Lucas 23 Estudo: A Via Dolorosa

Neste capítulo de Lucas 23 estudo, veremos O Salvador será julgado perante Pôncio Pilatos e Herodes Antipas. Esses homens não achavam que o Salvador fosse culpado dos crimes de que os judeus o acusavam, mas Pilatos o entregará para ser crucificado.

Jesus perdoará os soldados romanos que o crucificarão e falará com um ladrão, que também estava sendo crucificado. Após a morte de Jesus, José de Arimateia colocará seu corpo em uma tumba.

Advertisement

Lucas 23 estudo: Contexto histórico

No último capítulo, vimos que muitos questionam a autoridade e que os religiosos o fazem de forma muito mais enérgica.

Eles procuram de qualquer modo o incriminar, até o através de espionagem. Jesus lhes conta uma parábola sobre o senhor de uma vinha, e os lavradores maus, seus servos e seu filho, e que fará justiça.

Advertisement

Indagado sobre os tributos e impostos, Ele mostra toda sua sabedoria calando seus questionadores. Ele é o mestre dos mestres.

(Lucas 23:1) Pilatos

v. 1 E, levantando-se toda a multidão deles, levaram-no a Pilatos.


⚠️ Cursos Bíblicos Recomendados (Com Desconto Especial):


Sobre Pôncio Pilatos, ver nota em Lc 3:1. Normalmente Pilatos ficava em Cesareia Marítima, mas durante as festas judaicas ele ia a Jerusalém para ficar de olho nas coisas.

Como Jesus foi crucificado junto com dois criminosos (v. 32-33), sentença que só poderia ser dada pelos romanos, parece que antes mesmo do veredito de Jesus algumas execuções já tinham sido agendadas.

Portanto, Pilatos foi a Jerusalém com a intenção de executar criminosos, mas saiu dela executando um homem inocente.

Advertisement

(Lucas 23:2-4) As acusações contra Jesus

v. 2 E eles começaram a acusá-lo, dizendo: Encontramos este indivíduo pervertendo a nação, proibindo dar o tributo a César, e dizendo ser ele mesmo Cristo, um rei.

v. 3 E Pilatos perguntou-lhe, dizendo: És tu o REI DOS JUDEUS? E ele, respondendo, disse-lhe: Tu o dizes.

v. 4 Então, disse Pilatos aos principais sacerdotes e à multidão: Eu não acho culpa alguma neste homem.


⚠️ Grupo VIP de Estudos no WhatsApp:


As três acusações que os judeus trouxeram contra Jesus na presença de Pilatos eram forjadas. É verdade que grandes multidões se aglomeravam para ouvir Jesus falar, mas Seus ensinamentos não tinham o objetivo de “subverter” Israel.

A alegação de que Ele proíbe dar o tributo a César era uma mentira descarada (ver nota em Lc 20:22-26).

Mesmo sendo o Cristo, Jesus teve o cuidado de não aparentar querer derrubar o império romano ou subir ao trono como Rei de Israel.

Advertisement

Sem dúvida Pilatos já havia ouvido falar de Jesus, e logo entendeu por que o Sinédrio estava com tanta pressa de julgá-Lo.

(Lucas 23:5-7) Pilatos manda Jesus para Herodes

v. 5 E eles, ainda mais violentos, disseram: Ele agita o povo ensinando por toda a Judeia, começando pela Galileia até este lugar.

v. 6 Quando Pilatos ouviu falar da Galileia, ele perguntou se aquele homem era um galileu.

v. 7 E, assim que soube que ele pertencia a jurisdição de Herodes, ele enviou-o a Herodes, que também estava em Jerusalém naqueles dias.

Ao ouvir que Jesus era da Galileia, Pilatos encontrou uma maneira conveniente de se escusar da “caça” do Sinédrio.

Advertisement

Ele transferiu Jesus para Sua própria jurisdição, a de Herodes Antipas, governador da Galileia (ver nota em Lc 3:1).

