te de seguir-me: Por que eu deveria te ferir ao chão? Como, então, levantaria a minha face diante de Joabe, teu irmão?

As palavras de Abner: Desvia-te de seguir-me, sugerem que Asael estava alcançando Abner na corrida. Abner provavelmente estava melhor armado e era mais experiente em combate do que Asael.

(2 Samuel 2:23) Abner mata a Asael

v. 23 Todavia ele se recusou a desviar-se; pelo que Abner, com a extremidade posterior da lança, o feriu debaixo da quinta costela, de modo que a lança saiu por trás dele; e ele caiu ali, e morreu no mesmo lugar; e sucedeu que tantos quantos chegavam ao local onde Asael caiu e morreu ficavam imóveis. 

 A extremidade posterior da lança pode referir-se ao outro extremo da lança, já que ela poderia ter sido apontada para ser cravada no chão (1Sm 26:7). Ou Abner pode ter virado a lança e com ela atingido Asael que vinha logo atrás.

(2 Samuel 2:24) Joabe e Abisai perseguem Abner

v. 24 Também Joabe e Abisai perseguiram Abner; e o sol se pôs quando eles já tinham chegado ao outeiro de Amá, que está diante de Giá, junto ao caminho do deserto de Gibeão. 

O outeiro de Amá é um local ainda desconhecido a leste de Gibeão.

(2 Samuel 2:25) O outeiro

v. 25 E os filhos de Benjamim se reuniram após Abner, e se tornaram uma tropa, e se puseram no cume de um outeiro. 

 O cume de um outeiro era mais facilmente defendido.

(2 Samuel 2:26) Abner propõe trégua a Joabe

v. 26 A seguir, Abner chamou Joabe, e disse: Devorará a espada para sempre? Não sabes tu que haverá amargura no fim derradeiro? Quanto tempo haverá, então, antes de ordenares ao povo que retorne da perseguição aos seus irmãos?

 As perguntas de Abner para Joabe o desafiavam a considerar o alto preço de uma guerra civil. Durante os dias dos juízes, uma outra guerra desse tipo quase resultou no extermínio da tribo de Benjamim (Jz 20:46-21:3).

(2 Samuel 2:28) A trombeta

v. 28 Assim, Joabe soprou uma trombeta e todo o povo ficou imóvel, e não mais perseguiu Israel, tampouco continuaram a lutar com eles.

 O toque da trombeta era um sinal para reunir os soldados – neste caso, para cessar o combate (2Sm 18:16).

(2 Samuel 2:29) Abner se retira

v. 29 E Abner e os seus homens caminharam aquela noite toda pela planície, e atravessaram o Jordão, e seguiram por todo o Bitrom, e chegaram a Maanaim. 

 Abner e seus homens se retiraram, então, atravessando o rio Jordão, seguiram na direção norte uns 48 quilômetros e aos metros até Maanaim (v. 8).

(2 Samuel 2:30-31) A contagem dos soldados

v. 30 E Joabe retornou da perseguição a Abner; e quando ele havia reunido todo o povo, dos servos de Davi faltavam dezenove homens e Asael. 

v. 31 Os servos de Davi, porém, haviam ferido homens de Benjamim e de Abner, de forma que morreram trezentos e sessenta homens. 

 As diferenças quantitativas no número de soldados mortos (dezenove homens… de Davi… trezentos e sessenta …homens de Benjamim e de Abner) revelam a esmagadora vitória alcançada pelas forças de Davi e sugerem a bondade de Deus para com ele.

(2 Samuel 2:32) O sepultamento de Asael

v. 32 E levantaram Asael, e o sepultaram no sepulcro do seu pai, o qual ficava em Belém. E Joabe e os seus homens seguiram a noite toda, e chegaram a Hebrom no romper do dia. 

 Belém ficava a aproximadamente 16 quilômetros ao sul do local da batalha. Dali a Hebrom eram mais de 22 quilômetros ao longo da estrada.

Conclusão

O texto bíblico relata que Joabe e Abner escolheram vinte e quatro bons guerreiros para que, dentro das regras das batalhas, daquela época, representassem cada lado em um combate. O que se esperava era que apenas um lado vencesse, vez que estariam evitando uma luta sangrenta.

O resultado foi que, em decorrência do enorme equilíbrio entre as forças daqueles jovens, eles acabaram matando uns aos outros. Após isso, houve uma dura peleja entre os exércitos.

Pelo que podemos extrair do texto, Abner não desejava o conflito com a família de Joabe, tampouco matar a Asael.

Entende-se que, quando o jovem passa a persegui-lo, ele tenta adverti-lo e pará-lo, porém, a extremidade inferior de sua lança era afiada e ele acaba atingindo Asael, que estava correndo, o que acabou o matando.

Adiante, veremos que este ato infeliz acabou gerando um triste desfecho. Mesmo Abner se aliando a Davi, Joabe, de modo traiçoeiro, acabará o matando, em vingança pelo que fez a Asael.

Contudo, Davi, acabará encarregando seu filho Salomão de vingar esta atitude maligna de Joabe, o que nos traz a lição de que, tudo que fazemos, a nossa própria maneira, trará tristes consequências.

Por mais legítima que pareça, a vingança não pertence ao homem, vez que sua justiça é falha! Devemos confiar que Deus agirá a nosso favor e julgará os atos de todos, retribuindo a cada um conforme Sua verdadeira justiça.

2 Samuel 2 estudo.

Sobre o Autor

Olá, me chamo Lázaro Correia, sou Cristão, formado em Teologia e apaixonado pela Bíblia. Aqui no Blog você vai encontrar diversos estudos Bíblicos e muito conteúdo sobre vida Cristã.

    0 Comentários

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *