Salmo 71 Estudo: Torne sua vida uma expressão de adoração ao Criador

O Salmo 71 estudo trata de mais uma oração de Davi, realizada dessa vez perto do final da sua jornada na terra dos viventes.

Assim como em outros momentos, o salmista clama pelo socorro divino diante das adversidades, neste caso, provocadas pelos perseguidores do rei.

Advertisement

A confiança dele prosseguiu inabalável mesmo na sua velhice e na situação complexa na qual ele estava.

Isso porque, ainda que acontecimentos inexplicáveis ou pesados demais viessem à tona na vida de Davi, nada mudava sua convicção no cuidado divino.

Dessa forma, mesmo nesses momentos, ele expressava um anseio muito grande pela adoração ao Senhor.

Advertisement

Inclusive, pedindo forças para influenciar outros a fazerem o mesmo, como pode-se ver neste Salmo. Confira!

Salmo 71 estudo: Contexto histórico

O contexto do Salmo 71 acontece no período da velhice do rei Davi, porém, não se sabe ao certo qual foi a situação que o motivou a realizar tal oração.

Provavelmente, foi quando Absalão, filho do rei, tramou um plano para usurpar o trono de Israel e o fez depois de ser proclamado rei em Hebrom, isto é, um dos territórios de Israel.

Nesse sentido, com receio de enfrentar seu próprio sangue em uma guerra, Davi teria fugido da cidade de Jerusalém com os seus homens de confiança para lidar com essa situação de um modo mais assertivo.

(Salmo 71:1-3) Deus é refúgio

v. 1 Em ti, ó SENHOR, eu ponho a minha confiança; que eu nunca seja confundido.

Advertisement

v. 2 Livra-me na tua justiça, e faze-me escapar; inclina o teu ouvido para mim, e salva-me.

v. 3 Sê tu a minha forte habitação, à qual eu possa continuamente recorrer; tu deste o comando para me salvar, pois tu és a minha rocha e a minha fortaleza.

Forte habitação, rocha e fortaleza transmitem a ideia da proteção de Deus (ver notas em Sl 18:1-2 e Sl 31:1-4).

(Salmo 71:4-6) O livramento e cuidado do Senhor

v. 4 Livra-me, ó Deus, da mão do perverso, da mão do injusto e do homem cruel.

v. 5 Pois tu és a minha esperança, ó Senhor DEUS, tu és a minha confiança desde a minha juventude.

Advertisement

v. 6 Por ti eu tenho sido sustentado desde do útero; tu és aquele que me tiraste das entranhas da minha mãe; meu louvor será continuamente teu.

A combinação de juventude… útero e entranhas da minha mãe mostra que o salmista tinha sido fiel ao Criador durante toda a sua vida.

Todo o dia… mais e mais, note também os v. 8 e 14.

(Salmo 71:7) A essência da relevância de Davi era o Senhor

v. 7 Sou como um prodígio para muitos, mas tu és o meu forte refúgio.

Prodígio (heb. mapheth) se refere a uma manifestação extraordinária do poder divino a fim de aterrorizar inimigos (Êx 7:3), (Êx 11:9), (Dt 6:22) ou a um sinal extraordinário que aponta para um evento futuro (1Rs 13:3), (Is 20:3).

Aqui parece que o salmista está dando provas de sofrimento, as quais muitos consideram algum tipo de advertência.

A expressão é semelhante a “sou um temor para meus conhecidos” em Sl 31:11.

(Salmo 71:8-9) Adoração perpétua

v. 8 Que a minha boca se encha com o teu louvor e com a tua honra todo o dia.

Advertisement

v. 9 Não me lances fora no tempo da velhice; não me abandones quando desfalecer a minha força.

Abandones (Heb. shlk) é uma palavra comum para “jogar” e “lançar”. Neste contexto, ela diz respeito a Deus abandonar o salmista (Sl 51:11), talvez por este ter perdido sua força. Perceba também no v. 12.

(Salmo 71:10-11) O engano dos inimigos

v. 10 Porque os meus inimigos falam contra mim, e aqueles que ficam à espreita pela minha alma aconselham-se juntos; 

v. 11 Dizendo: Deus o abandonou. Persegui-o e tomai-o, pois não  ninguém que o livre.

Os inimigos do salmista supunham que Deus não estava mais prestando atenção nele (Jó 19:13-21).