Assim como Pilatos, Herodes também estava em Jerusalém para a festa da Páscoa e dos pães ázimo.

(Lucas 23:8-11) Herodes

v. 8 E Herodes, quando viu a Jesus, alegrou-se muito; porque ele desejava vê-lo há muito tempo, por ter ouvido muitas coisas dele; e esperava ver algum milagre feito por ele.

v. 9 Então, o interrogava com muitas palavras, mas ele nada lhe respondia.

v. 10 E os principais sacerdotes e os escribas estavam ali, e o acusavam com veemência.

Advertisement

v. 11 E Herodes, com os seus homens de guerra, desprezou-o, e, escarnecendo dele, vestiu-o de uma roupa deslumbrante, e enviou-o novamente a Pilatos.

Algum tempo atras, Herodes Antipas estava ansioso para ver Jesus (Lc 9:7-9) e os fariseus disseram a Jesus que ele queria matá-Lo (Lc 13:31).

O silêncio de Jesus diante de Herodes talvez tenha sido para cumprir a profecia de Is 53:7-8.

Apesar das graves acusações do Sinédrio, Herodes Antipas simplesmente se divertiu às custas de Jesus e o mandou novamente a Pilatos para o veredito final.

Herodes vestiu Jesus com uma roupa deslumbrante para ridicularizá-Lo como falso rei e irritar o Sinédrio, que havia acusado Jesus de alegar ser rei (ver nota em v. 2-4).

(Lucas 23:12-15) Pilatos e Herodes se reconciliam

v. 12 E, no mesmo dia, Pilatos e Herodes se tornaram amigos; porque antes tinham uma inimizade entre eles.

Advertisement

v. 13 E Pilatos chamando os principais sacerdotes e governantes do povo,

v. 14 disse-lhes: Trouxeram-me este homem como pervertedor do povo; e eis que, examinando-o perante vós, não achei neste homem nenhuma culpa daquilo que o acusam,

v. 15 mas nem Herodes; pois eu lho enviei novamente, por causa de vós, e nada digno de morte foi cometido por ele.

 Herodes Antipas e Pôncio Pilatos ficaram amigos porque ambos deram o mesmo parecer sobre Jesus: não havia não achei neste homem nenhuma culpa (v. 14-15).

Ao que parece, eles também partilhavam a mesma opinião desfavorável acerca do Sinédrio judaico, que estava atrás de uma sentença de morte para Jesus.

Advertisement

(Lucas 23:16-19) A multidão escolhe Barrabás

v. 16 Portanto, castigá-lo-ei e o soltarei.

v. 17 (Porque era-lhe necessário soltar-lhes um por ocasião da festa).

v. 18 E gritavam todos juntos, dizendo: Fora daqui com este homem, e solta-nos Barrabás;

v. 19 (que fora lançado na prisão por causa de uma rebelião feita na cidade, e de um assassinato).

 Para aplacar o Sinédrio, Pilatos se dispôs a açoitar severamente Jesus e libertá-lo. Era seu costume libertar um prisioneiro em comemoração à Páscoa (Jo 18:39).

Advertisement

Em vez de Jesus, no entanto, a multidão exigiu que fosse libertado um criminoso perigoso, de nome Barrabás.

(Lucas 23:20-25) Crucifica-o

v. 20 Novamente, pois, Pilatos falou, querendo soltar a Jesus.

v. 21 Mas eles gritavam, dizendo: Crucifica-o! Crucifica-o!

v. 22 E ele lhes disse pela terceira vez: Por que, que mal ele fez? Não achei nele culpa de morte. Portanto, castigá-lo-ei e o soltarei.

v. 23 E eles insistiam em alta voz, requerendo para que ele pudesse ser crucificado. E as suas vozes e as dos principais sacerdotes prevaleceram.

