Marcos 1 Estudo: As Boas Novas de Jesus Cristo

Neste capítulo de Marcos 1 estudo, veremos que é anunciado o início do evangelho de Jesus Cristo e, ao fazê-lo, apresenta João Batista como o mensageiro que prepara o caminho para o Senhor Jesus.

Além do testemunho de João Batista para aqueles que queriam ouvi-lo era que Jesus Cristo era tão maior do que ele que João Batista não achava que ele fosse digno de se curvar para amarrar seus cadarços.

Advertisement

Marcos 1 estudo: Contexto histórico

De acordo com o contexto histórico, os escritores antigos frequentemente mencionavam os temas principais de suas obras em suas introduções.

Além de que a abertura do Evangelho de Marcos apresenta a apresentação de Jesus por Marcos como o proclamador e portador do reino de Deus.

Advertisement

(Marcos 1:1) O princípio do evangelho

v. 1 O princípio do evangelho de Jesus Cristo, o Filho de Deus,

O Evangelho de Marcos começa no princípio (Gr. orché) do evangelho (Gr. eugngelion, que significa “boas-novas”). No novo testamento, o nome Jesus equivale ao nome Josué, do antigo testamento, e significa “Yahweh é salvação”.


Você ler a Bíblia todos os dias mas Não consegue Entender a Mensagem de Deus? Clique Aqui e venha Estudar Teologia Conosco de Maneira Fácil e Descomplicada! 📖


Jesus é identificado como Cristo, ou Messias, e Filho de Deus. Jesus é descrito também como Filho de Deus muitas vezes em Marcos: em Seu “batismo (v.11), por demônios (Mc 3:11Mc 5:7), na transfiguração” (Mc 9:7), em Seu julgamento (Mc 14:61) e na confissão do centurião (Mc 15:39).

(Marcos 1:2-3) O mensageiro

v. 2 como está escrito nos profetas: Eis que eu envio o meu mensageiro diante de tua face, que preparará o teu caminho diante de ti.

v. 3 A voz de um que clama no deserto: Preparai o caminho do Senhor, endireitai os seus caminhos.

Advertisement

Como está escrito é uma fórmula que indica a autoridade do antigo testamento (Mc 7:6Mc 9:13 – Mc 11:17 – Mc 14:21). A expressão no profeta Isaías introduz uma citação mista de Ex 23:20; Is 40:3 e Ml 3:10.

Por esta razão, alguns manuscritos trazem “nos profetas”. Em seu contexto original, Senhor se refere ao nome Yahweh no antigo testamento.

O mensageiro anuncia a vinda do próprio Deus. Os escritores do Evangelho aplicaram as palavras a Jesus, que é o Deus encarnado (Jo 1:14).


Quer Pregar Com Conhecimento Bíblico Profundo, Dominando a Oratória, com boa Dicção, Citando Versículos de Memória, sem Timidez e com total Eloquência?
(Clique Aqui e Sabia Mais)


(Marcos 1:4) O batismo do arrependimento

v. 4 João batizava no deserto, e pregava o batismo de arrependimento para remissão dos pecados.

Marcos não menciona o nascimento de João (Lc 1). Em vez disso, introduz João que batizava no deserto, lugar que lembrava a desobediência de Israel (Js 5:6) e a redenção de Deus.

João chamou a um batismo de arrependimento para remissão dos pecados. “Arrependimento” significa “mudar de ideia”. Envolve deixar deliberadamente o pecado.

Advertisement

(Marcos 1:5) A confissão dos pecados

v. 5 E iam ter com ele toda a terra da Judeia, e os de Jerusalém, e todos eram batizados por ele no rio Jordão, confessando os seus pecados.

O fato de João ter atraído toda a terra da Judeia, e os de Jerusalém indica sua popularidade tanto entre o povo do campo como da cidade.

(Marcos 1:6) As vestes de João

v. 6  E João vestia-se com pelos de camelo, e com um cinto de pele em torno de sua cintura, e ele comia locustas e mel silvestre;


⚠️ E-book Grátis para Pregadores ⚠️:


As vestes de João eram semelhantes às de Elias (2Rs 1:8) e outros profetas (Zc 13:4). A descrição de Marcos sugere que João era o Elias que devia retornar e chamar a nação ao arrependimento antes do Dia do Senhor (Ml 4:5-6).