Não há ninguém que o livre lembra ttextos semelhantes que fazem uso da figura de animais selvagens devorando suas presas (Sl 7:2), (Sl 50:22).

(Salmo 71:12-13) O apelo à justiça divina

v. 12 Ó Deus, não fiques longe de mim; ó meu Deus, apressa-te ao meu socorro.

Advertisement

v. 13 Que sejam confundidos e consumidos aqueles que são adversários da minha alma; sejam encobertos com vergonha e desonra aqueles que buscam me ferir.

Sobre orações pedindo a desgraça de inimigos, ver notas em Sl 35:26 e Sl 40:14-15.

(Salmo 71:14-16) A esperança proativa

v. 14 Mas eu esperarei continuamente, e te louvarei mais e mais.

v. 15 Minha boca mostrará a tua justiça e a tua salvação todo o dia, pois eu não conheço os seus números.

v. 16 Irei na força do Senhor DEUS; farei menção da tua justiça, somente da tua.

Advertisement

É muito comum justiça e salvação estarem pareadas em testemunhos dos feitos poderosos de Deus em favor de Seu povo.

O louvor público é obrigação de quem experimentou livramento da parte do Criador (ver nota em Sl 22:22-24).

(Salmo 71:17-18) A renovação de forças mesmo na velhice

v. 17 Ó Deus, tu me ensinaste desde a minha juventude; e até agora eu declarei as tuas maravilhosas obras.

v. 18 Agora também, quando estou velho e grisalho, ó Deus, não me abandones; até que eu tenha mostrado a tua força a esta geração, e o teu poder a cada um que vier.

A instrução do Criador na vida do salmista é transmitida a outras gerações. Isso fazia parte de seu voto ao Criador por libertá-lo do sofrimento.

(Salmo 71:19) Ninguém é como o Senhor Deus

v. 19 Tua justiça também, ó Deus, é muito alta, que fizeste grandes coisas; ó Deus, quem é como tu?

É muito alta significa “além de que se pode compreender” (Sl 36:5), (Sl 57:10).

Advertisement

(Salmo 71:20) Os sofrimentos constantes na vida do salmista

v. 20 Tu que me mostraste grandes e dolorosas tribulações, deixa-me viver novamente, e das profundezas da terra me tornarás a trazer.

Sobre profundezas da terra, ver nota em Sl 63:9. O salmista foi tirado da beira da morte.

(Salmo 71:21-24) O louvor pela bondade de Deus

v. 21 Tu aumentarás a minha grandeza, e me consolarás por todo lado.

v. 22 Eu também te louvarei com saltério, tua verdade, ó meu Deus; a ti eu cantarei com a harpa, ó tu Santo de Israel.

v. 23 Meus lábios se regozijarão grandemente quando eu cantar a ti; e a minha alma, à qual tu remiste.

v. 24 Minha língua também falará da tua justiça por todo o dia; pois eles são confundidos, são trazidos à vergonha, aqueles que buscam me ferir.

Santo de Israel é o título preferido do livro de Isaías para o Criador. Aqui este título liga o salmista, que está sofrendo, com a nação de Israel e com as promessas do pacto do Criador.

Conclusão

Por fim, o Salmo 71 estudo retrata muito bem a importância de confiarmos no Senhor, principalmente nas dificuldades.

A nossa fé não pode ser condicional, isto é, dependente do que acontece externamente.

Pelo contrário, é justamente os momentos adversos que confirmam se cremos de fato em Deus ou se não o fazemos.

Uma coisa era certa no coração de Davi: “o Senhor está comigo e me fará vencer mais essa provação”.

Do mesmo modo, devemos puxar nossa mente para um estado de confiança em Deus.

Expressar adoração ao Criador com a nossa postura, lembrando das grandezas das suas obras e tudo o que te traz esperança.

Porque assim, apesar das dores e sofrimentos atuais, você criará uma realidade paralela na sua cabeça com o uso da fé, a qual fará você seguir em frente e em breve celebrar com gritos de alegria mais um livramento de Deus.

Salmo 71 estudo.
Advertisement

Sobre o Autor

Olá, me chamo Lázaro Correia, sou Cristão, formado em Teologia e apaixonado pela Bíblia. Aqui no Blog você vai encontrar diversos estudos Bíblicos e muito conteúdo sobre vida Cristã.

    0 Comentários

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    Nosso site utiliza cookies para melhorar sua experiência na navegação. Mais informações.