Advertisement

v. 24 E Pilatos deu sentença, que deveria ser como eles exigiam.

v. 25 E soltou-lhes o que fora lançado na prisão por uma rebelião e assassinato, que era o que eles desejavam; mas entregou Jesus à vontade deles.

 Não encontrando justificativa para pena de morte, Pilatos tentou libertar Jesus mais duas vezes. Contudo, sua voz foi continuamente abafada por um coro de crucifica-o!

Então, cedendo à exigência da multidão, Pilatos libertou Barrabás e entregou Jesus para ser executado.

(Lucas 23:26) Um homem o ajuda e levar a cruz

v. 26 E, enquanto o conduziam, eles pegaram um certo Simão, cireneu, que vinha do campo, e colocaram nele a cruz, para que ele pudesse carregá-la após Jesus.

Simão de Cirene estava fora de Jerusalém e vinha do campo todos os dias da festa dos pães ázimo, a fim de adorar.

Após ter sido açoitado, Jesus não estava mais em condições de carregar a cruz (Lc 22:63), então a puseram nas costas de Simão.

É possível que Simão fizesse parte da sinagoga dos judeus de Cirene, mencionada em At 6:9. Marcos 15:21 cita os nomes dos filhos de Simão (talvez Rm 16:13 se refira a um deles).

(Lucas 23:27-31) Filhas de Jerusalém

v. 27 E seguia-o uma grande multidão de povo e de mulheres, que também pranteavam e lamentavam por ele. 

v. 28 Mas Jesus, voltando-se para elas, disse: Filhas de Jerusalém, não choreis por mim; mas chorai por vós mesmas e por vossos filhos.

v. 29 Porque eis que virão dias em que dirão: Abençoadas são as estéreis, e os ventres que nunca geraram, e os peitos que nunca amamentaram.

v. 30 Então, eles começarão dizer para os montes: Caiam sobre nós; e aos outeiros: Cubram-nos.

v. 31 Pois se eles fazem estas coisas em uma árvore verde, o que se fará na seca?

Jesus disse às multidões que se lamentavam por causa de Sua crucificação injusta que elas deveriam chorar por suas próprias famílias, por causa da futura destruição de Jerusalém.

Em tempos terríveis como esse, seria melhor nem ter filhos. Em seguida, Jesus citou Os 10:8, onde é dito que as pessoas pedirão às colinas que as escondam do massacre da guerra.

A declaração proverbial do v. 31 quer dizer que se as coisas estão tão mal para um homem inocente em tempos de paz (com a árvore verde), quanto mais em tempos de guerra para aqueles que merecem o juízo (o que se fará no seco).

(Lucas 23:32-33) Os dois malfeitores

v. 32 E havia também outros dois, que eram malfeitores, sendo conduzidos com ele para serem mortos.

v. 33 E, quando eles chegaram ao lugar que é chamado Calvário, ali o crucificaram, e aos malfeitores, um à direita, e outro à esquerda.

O fato de Jesus ter sido executado entre dois… malfeitores cumpriu a profecia de Is 53:12, bem como as palavras do próprio Jesus em Lc 22:37.

O lugar onde Jesus foi crucificado se chamava Calvário (em aramaico Gólgota e em latim Calvário).

(Lucas 23:34) Jesus intercede pelos inimigos

v. 34 Então, disse Jesus: Pai, perdoa-lhes, porque eles não sabem o que fazem. E, repartindo as suas vestes, lançaram a sorte.

Jesus perdoou Seus executores porque agiram sem saber quem Ele realmente era. Alguns manuscritos primitivos não incluem a primeira parte deste versículo.

A expressão repartindo as suas vestes, lançaram a sorte cumpriu o texto de Sl 22:18.