(Marcos 1:7-8) João anuncia o que está por vir

v. 7 e pregava, dizendo: Após mim vem um que é mais poderoso do que eu, de quem não sou digno de, inclinando-me, desatar a correia das sandálias.
v. 8 Eu, em verdade, tenho-vos batizado com água; mas ele vos batizará com o Espírito Santo.

Advertisement

João anunciou que Aquele que estava por vir era mais poderoso, e que ele não era digno nem de curvar-se e desatar a correia das sandálias – um serviço de escravos gentios.

Aquele que estava para vir também era superior em Sua obra: ele vos batizará com o Espírito Santo At 11:16, ver notas em At 1:5).

O batismo de João era simbólico; o batismo de Jesus introduziria a realidade. Marcos só menciona o Espírito Santo aqui e em Mc 3:29 e Mc 13:11.

(Marcos 1:9-11) Jesus é batizado por João

v. 9 E aconteceu naqueles dias que veio Jesus de Nazaré da Galileia, e foi batizado por João no Jordão.
v. 10 E imediatamente, saindo da água, ele viu os céus abertos, e o Espírito como pomba descendo sobre ele;
v. 11 e ali veio uma voz do céu, dizendo: Tu és o meu Filho amado em quem eu me comprazo.

Advertisement

Em Marcos, Nazaré só é mencionada aqui (cp. Mc 6:1) Três coisas ocorreram assim que Jesus saiu da água: os céus se abriram… o Espírito desceu e a voz de Deus veio dos céus.

“Em seguida” ou “imediatamente” (Gr. euthus) ocorre mais de 40 vezes em Marcos. Meu Filho amado mostra a singularidade do Filho e lembra o amor de Abraão por Isaque (Gn 22:2).

Apenas Israel (Êx 4:23) e o rei de Israel (Sl 2:7) são chamados filhos de Deus no antigo testamento. A declaração divina em Mc 1:11 anunciou o relacionamento eterno de Jesus com Deus. As três pessoas da Trindade foram representadas no batismo de Jesus.


Domine a Arte de Elaborar e Pregar Sermões Expositivos, Temáticos e Textuais, para Ensinar com Profundidade, Clareza e Fidelidade as Escrituras!
(Clique Aqui e Confira)


(Marcos 1:12-13) 40 dias no deserto

v. 12 E imediatamente o Espírito o conduziu para o deserto.
v. 13 E ele esteve ali no deserto quarenta dias, tentado por Satanás; e estava entre as feras, e os anjos o serviam.

O mesmo Espírito que desceu sobre Jesus em Seu batismo agora o conduziu para o deserto. “Conduzir” é um termo forte usado para a expulsão de demônios (v. 34,39- Mc 3:15Mc 6:13Mc 7:26Mc 9:18) e outras expulsões forçadas (Mc 5:40Mc 9:47Mc 12:8).

Quarenta dias no deserto lembra a provação de Israel por 40 anos, bem como o jejum de 40 dias no deserto de Moisés (Dt 9:18) e Elias (1Rs 19:8).

Advertisement

Os anjos o ministravam está no pretérito imperfeito. Isto pode sugerir que os anjos serviam a Jesus durante toda a Sua tentação, serviço este não especificado, embora Ele não tivesse sido alimentado até o fim (Mt 4:11). Anjos também serviram Elias durante seu jejum de 40 dias (1Rs 19:1-8).

(Marcos 1:14-15) João foi para a prisão

v. 14  Ora, depois que João foi colocado na prisão, veio Jesus para a Galileia, pregando o evangelho do reino de Deus,

v. 15 e dizendo: O tempo está cumprido, e o reino de Deus está próximo. Arrependei-vos, e crede no evangelho.


⚠️ Receba Estudos Exclusivos no Whatsapp:


 As palavras depois que João foi colocado na prisão indicam um intervalo entre os v. 13 e 14, possivelmente de um ano, se o texto é paralelo a Jo 4:3.

Marcos não incluiu o ministério anterior de Jesus na Judeia (Jo 3:22-26). Mais detalhes sobre a prisão e execução de João aparecem em Mc 6:17-29.

Advertisement

Na pessoa de Jesus, o reino de Deus estava tão próximo que o anúncio de sua chegada requeria resposta imediata – Arrependei-vos, e crede.

(Marcos 1:16-20) Marcos enfatiza a autoridade de Jesus

 Marcos incluiu dois relatos de Jesus chamando pescadores, dois pares de irmãos, para se tornarem seus discípulos. Estes quatro constituíam o centro do grupo.

Marcos enfatizou a autoridade de Jesus de chamar pessoas para deixarem tudo e segui-Lo. De acordo com Lc 5:7-10, os dois pares de irmãos eram sócios no ramo da pesca.

(Marcos 1:16-18) Mais pessoas decidem seguir a Jesus

v. 16 E, andando junto do mar da Galileia, ele viu Simão e André, seu irmão, os quais lançavam a rede ao mar, pois eles eram pescadores.

Advertisement

v. 17 E Jesus lhes disse: Vinde após mim, e eu farei que vos torneis pescadores de homens.

v. 18 E, imediatamente, eles abandonaram as suas redes, e o seguiram.

O mar da Galileia era um lago de água doce de 19 km de comprimento por 11 km de largura, a 213 metros abaixo do nível do mar.

Também conhecido como Mar de Genesaré (Lc 5:1) e Mar de Tiberíades (Jo 21:1), abrigava uma próspera atividade de pesca. Os irmãos Simão e André eram de Betsaida, do lado norte do lago (Jo 1:44), mas agora viviam em Cafarnaum (Mc 1:29).

Advertisement

Vinde após mim é a essência do discipulado do novo testamento. Isto envolve adotar os valores e o estilo de vida de Jesus. Eu farei que vos torneis pescadores de homens amplia sua antiga profissão.

As palavras também apontam para um segundo aspecto do discipulado – o chamado para servir o Senhor e as pessoas através do ministério.

(Marcos 1:19-20) Indo adiante

v. 19 E ele, indo um pouco adiante, viu Tiago, filho de Zebedeu, e João, seu irmão, que também estavam no barco consertando as suas redes.

v. 20 E imediatamente ele os chamou; e eles deixando o seu pai Zebedeu no barco com os servos assalariados, o seguiram.

A expressão indo um pouco adiante liga o chamado dos outros dois irmãos – Tiago e João – ao dos dois primeiros, no tempo e no espaço.

Advertisement

O fato de servos assalariados estarem presentes mostra que seu negócio de pesca era próspero. Deixar isso para seguir Jesus significava deixar uma vida boa para trás.

Assim como Simão e André no v. 18, Tiago e João seguiram Jesus. As palavras de Marcos no grego ligam a resposta deles no v. 20 diretamente à ordem de Jesus no v. 17.

(Marcos 1:21-22) O dia do shabat

v. 21 E eles entraram em Cafarnaum, e imediatamente no dia do shabat entrou na sinagoga, e ensinava.

v. 22 E eles admiravam-se da sua doutrina, pois ele os ensinava como tendo autoridade, e não como os escribas.

Cafarnaum, na costa noroeste do Mar da Galileia, tornou-se o lar (Mc 2:1) e a base de operações de Jesus (Mt 4:13).

Marcos não registrou o que Jesus ensinava na sinagoga, mas disse que os presentes ficavam admirados. Esta era uma reação comum aos ensinamentos de Jesus (Mc 6:2Mc 7:37Mc 10:26; 11:18).

O que impressionava os ouvintes era a autoridade com que Jesus ensinava. Sua autoridade contrastava com a dos escribas, que tinham domínio da Torá e valorizavam interpretações tradicionais (tradições orais).

Em Marcos, os escribas eram os oponentes mais ferozes de Jesus e estavam entre os principais instigadores que O levaram à morte.

(Marcos 1:23-24) O espírito imundo

v. 23 E ali estava na sinagoga deles um homem com um espírito imundo; e ele gritava,

v. 24 dizendo: Deixe-nos sozinhos; o que temos nós contigo, Jesus de Nazaré? Vieste destruir-nos? Eu sei quem tu és: o Santo de Deus.