(Lucas 23:35-39) Tu não és o Cristo?

v. 35 E o povo ficou parado e olhando, e também os governantes o ridicularizavam, dizendo: Ele salvou aos outros; salve-se a si mesmo, se é o Cristo, o escolhido de Deus.

v. 36 E também os soldados zombavam dele, chegando-se a ele, e oferecendo-lhe vinagre,

v. 37 e dizendo: Se tu és o REI DOS JUDEUS, salva-te a ti mesmo.

v. 38 E também havia uma inscrição, escrita acima dele em letras de grego, e latim, e hebraico: Este é o REI DOS JUDEUS.

v. 39 E um dos malfeitores que estavam pendurados, enfurecido, dizia: Se tu és o Cristo, salva-te a ti mesmo e a nós.

 Quatro grupos diferentes (o povo em geral, os governantes, os soldados e um dos malfeitores crucificados) zombaram de Jesus e O desafiaram a salvar a Si mesmo.

Nenhum deles cria que Jesus era o Cristo… o REI DOS JuDEUS, apesar da inscrição oficial pregada na cruz acima de Sua cabeça acusá-Lo de se declarar “o Rei dos judeus”.

(Lucas 23:40-43) Hoje mesmo

v. 40 Mas o outro, respondendo, repreendia-o, dizendo: Tu nem mesmo temes a Deus, estando na mesma condenação?

v. 41 Porque nós, em verdade, padecemos justamente, pois nós recebemos a devida recompensa dos nossos atos; mas este homem nada fez de errado. 

v. 42 E ele disse a Jesus: Senhor, lembra-te de mim, quando tu vieres em teu reino.

v. 43 E disse-lhe Jesus: Verdadeiramente eu te digo: Hoje tu estarás comigo no paraíso.

Em meio a esse espetáculo de incredulidade e zombaria, o outro criminoso percebeu a diferença entre sua culpa e a inocência de Jesus (este homem nada fez de errado).

Ele também se deu conta de que Jesus era o Cristo e Lhe pediu para participar de Seu reino vindouro.

Jesus lhe assegurou que, depois da morte, ele imediatamente seria reunido a Jesus no paraíso, que corresponde à vida eterna além da morte; ver 2Co 12:4.

(Lucas 23:44-45) O véu do templo se rasga

v. 44 E era já quase à hora sexta, e houve trevas sobre toda a terra até a hora nona.

v. 45 E o sol se escureceu, e o véu do templo rasgou-se ao meio.

As três horas de escuridão ao meio-dia (da hora sexta até a hora nona) foram um sinal do juízo de Deus contra o pecado (Jesus se fez pecado na cruz) e contra os pecadores que injustamente executaram o Filho de Deus.

Mateus 27:51 explica que o véu do templo (que ficava entre o Lugar Santo e o Lugar Santíssimo) se rasgou por causa de um grande terremoto.

O véu rasgado simboliza o livre acesso a Deus que a morte de Cristo possibilitou.

(Lucas 23:46) Entregou o espírito

v. 46 E Jesus gritando em alta voz, disse: Pai, nas tuas mãos eu entrego o meu espírito. E, tendo dito isso, ele rendeu o espírito. 

Expressando fé em Deus ao recitar Sl 31:5, Jesus se deu ao espírito. Ele foi posto na cruz por volta das nove horas da manhã (Mc 15:25) e morreu apenas seis horas depois – um tempo excepcionalmente curto. Às vezes os crucificados ficavam ali dois ou três dias antes de morrer.

(Lucas 23:47) A confissão do centurião

v. 47 Ora, quando o centurião viu o que estava feito, ele glorificou a Deus, dizendo: Certamente este era um homem justo.

Comparado aos relatos paralelos, Lucas silenciou a confissão do centurião. Aqui o centurião simplesmente observou que Jesus era realmente justo (e não um criminoso, de forma alguma), ao passo que Mt 27:54 diz que o centurião reconheceu que Jesus era o Filho de Deus.