 E ali estava na sinagoga liga este evento aos versículos 21-22. Marcos usou espírito imundo para denotar um espírito demoníaco “espírito imundo” contrasta com a identificação de Jesus pelos demônios: o Santo de Deus.

O grito do homem, o que temos nós contigo, lembra as palavras de Jefté ao rei amonita (Jz 11:12) e as da viúva de Sarepta a Elias (1Rs 17:18).

(Marcos 1:25-26) Jesus repreende o espírito imundo

v. 25 Mas Jesus o repreendeu, dizendo: Cala-te, e sai dele.

v. 26 Então o espírito imundo, convulsionando-o, e gritando em alta voz, saiu dele.

Baseado na autoridade de Sua palavra, Jesus repreendeu e expulsou o espírito, e lhe ordenou: Cala-te (lit “seja amordaçado””) e sai dele.

O espírito… convulsionando o homem (ver nota em Mc 9:26-27) e, gritando, expressou sua desesperada, porém inútil, resistência a Jesus.

(Marcos 1:27-28) Todos se espantam com o poder de Jesus

v. 27 E eles todos se espantaram, de tal modo que questionavam entre si, dizendo: Que coisa é esta? Que nova doutrina é esta? Porque com autoridade ordena aos espíritos imundos, e eles lhe obedecem.

v. 28 E imediatamente sua fama se espalhou por toda a região ao redor da Galileia.

 Os que estavam presentes ficaram espantados ao verem o exorcismo, principalmente por causa da autoridade com que Jesus o realizou.

A declaração de que os espíritos imundos… lhe obedecem indica que eles acreditavam que aquilo que Jesus fizera a um espírito, ele poderia fazer a todos.

A palavra imediatamente (Gr. euthus) indica quão velozmente a notícia destes acontecimentos se espalhou por toda a região ao redor da Galileia.

(Marcos 1:29-31) Jesus cura a sogra de Simão

v. 29 E, em seguida, saindo eles da sinagoga, entraram na casa de Simão e André, com Tiago e João.

v. 30 Mas a mãe da esposa de Simão estava deitada doente com febre, e logo lhe falaram a respeito dela.

v. 31  E ele veio, tomou-a pela mão, e levantou-a; e imediatamente a febre a deixou, e ela os serviu.

 E imediatamente, saindo eles da sinagoga liga os v 29-34 ao mesmo dia de shabat dos v. 21-28. A casa de Simão e André era grande o suficiente para acomodar Jesus e Seus seguidores.

Arqueólogos identificaram uma casa como esta próxima à sinagoga de Cafarnaum. A mãe da esposa de Simão indica que Pedro era casado.

1 Coríntios 9:5 sugere que a esposa de Pedro o apoiava em seu ministério. Jesus não falou palavra alguma para curar a sogra de Pedro, simplesmente tomou-a pela mão.

A expressão levantou-a é comum nas curas de Jesus em Marcos.

(Marcos 1:32-34) Jesus continua realizando diversos milagres

v. 32  E, quando o sol se pôs, trouxeram-lhe todos os que estavam enfermos, e os possuídos com demônios.

v. 33 E toda a cidade estava reunida à porta.

v. 34 E ele curou muitos que estavam enfermos de diversas enfermidades, e expulsou muitos demônios; mas não permitia que os demônios falassem, porque eles o conheciam.

 A expressão quando o sol se pôs enfatiza que as proibições do shabat acerca do trabalho haviam terminado, já que o shabat terminara ao pôr do sol.

As expressões os que estavam enfermos, e os possuídos com demônios relembram os dois tipos de cura que Jesus realizou anteriormente naquele dia (v. 23-26 e 30-31).

A descrição de Marcos das obras de Jesus afirma que há distinção entre doença e possessão demoníaca: Ele curou os enfermos, mas expulsou os demônios (Mc 3:10-11Mc 6:13).

O fato de Jesus ter curado diversas enfermidades aponta para a natureza abrangente de Seu poder curador.