(Lucas 23:48-49) As mulheres permaneceram

v. 48 E toda a multidão que se ajuntara para observar, vendo as coisas que estavam feitas, retornavam batendo no peito.

v. 49 E todos os seus conhecidos, e as mulheres que o haviam seguido desde a Galileia, estavam de longe vendo estas coisas.

Batendo no peito era um sinal de tristeza, mas em Lc 18:13 parece indicar contrição diante do Senhor.

É importante notar que as mulheres discípulas de Jesus desde a Galileia, que generosamente sustentaram financeiramente Seu ministério (ver nota em Lc 8:1-3), são destacadas entre os que observavam Jesus morrer na cruz.

Elas ficaram com Ele mesmo quando os discípulos homens o abandonaram.

(Lucas 23:50-53) O corpo de Jesus

v. 50 E eis que havia um homem de nome José, um conselheiro, e ele era homem bom e justo;

v. 51 (que não tinha consentido no conselho e nos atos deles), ele era de Arimateia, cidade dos judeus; e ele também esperava o reino de Deus.

v. 52 Este homem foi a Pilatos, e implorou pelo corpo de Jesus.

v. 53 E, havendo-o tirado, envolveu-o em um pano de linho, e o deitou em um sepulcro lavrado na rocha, onde nenhum homem ainda havia sido posto.

Apesar de ser um conselheiro (Sinédrio), José de Arimateia não concordou com a decisão de executar Jesus. Ele era um homem bom e justo e também era discípulo secreto de Jesus (Jo 19:38).

Em vez de ser posto em uma vala comum reservada para criminosos, Jesus foi posto no sepulcro do rico José.

Isso cumpriu a profecia de Is 53:9. Mateus (Lc 27:65-66) afirma que foram postos soldados para guardar o sepulcro de Jesus e que a pedra rolada para fechar a entrada do sepulcro foi selada com o selo de autoridade romana.

(Lucas 23:54-56) O sepulcro

v. 54 E era o dia da preparação, e ia começar o shabat.

v. 55 E as mulheres que tinham vindo com ele da Galileia o seguiram também, e viram o sepulcro, e como foi posto o seu corpo.

v. 56 E elas retornando, prepararam especiarias e unguentos; e no dia do shabat repousaram, conforme o mandamento.

O dia da preparação (do pôr do sol da quinta-feira ao pôr do sol da sexta-feira) era o dia antes do shabat, no qual se faziam os preparativos para ele.

José de Arimateia e Nicodemos fizeram muito em preparar o corpo de Jesus para o sepultamento (Jo 19:39-40), mas as discípulas da Galileia queriam terminar essa tarefa (prepararam especiarias e unguentos).

Elas, no entanto, tinham que esperar o shabat passar para poderem pôr seu plano em prática.

Conclusão

Concluindo, este capítulo relata todo a via dolorosa pela qual Jesus passou. Sua prova de amor é evidente, em cada passo ao propósito que o fizera soar sangue dias antes, o mais alto nível de stress e ansiedade que o ser humano pode chegar, mas mesmo nesse momento Ele fortalece a sua disposição em cumprir não a sua vontade, que não era aquele fardo, mas a vontade do Pai.

Jesus diz 7 frases na cruz, cada com um significado, Ele perdoa seus inimigos, Ele se compadece dos que o seguiam, Ele vê ali naquele momento a consumação de uma obra de salvação que Ele topou por amor.

Satanás nesse momento tem a impressão de ter vencido, de ter matado o filho do Deus vivo, mas algo está para acontecer, sobre o sacrifício perfeito a morte não tem poder. Satanás ficará sem as chaves de casa.

Lucas 23 estudo.

Sobre o Autor

Olá, me chamo Lázaro Correia, sou Cristão, formado em Teologia e apaixonado pela Bíblia. Aqui no Blog você vai encontrar diversos estudos Bíblicos e muito conteúdo sobre vida Cristã.

    0 Comentários

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado.

    Nosso site utiliza cookies para melhorar sua experiência na navegação. Mais informações.