(Marcos 1:35-39) Jesus os chamam para ir a aldeia vizinha

v. 35 E, de madrugada, levantando-se muito antes de o dia clarear, ele saiu e foi a um lugar deserto, e ali orava.

v. 36 E seguiram-no Simão e os que com ele estavam.

v. 37 E, ao encontrá-lo, disseram-lhe: Todos os homens procuram por ti.

v. 38 E ele lhes disse: Vamos às aldeias vizinhas, para que eu possa pregar ali também; porque para isso é que eu vim.

v. 39 E ele pregava nas sinagogas deles, por toda a Galileia, e expulsava os demônios.

De madrugada, levantando-se muito antes de o dia clarear, juntos indicam que Jesus não descansou muito depois das atividades da noite anterior. O horário cedo que to como Ele saiu despercebido da cidade.

Os verbos que indicam movimento levantando-se… saiu e foi descrevem a busca de Jesus por um lugar deserto, a mesma palavra usada para o deserto onde João pregara (v.4) e onde Jesus fora tentado (v.12).

As palavras Simão e os que com ele estavam referem-se aos quatro discípulos que Jesus chamou. Esta é a primeira vez que Marcos retratou Pedro como o principal discípulo.

Ao encontrá-lo sugere uma intrusão não desejada. Aparentemente todos esperavam mais milagres, mas Jesus pretendia pregar, voltando assim ao foco do início de Seu ministério (v. 14-15).

(Marcos 1:40-45) Jesus purifica o leproso

v. 40 E vindo a ele um leproso, suplicava-lhe, ajoelhando-se diante dele, lhe dizendo: Se tu quiseres, podes purificar-me.

v. 41 E Jesus, movido com compaixão, estendeu sua mão, e tocou-o, e disse-lhe: Eu quero, seja purificado. 

v. 42 E, tendo ele dito isto, imediatamente a lepra saiu dele, e ele foi purificado.

v. 43 E, advertindo-lhe severamente, logo o despediu,

v. 44 dizendo-lhe: Olha, nada digas a nenhum homem; mas vai pelo teu caminho, e mostra-te ao sacerdote e oferece pela tua purificação as coisas que Moisés determinou, para lhes servir de testemunho.

v. 45 Mas ele, saindo dali, começou a proclamar muitas coisas, e divulgar o assunto, de modo que Jesus já não podia entrar publicamente na cidade, mas permanecia fora, em lugares desertos; e vinham até ele de todas as partes. 

As leis relacionadas a lepra estão em Lv 13-14. Este relato (e paralelos em Mt 8:1-4 e Lc 5:12-16) e o dos 10 leprosos (Lc 17:11-19) são as únicas histórias de cura de doenças de pele no novo testamento.

E vindo a ele mostra que o doente tomou a iniciativa e que ele quebrou o protocolo ao fazê-lo.

Suas palavras, se tu quiseres, podes purificar-me, reconheciam o poder de Jesus e denotavam sua submissão à vontade de Jesus.

O fato de Jesus ter ficado com comida para providenciar paixão é um detalhe que apenas Marcos registrou. Tocar alguém com uma enfermidade de pele violava a lei do antigo testamento e tornava a pessoa impura.

Não obstante, Jesus… estendeu sua mão, e tocou-o, e o curou imediatamente. Jesus lhe disse que seguisse as exigências de Lv 13:47-14:54 para lhes servir de testemunho aos sacerdotes de sua cura.

Não sabemos se ele cumpriu os ritos prescritos, mas ele desobedeceu a ordem de Jesus para não contar a  nenhum homem sobre sua cura.

Conclusão

Concluindo, portanto, para Marcos, o início do evangelho é o fato histórico da vida, morte e ressurreição de Jesus.

Além disso, mais tarde, os apóstolos o proclamaram, começando onde Marcos terminou.

Por fim, o Evangelho é “sobre Jesus Cristo”, o Filho de Deus “Jesus” é o nome pessoal que Deus lhe deu, o equivalente grego do hebraico Josué, que significa “O Senhor é a salvação”.

Marcos 1 estudo.

Sobre o Autor

Olá, me chamo Lázaro Correia, sou Cristão, formado em Teologia e apaixonado pela Bíblia. Aqui no Blog você vai encontrar diversos estudos Bíblicos e muito conteúdo sobre vida Cristã.

    0 Comentários

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *